Grupos de linha para se juntar

Não existe motivo imediato para juntar, então a não ser que as pessoas organizadoras dos grupos decidam juntar, existirá competição se eles tentarem lançar as mesmas legendas. Os motivos da competição eu não sei se é por orgulho. Talvez seja, mas inconsciente. Ninguém se importa de fato se alguém lançar a mesma legenda. Os usuários do MySpace podem formar grupos que vinculam pessoas com interesses comuns em conjunto e você pode se juntar a qualquer desses grupos que você deseja. O MySpace tem literalmente centenas de milhares de grupos para você olhar e possivelmente se juntar: 1Logo para o MySpace. Sua página de perfil do MySpace é exibida. Talvez a maior vantagem de se juntar a um grupo é A capacidade de aprender sobre mais negócios. O investimento de anjo é, por sua natureza, uma proposta de alto risco e alta recompensa. Como tal, a maioria dos especialistas sugere ter um portfólio de pelo menos 10 empresas para proteger seu capital. Isso certamente ajuda a ter um fluxo ... Clique na guia Iníciopainel ModificarEditar polilinha. Pesquisa Selecione a polilinha, spline, linha ou arco para editar. Se você selecionou uma spline, linha ou arco, pressione Enter para converter o objeto selecionado em uma polilinha. Digite j (Unir). Selecione uma ou mais polilinhas, splines, linhas ou arcos que estão localizados fim a fim. Este espaço pretende contar a histórias de grupos que fizeram parte do 'Brasil Fio a Fio' e de outros grupos que forem aparecendo para se juntar a essa rede Bordadeiras de Andrequicé - MG O painel “ Festa de Manuelzão' foi o primeiro trabalho feito pelas bordadeiras e assim nasceu este grupo. O painel traz para… Crescer com a integração de recursos,Yan Tang Hou preciso de você para se juntar ~ Aplicação de franquia Ao lado da leitura de código bidimensional,Ou pesquise no micro-letra “Hou Yan Tong Shopping” inscrição on-line para se tornar um revendedor; ~ O Universo te convoca para participar do maior e melhor Grupo de Whatsapp de Whatsapp Geek do Brasil! 👉 Grupo de Whatsapp Ativo Desde 2018 👉 Quiz e Jogos toda semana! 👉 Amizades Incríveis 👉 Brindes para os membros 👉 Grupo de Whatsapp 24hrs online! O que esta esperando? Venha se juntar a esta grande família Geek! Te espero em!

Eu criei uma historia para mangá ou anime

2020.08.24 19:07 Fellyer Eu criei uma historia para mangá ou anime

A muito tempo antes de existir humanos existia uma forma de vida inteligentes, chamado os Roleyers. Eles nasceram no japão mais nunca sairam de lá ja que seu corpo so aguentava os climas do japão, criaram varias cidades e evoluindo sua inteligencia e chegou um ponto que eles criaram o Fukkō no shudai que pode rencostruir a matéria a a natureza ( o Fukkō no shudai pode ser em forma líquida, fisica ou gasosa ) existe sub divisões do Fukkō no shudai, o Busshitsu no saiken que reconstrói a matéria, atomo, celulas etc e o Shizen no fukkō que reconstrói a natureza. Eles começaram a ter opiniões diferentes sobre qual Fukkō no shudai era melhor então começou varais guerras e o inicio da extinção deles. Depois de muito tempo da extinção dos Roleyers surgiram os humanos, seres vivos inteligentes e começaram a ser desenvolver entre os humanos tinham rencarnações de Roleyers que podiam usar o Busshitsu no saiken e o Shizen no fukkō, por isso muitas pessoas sentiram inveja de seus poderes, então elas começaram a se reunir e se juntar para criar Busshitsu no saiken e Shizen no fukkō artificias, isso creçeu tanto que no periodo sengoku eles tonaram o japão todo e se-denominaram como O governo, mais esse governo era muito corupito. Então os usuarios do Busshitsu no saiken comoçaram a fazer grups rebeldes que o objetivo era acabar com o governo e dominar todo o japão, e os usuarios de Shizen no fukkō começaram a fazer familias com as pessoas de que tem o mesmo elemento da natureza. eles so queriam que o japão ficasse em paz. Assim existindo a familia Tanahashi com pessoas que so podem controla a água e também outros clãs que podem dominar um elemento da natureza, com o passar dos anos em 1904 nasce Yuki Tanahashi uma jovem promeça para a familia Tanahashi, dos 5 á 16 anos ele foi treinado por Hideki Tanahashi para se torna um grande usuario de Shizen no fukkō, então no dia depois do seu aniversario ele vai para a linha de frente que é os locais onde acontece as batanhas contra o governo e os grupos rebeldes
E assim que começa a historia de Kotonaru Iken...
(vc pode coloca a sua opinião nos coméntarios por favor)
submitted by Fellyer to HUEstation [link] [comments]


2020.08.17 00:08 YatoToshiro FGO: Eternal Madness Empire: Septem AD.0060 (Analise)


https://preview.redd.it/pem3p7g3ufh51.png?width=1024&format=png&auto=webp&s=493ce69f664c4e821e23ab1e2ac48f51e726513b
Pouco depois de chegar na era, Ritsuka Fujimaru e Mash Kyrielight ajudam Nero Claudius e seu exército a derrotar um exército inimigo. Depois de agradecer a ajuda deles, Nero pergunta ao par de onde eles são, embora ela duvide da resposta deles de serem do futuro. Derrotando uma segunda onda de inimigos, o grupo é confrontado por um Servo, que Nero identifica como seu tio, Calígula. Depois de se retirar junto com o exército inimigo, Nero percebe que ele é o general. Ela então se apresenta adequadamente a Ritsuka e Mash, surpreendendo-os com sua identidade.
Chegando a Roma, Mash diz a Nero que eles procuram o Santo Graal, que ela diz ser a causa dos danos causados a Roma. Nero pede para continuar a conversa em seu palácio, mas o mercado é atacado por inimigos. Depois de derrotá-los, Nero fala com Ritsuka e Mash dentro de seu palácio. Ela revela uma aliança que consiste em vários "imperadores", chamados de Império Romano Unido, que conquistou metade do Império Romano. Ela continua que qualquer informação sobre eles, incluindo a localização de sua capital, é escassa porque seus batedores nunca retornam. Nero então revela que Calígula é um dos "imperadores" do Império Unido, e depois revela que matou seu mago da corte. Mash e Romani Archaman então percebem que um dos "imperadores" possui o Graal causando a Singularidade. Nero implora a Ritsuka e Mash para ajudá-la a derrotar o Império Unido, dizendo que ela os ajudará a obter o Graal. Depois de concordarem em ajudar, Mash pergunta a ela se ela já ouviu o nome Lev Lainur, mas o nome não é familiar para ela. Mash diz a ela que ele é um mago de sua época que a Caldéia e a humanidade, e especula que ele pode ser na época. Nero diz que um mago poderoso está no Império Unido, tendo sido visto na linha de frente. Isso faz com que Romani peça a ela para posicionar Ritsuka e Mash o mais próximo possível das linhas de frente, com o que ela concorda. De repente, um soldado relata que o portão leste da cidade está sendo atacado por um batalhão de médio porte do Império Unido. Ritsuka e Mash vão derrotar o inimigo até o anoitecer.
Na manhã seguinte, Ritsuka e Mash viajam para o Monte Etna para estabelecer um círculo de invocação usando a linha ley da montanha. Ao retornar, Nero os convida para um encontro com sua força expedicionária da Gália. Romani conta à dupla que, segundo Nero, a Gália é uma das linhas de frente na guerra com o Império Unido. Então, ele implora que se juntem à força expedicionária com a chance de que Lev possa estar lá. Mais tarde, o grupo é atacado por soldados inimigos a caminho do acampamento de expedição. Depois de derrotá-los, o grupo chega ao acampamento, onde Nero dá às tropas um discurso empolgante por sua próxima vitória. Ritsuka e Mash são então recebidos por Boudica e Spartacus, ambos generais da expedição da Gália. Romani especula que eles são Servos perdidos como em Orleans antes, e acha encorajador que eles possam encontrar aliados nas Singularidades. Algum tempo depois, um soldado relata que um grupo de reconhecimento inimigo foi descoberto e o inimigo está escapando com informações sobre a força expedicionária. Depois de matar os batedores, Boudica conta a Ritsuka e Mash como ela se materializou como Serva na era logo após sua morte. Ela continua achando que sua convocação era sua chance de vingança contra Nero e o povo romano. No entanto, ao ver Roma sendo invadida pelo Império Unido, Boudica lutou para salvar o povo de Roma. Revelando que Nero não tem conhecimento de sua condição de serva, ela diz ao casal que se juntou a Nero porque odeia o Império Unido mais do que ela. Boudica, com Spartacus, então decide testar as habilidades dela e de Ritsuka para provar que eles podem derrotar o "imperador" que governa a Gália.
Mais tarde, depois de provar sua força para Boudica, Ritsuka e Mash viajam com ela e o resto da força expedicionária para a Gália. Ela e Spartacus lideram o ataque contra o inimigo enquanto a dupla vai com Nero ao acampamento base do inimigo. Eventualmente, o grupo se infiltra no principal acampamento inimigo, onde eles encontram o atual governante da Gália. Depois de derrotá-lo, ele revela ser Júlio César, e diz a eles que o Graal está localizado na capital do Império Unido, mantida por seu mago da corte. César então luta contra o grupo mais seriamente, mas eles são capazes de derrotá-lo novamente. Antes de desaparecer, ele se pergunta como Nero reagirá ao ser confrontado pela governante do Império Unido quando ela chegar à capital. Depois de ser explicado o básico sobre Servos, Nero parabeniza Ritsuka e Mash por tomar de volta a Gália do Império Unido.
No caminho de volta, o grupo ouve rumores da população local de que um antigo deus apareceu no Mediterrâneo. Nero decide que eles devem verificar os rumores quando um soldado relata que suas fileiras traseiras estão sendo atacadas por monstros. Depois de matá-los, Nero diz ao grupo que eles devem verificar a existência do deus antes que o Império Unido o faça. Ela então se abre um pouco, o que faz com que os outros se lembrem de Boudica dizendo que ela tem feito isso desde o Império Unido. Eles se perguntam por que estão detectando pequenos traços de Energia Mágica quando Nero retorna do espaço, como Boudica disse antes. Então, após derrotar os remanescentes hostis do exército inimigo, o grupo viaja para a Ilha Formada. Lá eles saudaram pelo suposto deus, a deusa Stheno das três irmãs Górgona. Depois de matar alguns fantasmas, Nero pede que ela volte com eles para Roma para lutar contra o Império Unido. Stheno se recusa, pois suas habilidades de combate estão abaixo da média, mas ela diz que dará ao grupo uma recompensa especial que está em uma caverna no final da costa. Porém, dentro da caverna, o grupo apenas encontra e mata os mortos-vivos e uma quimera, a chamada recompensa de Stheno. Saindo da caverna, eles encontram Elizabeth Báthory e Tamamo Cat, que foram feitos para servir como testadores para a caverna por Stheno. Calígula então aparece para atacar o grupo para matar Nero sob as ordens de Lev. Depois de ser morto, Stheno diz ao grupo a localização da capital do Império Unido.
Continuando seu caminho de volta para Roma, o grupo é atacado por uma brigada inimiga. Matando muitos soldados inimigos, eles são emboscados por mais inimigos liderados por Leônidas I. Após derrotá-lo, o grupo finalmente retorna a Roma, onde eles realizam um festival para celebrar sua vitória. Mais tarde, em seu palácio, um soldado relata a Nero que a força da expedição especial está sob ataque das forças do Império Unido em seu caminho de volta para Roma. Concordando em ajudar, Ritsuka e Mash logo chegam para ajudar a força especial da expedição. Depois de derrotar as forças inimigas, um dos general se apresenta como Jing Ke e o outro como Lu Bu, que havia acabado de correr para perseguir o inimigo. Ritsuka e Mash contam a ela sobre a missão da Caldéia, e Jing Ke conta a eles como ela e Lu Bu já mataram três "imperadores" inimigos. Mais tarde, ela examina a localização da capital do Império Unido fornecida por Stheno, e relata que uma cidade semelhante a Roma no local especificado. Depois de receber informações, Nero lidera um exército comandado por Ritsuka e os servos aliados de Mash para atacar a capital inimiga. Derrotando várias forças inimigas à medida que avançam, o exército é atacado por Dario III e suas tropas mortas-vivas. Após derrotá-lo, Ritsuka e Mash recebem uma mensagem de Nero de um soldado. Ele relata que a retaguarda de seu exército foi emboscada e Spartacus e Lu Bu deixaram o campo de batalha. Ele continua que depois que eles se separaram de sua força principal para perseguir os inimigos restantes, outra força inimiga lançou um ataque surpresa de pinça e capturou Boudica. Voltando a Nero, ela decide que irão salvar Boudica, que está presa em um forte inimigo que Jing Ke já encontrou. Apesar de saberem que pode ser uma armadilha, eles vão para o forte inimigo.
Chegando à fortaleza, o grupo encontra dois Servos inimigos, que lhes dizem que Boudica está dormindo em segurança graças a um feitiço de restrição. Depois que Nero exige seu nome, eles se apresentam como Alexandre e Lorde El-Melloi II. No entanto, enquanto Alexandre fala com o grupo, os soldados do Império Unido lançam um ataque de pinça sobre eles. Depois que o inimigo é derrotado, Alexandre continua a insistir que deseja apenas falar com Nero enquanto seus exércitos se matam. Ele pergunta por que ela está lutando contra o Império Unido, em vez de mostrar sua fidelidade a ele. Ele continua que se ela escolheu ser um dos "imperadores", ela poderia ter evitado muitos conflitos desnecessários. No entanto, Nero responde com sua resolução de continuar lutando contra o Império Unido, pedindo a ajuda de Ritsuka e Mash para lutar contra Alexander e El-Melloi. Depois de serem derrotados, o grupo resgata Boudica.
Eventualmente, Ritsuka, Mash, Nero e seu exército lançam seu ataque à capital do Império Unido. Enquanto o exército continua o ataque, Ritsuka e Mash se movem em direção ao palácio enquanto discutem sobre a possibilidade de encontrar Lev lá. Um Servo então aparece diante deles perto da entrada do palácio, elogiando-os por sua bravura. Para sua consternação, Nero percebe que é Romulus e a pede para ingressar em seu império. Um grupo de inimigos então aparece para atacá-la, mas Mash os derrota. Depois, Boudica fala com Jing Ke como o carisma de Romulus aumentou o moral do inimigo de forma incrível, a ponto de até mesmo meros civis agirem como soldados. Depois de discutir a perda de confiança de Nero, Jing Ke vai procurar uma maneira de entrar no palácio enquanto Boudica vai proteger Nero e os soldados. Depois que Mash sai após derrotar alguns monstros, Nero fala com Ritsuka sobre como ela queria se juntar a Romulus quando ele se ofereceu. No entanto, ela recusou, acreditando que ele está enganado, pois nenhum de seus cidadãos e soldados estão sorrindo. Quando Mash retorna, Nero diz que Jing Ke encontrou um caminho para o palácio. Ela continua que ela e os outros levarão um pequeno número de elites com eles e eliminarão Rômulo.
Dentro do palácio, o grupo é conduzido para a sala do trono por Jing Ke enquanto eles matam monstros. Ao chegar na sala do trono, eles são recebidos por Romulus, que passa a lutar contra eles. Depois de ser derrotado, Lev aparece diante do grupo, parabenizando-os pela vitória. Sua aparência confirma seu status de mago da corte do Império Unido, bem como o portador do Graal. Lev revela que seu plano original era dar o Graal a Romulus para destruir a era, mas o fundador de Roma recusou. Como resultado, ele foi forçado a manipular eventos para destruir a era. Lev então se encarna no Deus Demônio Flaurous e luta contra o grupo. Depois de ser derrotado, ele usa o Graal para invocar Altera e ordena que ela destrua Roma. No entanto, ela o mata e absorve o Graal em seu corpo. Altera então libera seu Nobre Fantasma, destruindo o palácio junto com Spartacus e Lu Bu. Felizmente, o grupo salvou com o uso rápido de Mash e Boudica de seu Noble Phantasm. Romani relata que Altera está se movendo em direção a Roma para destruí-la. Duvidando de suas chances de vitória, Nero lembra aos outros as palavras de Romulus de como Roma deve continuar para que o mundo continue eterno. Incentivado por suas palavras, o grupo, junto com Boudica e Jing Ke, se prepara para ir atrás de Altera. No entanto, eles são emboscados por wyverns que foram atraídos para o Graal conectado com Altera. Depois de matá-los, o grupo finalmente alcança Altera. Nero tenta falar com ela, mas Romani avisa que ela está perdendo o controle ao se fundir com o Graal. Ele implora ao grupo para derrotá-la antes que ela liberte seu Nobre Fantasma novamente. Depois de ser derrotada, Altera afirma que está feliz por saber que sua espada não pode destruir tudo. Depois que ela desaparece, Ritsuka e Mash recuperam o Graal. Nero então percebe que eles irão desaparecer como Altera, Boudica e Jing Ke. Mash confirma suas preocupações e diz a ela que suas memórias de lutar contra o Império Unido irão desaparecer quando a era for restaurada. Embora triste com as palavras de Mash, Nero agradece de coração a ela e a Ritsuka antes de voltarem para a Caldéia.
__________________________________________________________________________________________________
Comparando com Orleans, Septem foi um Arco Legal, mas nem tanto.
Mas em compensação FGO me fez gosta da Nero Claudius do que em Fate/Extella. Não que eu não tenha gostado dela em Extella, só não considerava ela a minha serva favorita do jogo. (Apesar que eu ainda preciso jogar o Extra pra saber mais sobre a Nero)
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.10 02:17 YatoToshiro Fate/Gensokyo #53.5 Jeanne d'Arc Alter (Fate/Grand Order) Parte 2


https://preview.redd.it/z555wif5h2g51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=1cb1df50f74d352beb095b625613f4e4bcf831e9
Orleans: The Wicked Dragon Hundred Years 'War
Jeanne Alter é criada por Gilles de Rais (Caster) através do poder do Santo Graal, como uma versão de Jeanne d'Arc distorcida por seu ódio pela França e por Deus. Após sua criação, ela convoca o Chevalier d'Eon, Vlad III, Atalanta, Santa Martha e Carmilla enquanto adiciona o Melhoramento Louco para transformá-los em Servos Furiosos. Ela ordena que destruam a França, declarando que Deus perdoará todas as suas transgressões. Ela também diz que está tudo bem se Deus os punir, pois sua campanha destrutiva é um meio de provar a existência e o amor de Deus. Gilles então traz Pierre Cauchon antes dela. Jeanne Alter furiosamente o lembra do ridículo que ela suportou durante a vida. Ela também zombeteiramente diz a ele para dizer a todos que a malvada Jeanne d'Arc está aqui e rugir como um leão valente. Ela diz que sua fé é frágil e o acusa de ser um herege por implorar a uma bruxa que o poupe, quando ele implora a ela que poupe sua vida. Ela então começa a queimá-lo vivo até que nada mais reste. Ela então ordena que seus servos destruam a França novamente, começando com Orleans. Depois de explicar a seus Servos que agora são Servos Furiosos, Jeanne Alter declara que a humanidade não tem valor, pois falhou em provar seu amor a Deus. Ela decide que a bandeira deles será dragão quando Gilles diz que eles precisam de um símbolo para se reunir, citando sua conexão com dragões. Posteriormente, as forças de Jeanne Alter conquistaram Orleans, matando Carlos VII no processo. Durante o curso de sua campanha, Jeanne Alter e suas forças destroem muitas cidades e matam muitas pessoas. Um dos mais proeminentes é Lyon, onde Jeanne Alter derrotou e amaldiçoou seu protetor, Siegfried.
Jeanne Alter e seus servos eventualmente encontram Ritsuka, Mash Kyrielight e Jeanne quando chegam no recentemente destruído La Charite. Ela zomba de Jeanne e se declara a outra "ela". Ela chama a resposta para a pergunta de Jeanne sobre por que ela destruiu a cidade óbvia, já que ela está destruindo a França. Ela então pergunta que queria salvar a França e seu povo, apesar de saber que eles iriam ridicularizá-la e traí-la. Enquanto Jeanne hesita em responder, Jeanne Alter declara que não será mais enganada ou traída. Ela confessa que não consegue mais ouvir a voz de Deus, e interpreta isso como um sinal de que a França não é mais abençoada por ele. Assim, ela destruirá o país de acordo com Sua dor. Ela declara que salvará a França transformando-a na terra dos mortos. Ela diz a Jeanne que não conseguia entender, acusando-a de ser uma virgem sagrada que finge não ver ódio e alegria e é incapaz de crescimento humano. Ela começa a atear fogo no console do Archaman Romani quando ele diz que o crescimento humano dos Servos seria classificado como Espíritos Heróicos. Jeanne pergunta se ela realmente é "ela", mas Jeanne Alter apenas zomba de suas dúvidas. Ela chama Jeanne de nada mais do que o resíduo que ela jogou fora. Ela então ordena que Vlad e Carmilla a matem. Quando Maria Antonieta intervém, Jeanne Alter pede a D'Eon que confirme sua identidade. Ela diz a Marie que ela é inadequada para participar da batalha porque ela viveu uma vida de luxo, e morre sem saber o que aconteceu. Ela se pergunta se Marie pode entender seu ódio. Depois que o grupo escapa quando Mozart repele Vlad e Carmilla com Requiem for Death, Jeanne Alter ordena que Martha os siga e observe. Ela diz a Vlad que Martha ficará bem sozinha, já que seu Nobre Fantasma pode ser destruído. Mas ela concorda que precisa ser cuidadosa e decide retornar a Orleans para convocar servos adicionais. Ela então ordena que Vlad, Carmilla e D'Eon continuem destruindo a França, e sai dizendo a eles que até mesmo os anti-heróis têm dignidade.
Mais tarde, Jeanne Alter convoca Charles-Henri Sanson e Lancelot quando ela retorna a Orleans. Ela fica sabendo da morte de Martha, perguntando-se se ela cometeu suicídio, e irritada por manter sua sanidade, apesar de seu Melhoramento Maluco. Ela acha mais provável que tenha lutado com todas as suas forças, então eles não podem baixar a guarda. Ela afirma que partirá com "ele" na próxima vez. Ela diz que vai deixar os Servos recentemente convocados, então ordena que Gilles contate Carmilla. Ela então pergunta a ele quem ele pensa ser a verdadeira Jeanne, ela ou Jeanne, ao que ele responde. Depois que Gilles a lembra da traição e do ridículo que ela sofreu na vida, Jeanne Alter declara que tudo foi um erro que deve ser corrigido. Ela concorda com Gilles que sua vingança é justa, dizendo que suas palavras lhe dão força. Ela então ordena que Sanson e Lancelot montem em seus wyverns e partam com ela. Mais tarde, ela confronta o grupo nas ruínas de Lyon, após resgatar Siegfried. Ela então ordena que seu dragão pessoal, Fafnir, os incinere, mas ele bloqueia a Luminosité Eternelle de Jeanne e o Lorde Chaldeas de Mash. Ela é forçada a recuar quando Fafnir é atingido por Balmung. Depois de se retirar para o céu, ela ordena que Sanson e Lancelot matem o grupo, dizendo que Carmilla se juntará mais tarde.
Jeanne Alter posteriormente ataca a cidade protegida por Georgios com Sanson enquanto seus cidadãos ainda estão sendo evacuados. Depois que Marie derrotou Sanson, Jeanne Alter achou engraçado que aqueles com maior potencial foram os primeiros a cair. Ela está irritada por Jeanne já ter escapado com Georgios e acha ridículo que ganhar um Servo deu esperança a Jeanne. Ela então pergunta a Marie por que ela está tentando salvar os cidadãos, embora ela tenha sido decapitada por seus próprios cidadãos. Marie responde que sua morte foi inevitável porque ela não era mais necessária para o povo. Ela então pergunta a Jeanne Alter quem ela é, mas Jeanne Alter também diz a ela para calar a boca. Ela então ativa o Palácio de Cristal e luta contra Jeanne Alter, que ela acaba perdendo.
Voltando para Orleans, Jeanne Alter confirma que Marie morreu e pergunta a Gilles sobre a condição de Sanson. Ele responde que a mente de Sanson pereceu com Marie, dizendo que ele só está apto para ser um soldado de infantaria agora. Jeanne Alter está aborrecida porque Georgios escapou graças ao fato de Marie a estar segurando. Ela começa a pedir para encontrar o grupo quando D'Eon interrompe para relatar que o grupo está indo para Orleans. Jeanne Alter ordena que eles se preparem para a batalha e Gilles para reunir os dragões e servos. Ela declara que o mundo será destruído se eles vencerem, e mesmo se eles perderem, o mundo já se foi. Ela também diz que, mesmo que Caldéia corrija a era, uma jornada sem fim pela frente. Apesar disso, eles e Jeanne ainda têm fé no mundo, para grande aborrecimento de Jeanne Alter. Ela decide destruir o grupo por esse motivo, não querendo que eles restaurem o mundo, dizendo que é o desejo dela e de Gilles.
Jeanne Alter e suas forças confrontam o grupo enquanto eles marcham em direção a Orleans. Ela diz a Jeanne que eles são iguais, mas Jeanne rejeita firmemente essa ideia. Ela então exibe a horda de dragões com ela, declarando que eles devorarão tudo na França. Depois, os dragões lutarão e se devorarão em uma guerra sem fim. Ela fica chocada quando o General Gilles de Rais chega com seu exército e começa a bombardear os dragões com artilharia. Depois que seus servos e Fafnir são mortos na batalha, Jeanne Alter é convencida por Gilles a retornar ao castelo.
Dentro do castelo, Jeanne Alter ordena que Gilles a defenda enquanto convoca um novo Servo. Ela concorda com sua sugestão de convocar o Rei Arthur, embora duvide que um cavaleiro inglês responda a sua convocação. Quando Ritsuka, Mash e Jeanne chegam na sala do trono, ela fica surpresa que eles chegaram mais rápido do que o esperado, então ela não precisa modificar a convocação. Jeanne pergunta se ela se lembra de sua família, mas Jeanne Alter não consegue se lembrar. Descobrindo que não importa se ela se lembra ou não, ela invoca Servos das Sombras e ordena matar o grupo. Depois de destruídos, ela luta contra o grupo pessoalmente. Ela é derrotada, mas se recusa a acreditar que perdeu porque tem o Graal. Quando ela começa a morrer, ela diz a Gilles que ela ainda não destruiu a França. Ela fica consolada quando Gilles diz que destruirá a França em seu lugar. Ela então desaparece, revelando que o Graal era seu centro.
Da Vinci and The Seven Counterfeit Heroic Spirits
Como seu conceito já existia, Jeanne Alter nunca foi verdadeiramente destruída na Singularidade de Orleans. Já que Gilles de Rais, que a desejou, e o Santo Graal, que fez isso acontecer, foram mortos e capturados, as chances de ela ser convocada novamente eram infinitesimais. No entanto, ela foi capaz de invocar-se invertendo o desejo de Jeanne d'Arc de não ter uma versão alterada de si mesma. É uma técnica de quebra de regras que só foi possível graças à popularidade de Jeanne como Espírito Heroico. Insatisfeita por ser uma falsificação, Jeanne Alter procurou superar seu eu original. Usando o Louvre como base e querendo vingança por Orleans, ela cria versões falsificadas de Alexandre, Hector, Siegfried, Arash, Arjuna, Gilles de Rais, Brynhild com o propósito de superar seus originais. Ela também deu a cada um deles histórias de fundo específicas centradas em torno dela por um desejo inerente de ser o protagonista. Continuando com seu plano que começou desde a Singularidade de Orleans, ela além disso melhorou seus valores de Saint Graph por meio do Counterfeits ’Riot, tornando-se publicamente uma Serva. Com relação à convocação dos Espíritos Heróicos Falsificados, em algum momento durante o período do Motim das Falsificações, parece que Jeanne Alter queria esquecer todas as suas existências exceto a dela.
Eventualmente, Jeanne Alter localizou Ritsuka, Mash, Leonardo da Vinci e EMIYA, que procurava impedir sua falsificação. Eles a encontram sendo desconfortavelmente abraçada pela falsificada Brynhild. Ela os elogia por localizá-la, presumindo que eles seguiram os rastros deixados pelas falsificações. Ela chuta Brynhild para longe, apenas para ela rastejar de volta. Ela explica que o comportamento de Brynhild inadvertidamente resultou de seu desejo de que um de seus sete seguidores fosse mulher. Pedindo ao grupo para ignorar Brynhild, ela revela as circunstâncias de seu retorno. Ela aceita que é uma falsificação da Jeanne original, mas ainda quer superá-la, pois Da Vinci especulou com razão. Ela continua que, embora seja uma falsificação, não há regras dizendo que ela não pode fazer nome para si mesma no mundo. Ela continua ainda que as pessoas imaginam que a morte de Jeanne justificaria sua vingança, declarando-se um aspecto de Jeanne. Portanto, como ela nasceu do ódio e da intenção assassina, Jeanne Alter é uma Anti-Herói e uma Serva da classe Vingador. Ela então ordena que Brynhild ataque o grupo. Ela nega a dedução da EMIYA de que a maioria de seus Servos falsificados eram homens pelo desejo inconsciente de ser o protagonista, apontando Brynhild. Mash suspeita que ela queria uma amiga, mas Jeanne Alter nega. Ela afirma que os Servos falsificados eram meramente peões dispensáveis, então luta contra o grupo com Brynhild. Depois que Brynhild é derrotada, Jeanne Alter se culpa por ser incapaz de convocar Brynhild da forma adequada. Ela presume que Brynhild vai culpá-la antes que ela morra, como ela presume que os outros morreram. No entanto, Brynhild diz que ela e as outras falsificações desfrutaram de seu tempo com ela antes de desaparecer. Jeanne Alter afirma que as falsificações foram um peão criado para sua diversão, mas Da Vinci a repreende por não perceber seus verdadeiros sentimentos. Ela explica que as falsificações já ultrapassavam os originais e estavam sinceramente se divertindo, apesar de serem falsas. Ela continua que eles tiveram cuidado e preocupação genuínos por Jeanne Alter. Isso confunde Jeanne Alter, pois ela não consegue entender por que alguém se importaria com uma garota vingativa como ela. Da Vinci diz a ela para abraçar seu desejo de vingança e seu papel como Anti-Herói para se tornar uma Serva completa. Jeanne Alter hesita com a ideia de ser convocada quando Ritsuka diz que eles a aceitariam. Depois de um longo período de reflexão, ela aceita seu complexo de inferioridade para com Jeanne e seu desejo de ser desejada. Ela aceita que seu ódio nunca cessará e ela sempre será uma Vingadora, não importa quantas vidas ela salve. No entanto, apesar de tudo isso, ela diz que responderá à convocação de Ritsuka. No entanto, ela começa a lutar contra o grupo por vingança por eles terem derrotado suas falsificações. Depois de ser derrotada, ela diz que se divertiu. Ela revela que seu eu futuro formará um vínculo com Ritsuka enquanto seu eu atual desaparecerá. Ela assume que seu eu futuro não terá memórias de ser um Espírito Heróico falsificado, então o atual queria criar pelo menos uma memória. Ela diz a Ritsuka para assumir a responsabilidade por seu futuro eu e se despede deles antes de desaparecer.
Salomon: The Grand Time Temple
Jeanne Alter está entre os Servos do "evento especial" ajudando a Caldéia contra os Pilares do Deus Demônio.
Shinjuku: The Malignant Quarantined Demonic Realm
Jeanne Alter estabelece seu próprio território em Shinjuku após sua convocação após formar uma trégua com Artoria Alter para se deixarem em paz. Em algum ponto, ela foi gravemente ferida por Baal disfarçada de James Moriarty, forçando-a a se retirar para o esgoto. Mais tarde, ela tenta incinerar o verdadeiro Moriarty quando ele se intromete em seu território. Ela é mais tarde atacada por EMIYA Alter sob as ordens de Baal, irritada por ele ter transformado uma espada em uma arma moderna. Ela então liberta La Grondement Du Haine em uma tentativa de destruí-lo, mas para sua irritação, ele usou um escudo para bloqueá-lo e escapar. Tendo se esforçado demais com aquele ataque, ela desmaia e espera para desaparecer. Ela se pergunta se alguém vai roubá-la e jogá-la no rio ou contaminá-la enquanto ela desaparece. No entanto, ela é salva pela chegada de Ritsuka, Moriarty e Artoria Alter. Depois de se insultar, Jeanne Alter pergunta por que ela veio, uma vez que eles tinham trégua para se deixarem em paz. Artoria Alter responde que não é mais o caso e se gaba de ter um Mestre, segundo a crença de Jeanne Alter. Ela assume que seu Mestre é totalmente incompetente até que Ritsuka se apresente como dito Mestre. Ela pede a Ritsuka para deixá-la se juntar a eles, alegando que ela é uma Serva melhor do que Artoria Alter ou Moriarty. Ela falha em detalhes de como ela é melhor do que eles quando os inimigos chegam em cena, tendo sido atraída pelo cheiro de seu Nobre Fantasma. Após a batalha, ela pergunta a Mash por que ela não os está ajudando como um Shielder. Mash responde que ela está atualmente em licença de serviçal devido a certas circunstâncias, o que decepciona Jeanne Alter, já que Mash é seu último bastião de defesa. Ela se lembra de Mash se recusando a soltar seu escudo enquanto segurava as lágrimas de medo. Por causa disso, ela assume que Mash é um ser humano melhor do que ela, já que ela realmente sente medo. Artoria Alter a acusa de tentar roubar Mash, explicando que ela é um de seus cavaleiros já que Galahad a está possuindo. Jeanne Alter conta que ela pode fazer o que quiser, já que Mash não é Galahad. Ela então tenta incinerar Moriarty, assumindo que foi ele quem a feriu tão gravemente. Ela pára quando Ritsuka diz que pode confiar em Moriarty, pois foi outro ele quem a atacou. Mas, como os outros, ela não pode confiar nele. Mesmo assim, ela permite que ele os acompanhe quando Da Vinci diz que Moriarty arriscou a vida para proteger Ritsuka. Ela se irrita por Artoria Alter não permitir que ela os acompanhe, dizendo que ela tem os mesmos direitos que Moriarty. Ela então nota as roupas de Artoria Alter e pergunta por que ela as escolheu. Artoria Alter responde que um bom criado sempre se veste de acordo com sua localização. Em resposta, Jeanne Alter revistou as ruínas de uma boutique próxima sob o pretexto de que era suspeita. Ela retorna e cerca os outros e Hessian Lobo com as chamas de seu Nobre Phantasm no sinal de Moriarty para impedir a fuga de Hessian Lobo. No entanto, o grupo não consegue matá-lo e ele escapa. Jeanne Alter e Artoria Alter percebem que Moriarty pretende ter como alvo o Fantasma da Ópera e Christine Daaé em seguida. Eles então se preparam para lutar entre si até que Moriarty convença a atrasar até que Phantom e Christine estejam mortos.
Após o retorno do grupo ao esconderijo de Artoria Alter, Jeanne Alter expressa sua repulsa por ele e por Cavall II. Ela espera que Ritsuka dê sua opinião sobre sua nova roupa, embora esteja desapontada com a resposta. Depois de um telefonema de Edmond Dantès, o grupo descobre que o outro Moriarty é o líder de seu inimigo, a Aliança Fantasma do Demônio. Isso exacerba ainda mais a desconfiança de Jeanne Alter e Artoria Alter em relação a seu próprio Moriarty. Em resposta, Moriarty diz que eles devem derrotar Phantom para que ele possa ganhar sua confiança. Ele avisa que eles seriam mortos se atacassem Phantom diretamente, com o que Jeanne Alter e Artoria Alter concordam. Ele explica que eles seriam severamente superados em número pelos 200 Coloraturas estacionados em Kabukicho se eles atacassem diretamente. Ele, Jeanne Alter e Artoria Alter lembram de ter destruído algumas Coloraturas antes, mas Moriarty revela que eles reabastecem seus números com 36 horas. Moriarty explica que as coloraturas atribuem a patrulha de Kabukicho que também sequestram pessoas regularmente. Jeanne Alter adora que Artoria Alter reconheça que Excalibur Morgan está sendo inútil em destruir Kabukicho quando Moriarty revela que a energia mágica de Shinjuku comparável à Idade dos Deuses a reduziria significativamente. Os dois quase entrando em uma briga quando Artoria Alter zombeteiramente implica que Jeanne Alter não se sairia muito melhor. Moriarty então pede que tragam para ele uma Coloratura, que ele usará para observar Kabukicho. Depois de deixar o esconderijo, Jeanne Alter afirma que se Moriarty os traísse, seria em um momento crucial. O grupo então percebe que Coloratura está sequestrando pessoas, então eles entram para capturar uma. Após capturar uma Coloratura e ajudar a fuga do povo, o grupo retorna ao esconderijo. Lá é revelado que as Coloraturas são construídas a partir de humanos, com sua carne e nervos sendo colocados nas bonecas. Depois de afirmar que os humanos uma vez transformados em Coloraturas não podem ser salvos, Moriarty revela que equipou a Coloratura com uma bomba. O dito Coloratura será devolvido com os outros quando eles retornarem a Kabukicho em seus intervalos regulares, e então sua bomba será acionada. A explosão causará confusão entre as Coloraturas, que o grupo usará como uma oportunidade para matar Phantom e Christine. Jeanne Alter concorda com o plano, pois o Colortura não é mais verdadeiramente humano. Ela até os acha piores do que o espírito maligno e coisas do gênero, já que pelo menos esses têm vestígios de suas personalidades originais, ao contrário dos Coloraturas. Depois que Moriarty termina de manipular a Coloratura, e dá o detonador para Ritsuka, o grupo segue para Kabukicho.
Colocando o Coloratura armado com os outros, Moriarty ordena que Artoria Alter e Jeanne Alter tomem suas posições. Dez minutos depois, a bomba é detonada por Moriarty em vez de Ritsuka após ver sua determinação em fazê-lo. A explosão resultante espalha as Coloraturas, então Artoria Alter e Jeanne Alter se movem para destruí-los. Eles são mais tarde chamados por Mash para ajudar Ritsuka e Moriarty contra EMIYA Alter, mas eles estão ocupados lidando com as Coloraturas ainda ativas. Eles chegam justamente quando EMIYA Alter recua graças à intervenção de Hassan do Braço Amaldiçoado, desapontado por seus ataques mal errados. Jeanne Alter pergunta quem é o Braço Amaldiçoado e se pergunta se ele é um inimigo, mas Mash diz que ele é um aliado. Juntamente com Cursed Arm, o grupo foge de Kabukicho e retorna para o esconderijo.
De volta ao esconderijo, o grupo relaxa após sua missão bem-sucedida. Porém, logo revelou que Hassan é um membro disfarçado da Aliança do Demônio Fantasma, Yan Qing. Ele toma Ritsuka como refém, mas Artoria Alter e Jeanne Alter chegam para detê-lo. Ele se esquiva de seus ataques e foge enquanto Artoria Alter o persegue em sua motocicleta, com Jeanne Alter a seguindo. Infelizmente, eles não são capazes de resgatar devido ao atraso dos soldados Hornet e do Rei Lear convocado por Yan Qing. Jeanne Alter e Artoria Alter mais tarde Moriarty por permitir que Ritsuka fosse sequestrada.
Felizmente, Ritsuka é resgatado da base da Phantom Demon Alliance, Barrel Tower, por Sherlock Holmes. Jeanne Alter e Artoria Alter expressam imediatamente sua preocupação e alívio ao retornarem. Voltando ao esconderijo, Jeanne Alter chama Sherlock de peso morto quando ele se apresenta como um Conjurador impróprio para combate. No entanto, ela o agradece por salvar Ritsuka. Ela diz a ele para ir embora, mas ele diz que não pode. Ela acaba brigando com Artoria Alter novamente quando o primeiro avisa Ritsuka contra ser muito gentil com Moriarty. Depois de saber do Nome Verdadeiro de Moriarty, sua desconfiança dele aumenta ainda mais; Jeanne Alter o compara às raposas que aparecem nos contos de moralidade. Sherlock então explica como o objetivo da Aliança de destruir o planeta é possível sem utilizar forças externas, fazendo o que Thomas Edison e o Rei Leão tentaram fazer. Sem entender o que os outros querem dizer, Jeanne Alter exige saber o que Edison e o Rei Leão tentam fazer. Mash primeiro explica que o Rei Leão tentou usar Rhongomyniad para preservar uma parte da humanidade e destruir o resto enquanto a Incineração da Humanidade estava ocorrendo. Jeanne Alter chama o Rei Leão de idiota pela trama, dizendo que ela deveria ter se permitido morrer com todos os outros. Ela então expressa seu ódio por reis que tentam resolver as coisas por si próprios e reis que simplesmente desistem. Mash então explica que Edison procurou preservar a América separando-a da linha do tempo. Da Vinci percebe e revela que Shinjuku está em uma linha do tempo abatida. Apesar de ser informado de que não terá efeitos adversos na história, Ritsuka decide salvar Shinjuku de qualquer maneira. Sherlock então revela o método pelo qual o maligno Moriarty usará para destruir o planeta. O malvado Moriarty planeja usar os poderes do Fantasma com o qual se fundiu, Der Freischutz, para carregar um meteorito na Torre do Barril e, em seguida, dispará-lo no núcleo do planeta como uma bala mágica para destruir o planeta. Jeanne Alter está aborrecida porque Moriarty acabou de perceber que ele foi fundido com Der Freischutz o fez um Arqueiro e o deixou disparar balas e mísseis de um caixão que ele nunca carregou em vida. Ironicamente, ela acha que o plano da Aliança para destruir o planeta é ainda pior do que quando ela tentou destruir a França. Ela e Artoria Alter concordam com a decisão de Sherlock de eliminar Yan Qing, achando sua habilidade de transformação problemática. O grupo então sai para roubar roupas para o propósito do plano de Sherlock e Moriarty. Depois de derrotar alguns bandidos e suas Coloraturas hackeadas, Ritsuka, Artoria Alter e Jeanne Alter trocam de roupa.
Agora usando vestidos, Ritsuka, Artoria Alter e Jeanne Alter entram em uma festa organizada por Yan Qing. Jeanne Alter, insultada, compara Artoria Alter a uma boneca de cera em seu vestido, enquanto Artoria Alter a compara a uma bruxa de verdade em seu vestido. No entanto, os dois compartilham a alegria de ver Ritsuka claramente desconfortável com seu disfarce. Jeanne Alter os segura enquanto Artoria Alter tira fotos deles com o telefone com câmera que ela tirou de um transeunte e os carrega para o servidor de Chaldea. Ela então se pergunta quando Yan Qing vai aparecer, expressando seu ódio por seu vestido. Depois de ver Artoria Alter dançar com Ritsuka, ela afirma não se importar com a dança e fica irritada que Artoria Alter tenha passado por instinto. Um convidado da festa tenta convidá-la para dançar, mas sua carranca o afasta. Agora que perdeu a paciência, ela agora quer queimar todo o prédio. Yan Qing então aparece diante dos convidados disfarçados de Artoria Alter. Ele eventualmente toma conhecimento dela e ordena que os Hornets ataquem. Juntamente com Moriarty, o grupo derrotou o Hornets seguido por Romeu e Julieta. Mais Hornets então aparecem, com Yan Qing sendo disfarçado como um deles. Ritsuka tira o vestido deles para chocá-lo a se revelar como parte do plano de Moriarty. Yan Qing revela seu verdadeiro nome e luta contra o grupo. Sentindo que vai perder, Yan Qing ativa uma bomba sob o prédio para derrubá-lo, fazendo com que o grupo escape. Depois de matar Yan Qing, Moriarty pondera se o orgulho é necessário para viver. Jeanne Alter responde que o orgulho não tem valor para ela como uma farsa. Ela fica confusa quando Artoria Alter a chama de panda gigante por não se orgulhar. O grupo então se prepara para partir quando são encontrados por Hessian Lobo.
Confrontado por Hessian Lob, o grupo vê que ele foi fundido com outro Fantasma, o Homem Invisível, como indica sua invisibilidade. Sua classe então muda de Cavaleiro para Vingador, e instantaneamente atinge Ritsuka já que eles são os únicos humanos por perto. Incapaz de derrotá-lo, o grupo decide quem ficará para trás para segurar Hessian Lobo enquanto o resto foge. Jeanne Alter assume a tarefa para que os outros possam escapar. Ela diz a eles para usarem esse tempo para encontrar uma maneira de derrotar Hessian Lobo permanentemente. Ela rejeita a sugestão de Artoria Alter de escolher alguém de forma justa. Ela chama Ritsuka de patético por não querer sacrificar seus aliados. Ela nega a suposição de Sherlock de que seu desejo de afastar Hessian Lobo é motivado por sua simpatia por ele como um companheiro Vingador. Ela explica que simplesmente odeia vê-lo correndo como um monstro estúpido, acreditando que deveria pelo menos ter um objetivo. Ela decide que vai dar um objetivo, então ela dá um fim real. Antes que os outros saiam, Sherlock diz a ela para cuidar de seus pés, e Artoria Alter confia nela para segurar Hessian Lobo. Enquanto luta contra Hessian Lobo, Jeanne Alter proclama que sabe como ele pensa, já que eles são iguais. Ela diz que o ódio deles nunca desaparecerá, independentemente de quantas pessoas eles matem até o dia da morte. Ela declara que vai tirar Hessian Lobo de sua miséria, dizendo que os sonhos fugazes que eles veem antes da morte são o único consolo para os Vingadores. Eventualmente, porém, Hessian Lobo a fere fatalmente. Ela está irritada, mas não está gostando de sua vingança, mas percebe que não pode mais. Depois de sofrer outro ferimento, ela solta La Grondement Du Haine em um esforço para segurá-lo. Ela explica que as chamas vêm de seu próprio corpo, duvidoso que possa afastá-las. Ela entende que as chamas não vão matá-lo, mas tem certeza de que vão desacelerá-lo por um tempo. Infelizmente, ela finalmente cai depois que Hessian Lobo se feriu novamente. Ela contempla sua natureza como uma farsa, incapaz de compreender verdadeiramente a dor de ser queimada viva. Ela chama Jeanne de idiota por querer vingança depois de ser queimada na fogueira, acreditando que ela era louca por não ter feito isso. Ela continua que o mundo está irremediavelmente escuro, alegando que o máximo que uma pessoa dita boa pode fazer é fechar os olhos. Ela se lembra de como costumava pensar que nunca ajudaria humanos de boa índole como Jeanne, achando-os patéticos e indefesos. Depois de chamar Jeanne de símbolo da humanidade, ela chama Ritsuka de idiota sem consideração por não tê-la convidado para dançar. Ela então se lembra do conselho de Sherlock antes de cair na inconsciência.
Jeanne Alter é capaz de sobreviver escapando em um buraco de homem no último momento, como Sherlock aconselhou. Ela se encontra com Edmond, e eles resgatam William Shakespeare de seu confinamento na Torre do Barril. Ambos tentam atacar Moriarty, que foi revelado como o verdadeiro cérebro para destruir o planeta, mas ele consegue se esquivar de ambos. Jeanne Alter explica como ela sobreviveu e mostra que trouxe Shakespeare para ajudar. Depois que Shakespeare e Hans Christian Andersen convocam os Grandes Detetives para ajudar Ritsuka, o grupo luta contra Moriarty após ele se fortalecer com o Graal. Depois que Moriarty e os outros desaparecem e o asteróide Bennu é destruído, Jeanne Alter diz a Ritsuka para chorar pelos Servos, já que eles estão destinados a desaparecer. Ela grita com EMIYA Alter para não se intrometer na conversa quando ele concorda. Ela então pergunta a ele o que aconteceu com Artoria Alter, se perguntando se ela foi esmagada por Bennu. EMIYA Alter responde que ela foi visitar algum lugar antes de desaparecer, que Ritsuka e Jeanne Alter percebem ser Cavall II. Depois que EMIYA Alter desaparece, ela de repente corta as comunicações com Chaldea. Ela então coloca seu vestido de festa e exige uma dança de Ritsuka. Depois de dançarem, Jeanne Alter se sente satisfeita e começa a desaparecer. Ela diz a Ritsuka que vai praticar mais da próxima vez, esperando que eles façam o mesmo, antes de finalmente desaparecer.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.07 04:24 YatoToshiro Fate/Gensokyo #49 Saber of Red (Fate/Grand Order) Parte 2


https://preview.redd.it/cgjgskwklhf51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=e412088494be7f98ae0232ab947550b3f8077b2d
Londres: O Mundo da Morte na Cidade do Nevoeiro Demoníaco
Materializando-se do nevoeiro demoníaco, Mordred logo se encontrou e fez uma parceria com Henry Jekyll para salvar Londres, com ela fazendo o trabalho de campo. Antes da chegada de Caldéia, o casal descobriu que o Museu Britânico, que serve como entrada da Torre do Relógio, foi destruído pelos criadores do nevoeiro, o Projeto Demonic Fog, para remover qualquer oposição.
Mais tarde, ela confronta Ritsuka Fujimaru e Mash Kyrielight ao ver que podem respirar no nevoeiro, perguntando se são amigos ou inimigos. Eles não respondem, mas ela os acha inofensivos. Ela adverte a seguir em frente se eles valorizam suas vidas antes de partir. Ela fica de olho no par e as testemunha destruir um Helter Skelter. Ela interpõe durante a análise de Romani Archaman dos golens mecânicos para informá-lo de seu nome. Ela conclui que Ritsuka e Mash não são inimigos e concorda em contar a eles sobre Londres.
Ela os leva ao apartamento de Jekyll, onde ele a repreende por se apresentar com seu nome verdadeiro. Ela o ignora, já que eles não estão em uma guerra normal do Santo Graal. Eles então explicam a Ritsuka e Mash como se tornaram parceiros quando o Nevoeiro Demoníaco desceu sobre Londres. Depois que Jekyll explica as circunstâncias de Londres, ele envia Ritsuka, Mash e Mordred para proteger um de seus colaboradores, Victor Frankenstein.
Saindo do apartamento, Mordred fica desanimado e deixa quando acaba de voltar. Enquanto leva Ritsuka e Mash à mansão de Victor, ela explica como Jekyll tem colaboradores por toda a cidade e conversa diariamente com eles via rádio. Mash logo pergunta a ela sobre suas motivações para lutar por Londres. Mordred responde que ela está aqui para enfrentar os perigos do amado Londinium de seu pai., Como ela disse antes. Ela então confessa que é porque ela não violou o britânico quando Mash suspeita que havia outro motivo. O grupo finalmente chega à mansão do Victor. Mordred explica que Victor é um mago genuíno, ao contrário de Jekyll, então sua guarnição é protegida por barreiras e armadilhas capazes de prejudicar Servos. Ela se lembra de ter tido uma experiência ruim quando checou a mansão pela primeira vez. Mefistófeles então sai das mansões, e Mordred suspeita corretamente que ele matou Victor. Depois de matá-lo, o grupo vasculha a mansão e encontra uma nota em sua biblioteca detalhando uma trama chamada Project Demonic Fog. Os líderes do projeto são "P", "B" e "M", que Victor suspeitava serem Espíritos Heroicos. Mordred então mostra Ritsuka e Mash Frankenstein, que ela encontrou anteriormente. Como os outros, ela não pode dizer se Frankenstein é um Servo ou não, suspeitando que o Nevoeiro Demoníaco esteja interferindo. Ela então explica que é um humano artificial construído pelo avô de Victor, de acordo com a nota em seu caixão. Frankenstein revela que ela ainda está viva. O grupo então a leva para o apartamento de Jekyll.
De volta ao apartamento, Mordred exige que Jekyll se desculpe com Frankenstein por incomodá-la por tocá-la durante sua inspeção. Ela concorda com Mash que Frankenstein aceita as desculpas de Jekyll se ele entendeu o desconforto dela. Ela então ameaça matá-lo quando ele se pergunta se ela e Mash podem entender Frankenstein porque são do mesmo sexo. Jekyll então envia o acordo do grupo com um Tomo Mágico que está entrando em prédios e atacando civis.
Deixando Frankenstein para trás, Mordred lembra-se de lutar contra Espécies Fantasmas, pois os Cavaleiros da Távola Redonda eram uma das expectativas que podem matar fantasmas. Ela também lembra os pictos, comparando-os com alienígenas em contraste com os outros bárbaros. Ela então luta com Mash para endurecer sua determinação. Jekyll finalmente entra em contato com o grupo para informar que o Tomo Mágico está colocando suas vítimas em um sono sem fim. Mordred se pergunta se é feito por magia ou droga, embora nenhum deles deva ser afetado graças a Ritsuka sendo protegida pela Habilidade de Resistência a Venenos (Temporária), e Mordred sendo principalmente protegido por sua Resistência Mágica. Jekyll então os direciona para uma livraria de antiguidades no Soho, onde um de seus informantes deveria estar. Lá eles encontram Hans Christian Andersen, e ele informa que o Tomo está no escritório ao lado. Decidindo que é muito perigoso lutar dentro de casa, o grupo o atrai para fora. Seus ataques são inúteis quando Andersen revela que é um Servo Vadio colocando as pessoas em um sonho em busca de um Mestre cuja psique possa tomar forma. Ele o chama de Nursery Rhyme, transformando-o em uma garota chamada Alice. Depois de derrotá-la, o grupo retorna ao apartamento de Jekyll, agora acompanhado por Andersen.
Jekyll diz ao grupo que a Scotland Yard está sob ataque de Jack, o Estripador. Mordred lembra como eles lutaram várias vezes, mas ela não se lembra de sua aparência ou habilidades. Antes de sair com Ritsuka e Mash, ela pergunta a Andersen se ele facilita Jack a derrotar, como fez com Nursery Rhyme. Andersen responde que Nursery Rhyme foi uma exceção, então Mordred sai irritado com ele. O grupo finalmente chega à Scotland Yard para encontrar Jack que já massacrou a estação sob ordens de "P" para que ele pudesse recuperar um item mágico. Eles matam Jack, mas "P" se teletransporta de volta para seus compatriotas.
De volta ao apartamento, o grupo aprende com Andersen que os Servos estão se materializando com o nevoeiro. Como Servo não pode ser convocado com a influência do Graal, ele suspeita que o nevoeiro tenha sido criado pelo Graal. Mordred então patrulha, então Ritsuka e Mash se juntam a ela. Ela lembra que ainda não encontrou grupos de Helter Skelter, que é o único inimigo que ela gosta de lutar. Ela também espera que eles encontrem oponentes dignos hoje à noite. O grupo logo conhece William Shakespeare, que recentemente se materializou da neblina. Mordred contempla por que alguns servos do nevoeiro são hostis quando "P" chega. Ele admite que seu grupo tem procurado os Servos que se materializaram da neblina e os manipularam para expandir a neblina. Ele revela que seu nome verdadeiro é Paracelsus von Hohenheim e luta contra o grupo. Depois de matar Paracelso, o grupo retorna ao apartamento de Jekyll, acompanhado por Shakespeare.
Na manhã seguinte, Ritsuka, Mash e Mordred estão em patrulha. Eles finalmente retornam ao apartamento para descansar um pouco. Eles relatam a Jekyll sobre a produção em massa de Helter Skelters. Ele suspeita que o Projeto Demonic Fog está aumentando seus esforços para conseguir mais Servos do nevoeiro após a morte de Paracelso. Mordred diz a Ritsuka e Mash para conversar com Andersen e Shakespeare até que sua curiosidade seja satisfeita. Ela então diz que eles precisam desativar os Helter Skelters. Andersen então pede que eles recuperem dados da Torre do Relógio para provar sua teoria sobre a Guerra do Santo Graal. No entanto, Mordred e Jekyll revelam sua entrada, o Museu Britânico, foi destruído antes da chegada da Caldéia. No entanto, o chefe do grupo juntou-se a Andersen, Shakespear e Jekyll para surpresa de Mordred.
Chegando ao Museu, o grupo vasculha seus escombros para encontrar a entrada subterrânea da Torre do Relógio. Eles o encontram e vão para baixo para encontrar os magos mortos. Eles logo se deparam com uma porta da biblioteca protegida, então Andersen e Jekyll investigam dentro enquanto os outros guardam a porta. Os feitiços nos livros impedem que eles saiam com eles, então os outros devem defendê-los até Andersen obter as informações que ele procura. Jekyll se transforma em Hyde para ajudá-los a lutar. Andersen finalmente encontra os dados que procurava, então o grupo retorna ao apartamento.
De volta ao apartamento, Andersen revela que o Ritual de Convocação de Servos foi adaptado de um que convoca sete dos espíritos heroicos mais fortes para combater um inimigo poderoso. Ele suspeita que alguém tenha previsto a vinda do grupo e colocou as informações sobre o ritual para encontrar. Mordred acha que nada disso ajudará contra a produção em massa dos Helter Skelters. De repente, o apartamento é atacado por um grupo de Helter Skelters. Depois de expulsá-los, Romani informa ao grupo que os robôs foram criados a partir de um nobre fantasma. Ele também revela que eles são controlados remotamente pelo Servo que os chamou, o que significa que desaparecerão se o Servo for morto. Enquanto o grupo pondera a localização da Serva, Frankenstein revela que ela sabe onde elas estão.
Enquanto Frankenstein lidera o grupo, Mordred pergunta a Ritsuka se Romani (chamando-o de Dr. Maron) pode fazer um cristal que enxerga longe, dizendo que seria fácil para Merlin. Ela está bastante satisfeita que Ritsuka não saiba sobre Merlin, acreditando que a perda da fama é o que ele merece. Ela sabe que ele está preso em sua torre em Avalon e lembra que ele era um bastardo voador. Ela então diz a Ritsuka para conversar com Mash, percebendo que ela parece deprimida. Mash confessa que é porque ela ainda não pode usar seu verdadeiro Noble Phantasm, mas Mordred diz que ela é diferente daquele bastardo do escudo. Ela diz que é mais forte que ele, só que fica aquém no que diz respeito ao Noble Phantasm. Ela diz que Ritsuka é o parceiro perfeito para Mash e diz que eles precisam se tornar um mestre de primeira classe para ser um servo de pleno direito. [23] O grupo finalmente chega às Casas do Parlamento, onde são atacados por um grupo de Helter Skelters comandado por um grande grupo. Mordred protege Frankenstein enquanto Ritsuka e Mash lutam com os Helter Skelters. Com a destruição do grande, os outros Helter Skelters de repente se enfrentam. Mash então tira fotos do grande Helter Skelter, a pedido de Romani. Ela percebe o nome do fabricante, ausente dos outros, que diz "Charles Babbage, 1888 dC".
Na manhã seguinte, Jekyll diz ao grupo que Charles Babbage está vivo, apesar dos registros históricos da Caldéia dizendo que ele deveria estar morto agora. Romani atribui isso às distorções criadas pela Singularidade, resultando na mudança de eventos. Assim, os mortos ainda vivem e não existem como Espíritos Heroicos, como Jekyll e Frankenstein. Jekyll revela que os Helter Skelters que foram completamente desligados foram todos reativados. O grupo sai para derrotar aquele que controla os Helter Skelters.
Eles seguem a liderança de Frankenstein novamente, mas Mordred logo suspeita que os esteja enganando dessa vez. Frankenstein admite que não acredita que Babbage esteja construindo os Helter Skelters para machucar os outros. Mordred a convence a levá-los até ele, dizendo que suas ações agora contradizem a crença dela em sua boa natureza. Ela os leva a Babbage, que revela que ele é "B" do Projeto Nevoeiro Demoníaco e um Servo que emergiu do nevoeiro. Mordred diz a ele para ouvir o que Frankenstein tem a dizer. Babbage se prepara para se render quando fica furioso com o grupo devido a "M" usando o Graal. Mordred diz a Frankenstein que suas palavras são inúteis, dizendo que às vezes as conversas terminam em brigas. Depois que ele é derrotado, Babbage diz ao grupo para ir para o subsolo, onde eles encontrarão a fonte do Nevoeiro Demoníaco: seu Mecanismo a Vapor Maciço, alimentado pelo Santo Graal, Angrboda. Depois que Babbage desaparece, o grupo retorna Frankenstein ao apartamento de Jekyll antes de seguir para o subsolo.
Eles seguem a liderança de Frankenstein novamente, mas Mordred logo suspeita que os esteja enganando dessa vez. Frankenstein admite que não acredita que Babbage esteja construindo os Helter Skelters para machucar os outros. Mordred a convence a levá-los até ele, dizendo que suas ações agora contradizem a crença dela em sua boa natureza. Ela os leva a Babbage, que revela que ele é "B" do Projeto Nevoeiro Demoníaco e um Servo que emergiu do nevoeiro. Mordred diz a ele para ouvir o que Frankenstein tem a dizer. Babbage se prepara para se render quando fica furioso com o grupo devido a "M" usando o Graal. Mordred diz a Frankenstein que suas palavras são inúteis, dizendo que às vezes as conversas terminam em brigas. Depois que ele é derrotado, Babbage diz ao grupo para ir para o subsolo, onde eles encontrarão a fonte do Nevoeiro Demoníaco: seu Mecanismo a Vapor Maciço, alimentado pelo Santo Graal, Angrboda. Depois que Babbage desaparece, o grupo retorna Frankenstein ao apartamento de Jekyll antes de seguir para o subsolo.
Viajando no subsolo, o grupo finalmente chega à câmara de Angrboda. Lá eles encontram Makiri Zolgen, o primeiro líder do Projeto Demonic Fog. Makiri revela que o Nevoeiro Demoníaco foi criado para destruir toda a Inglaterra, como comandado por seu rei. Ele continua um Espírito Heroico capaz de ativar completamente o Nevoeiro Demoníaco em breve se materializará do Nevoeiro. Ele então se encarna em Barbatos e ataca o grupo. Depois que Barbatos é derrotado, Makiri tenta convocar um Servo, mas Mordred o mata antes que ele possa terminar o encantamento. No entanto, servindo como o círculo de convocação e o encantamento restante, a Névoa Demoníaca completa o ritual. [25] Nikola Tesla é convocado e segue para a superfície, enquanto o grupo permanece inconsciente da explosão maciça de Energia Mágica após sua convocação. Depois que eles acordam, Romani avisa que Tesla está indo para um local na superfície para ativar completamente o Nevoeiro Demoníaco, para que possa se espalhar pela Inglaterra para destruir a época. Ele explica ainda a linha extra de Makiri para Madness Enhancement durante a convocação, que Tesla executou automaticamente a tarefa para a qual foi convocado. Depois de derrotar os homúnculos que os emboscaram, o grupo logo alcançou Tesla. Ele revela que o nevoeiro ativado absorve energia mágica sem limites, impedindo que o grupo o alcance. Mordred dispersa o nevoeiro quando absorve seu Clarent Blood Arthur. O grupo aproveita essa oportunidade para combater Tesla, mas o nevoeiro logo volta. Antes de continuar na superfície, Tesla diz ao grupo que está indo para onde a névoa é mais espessa, o céu acima do Palácio de Buckingham. Ele explica que um raio dele ativará totalmente o nevoeiro e implora que eles o parem antes dele.
O grupo corre para a superfície e encontra Sakato Kintoki e Tamamo no Mae, que recentemente lutaram com Tesla. Kintoki diz a eles que dispersou a neblina ao redor de Tesla, então o grupo correu pelas escadas dele para matá-lo. Depois de matar Tesla, eles se preparam para retornar à clandestinidade para remover o Graal de Angrboda. No entanto, eles são interrompidos quando Artoria Alter de repente se materializa da neblina, absorvendo-a enquanto ela se materializa. Mordred se pergunta por que ela não chegou para salvar Londres mais cedo. Ela então suspeita que veio matá-la porque é contra a idéia de salvar Londres. Vendo que ela exerce a Rhongomyniad, Romani implora para que o grupo corra, mas Mordred se recusa, já que seu destino é se rebelar contra o rei Arthur. Depois que o grupo mata Artoria Alter, eles retornam à câmara de Angrboda para remover o Graal.
Dentro da câmara, Mordred está satisfeito com o resultado. Porém, ela ameaça matar Mash quando disse que Artoria Alter não tinha controle consciente de suas ações. Ela decide não fazer isso, já que Mash estava apenas falando o que pensava, a mesma coisa que ela disse a Frankenstein. Andersen, Shakespeare, Kintoki e Tamamo logo chegam; Mordred ameaça matar os dois escritores por ser irritante. No entanto, uma figuras misteriosas de uma distorção semelhante ao Rayshift. Ele expressa decepção em Gilles de Rais, Romulus, Jason e Tesla por seus fracassos. Ele então revela que é a mente por trás da Incineração da Humanidade, Salomão. Mordred suspeita que ele é um Espírito Heróico que decidiu destruir a humanidade depois de ser convocado. Salomão corrige, porém, que ele se manifestou sob seu próprio poder. Ele revela que o anel de luz visto nos céus das Singularidades é seu terceiro fantasma nobre, Ars Almadel Salomonis. Por seu interesse em Mash, ele convoca apenas quatro dos Deuses Demônios e ataca o grupo. O grupo mata um dos deuses demônios, no entanto, Salomão mata Shakespeare, Kintoki e Tamamo. Mash implora aos romani que os desloquem para casa, mas a presença de Salomão torna isso impossível. Salomão declara que ele supera todos os Servos, independentemente de suas fileiras, como Espíritos Heroicos. Ele então tenta matar Mordred, mas Andersen bloqueia seu ataque. Andersen explica que o sistema de convocação do Espírito Heroico original criado pela Força Contra os convoca como Grandes Servos para proteger a humanidade de uma ameaça nascida da humanidade. Salomão confirma que o sistema usado na Guerra do Santo Graal é uma degradação do original. Ele então declara que ele é o Grand Caster e mata Andersen. Mordred detesta sua vanglória, suspeitando que ele esteja realmente em pânico porque Ritsuka já recuperou quatro de seus Grails. Salomão confessa que só chegou à Singularidade por um capricho e se prepara para sair. Ele proclama que a Caldéia não é uma ameaça para ele, a menos que destruam sete singularidades. Ele então chama os seres humanos sem valor para viver, apesar de suas inevitáveis ​​mortes e folhas. Voltando à superfície com Ritsuka e Mash, Mordred está insatisfeito, apesar de terem recuperado o Graal. Ela odeia que não pode ir com eles, mas entende que desaparecerá agora que a Singularidade se foi. Ela admite que Salomão estava certo de que os Espíritos Heroicos são inúteis, a menos que sejam convocados. Ela então diz que em todas as épocas, quem constrói é quem está à beira do futuro. Portanto, ela está confiante de que Ritsuka desfará a Incineração da Humanidade. Ela então diz a Mash que ela gosta dela, mesmo que ela não goste do Espírito Heroico fundido com ela. Ela suspeita que eles se encontrarão novamente, depois desaparece satisfeita até mesmo alguém como ela salvou Londres.
Chaldea Summer Memories ~ Calmante Praia Branca ~
Mordred e vários outros servos de Ritsuka são acidentalmente deslocados para uma ilha remota onde não conseguem entrar em contato com a Caldéia. Ela não sabe onde eles estão e lança um olhar de soslaio para Artoria Pendragon, que reconhece que não está na Grã-Bretanha. Enquanto o grupo espera que Barba Negra relate sua observação da ilha, Mordred reclama do calor, dizendo que sua armadura não é de praia. O grupo logo aprende com um Barba Negra moribundo que sua localização ainda é desconhecida, e é quase impossível sair com um navio normal. Concordando com a sugestão de Artoria de deixar a ilha para entrar em contato com a Caldéia, o grupo decide construir um navio capaz de deixar a ilha. Mordred reclama novamente de como está quente em sua armadura quando os caranguejos gigantes se aproximam da posição do grupo. Artoria a repreende por usar armaduras pesadas para intimidar o inimigo. Mordred fica irritado com o comentário de Artoria de que sua reputação como cavaleira não vai além do negativo, mesmo que ela troque de armadura adequada ao seu corpo. Depois de matar os caranguejos, as origens espirituais do grupo são alteradas por Scáthach para lhes dar roupas de banho, a fim de se adaptarem ao seu ambiente atual. Mordred se orgulha de ser mais forte que Artoria, agora ela pode balançar sua espada com mais facilidade. Ela fica chocada quando Artoria puxa uma pistola de água do nada como se não fosse nada. Com ciúmes da arma de Artoria é tão verão, ela pega Prydwen. O grupo vai reunir materiais para Scáthach construir seu navio de fuga e também construir outras instalações.
Mais tarde, o grupo discute qual deveria ser sua primeira tarefa na vida da ilha quando uma tempestade de repente se aproxima. Eles entram em uma pequena caverna avistada por Mordred para escapar da chuva, mas acabam devido a um enorme enxame de insetos. Fora da caverna, o grupo decide que precisa construir uma cabana para se abrigar. Mordred sugere que construam uma cabana de ferro para maior defesa do que a cabana de pedra que Artoria sugeriu. Ela fica brava com Artoria por fingir não ouvir sua sugestão. Se a cabine de ferro for construída, Mordred entra apenas para sair imediatamente devido ao calor excessivo. Ela não se importa se é habitável ou não, apenas se é defensável. Ela então nade depois de dizer a Ritsuka que eles estarão a salvo de qualquer ataque dentro da cabine, embora não do calor. O grupo constrói um suprimento de água para preservar a água doce que coletar.
Cansado de churrasco, o grupo decide construir uma instalação de cozinha adequada. Mordred gosta do som de comer pizza, mas reclama que é uma dor de assar. Ela então sugere que eles façam uma panela grande, dizendo que quantidade é o que é importante. Se a panela for construída, ela ficará encantada ao vê-la cheia de ensopado. Ela começa a se lembrar de algo que Artoria costumava fazer durante sua vida, mas se detém. Ela então afirma que o desempenho de um soldado é afetado pela quantidade de estômagos, para que um exército se desfaça se for deixado sem comida. Assim, ela acredita que a quantidade é o mais importante quando se trata de comida. Em seguida, o grupo decide construir uma instalação de banho. Mordred concorda com a sugestão de Anne Bonny e Mary Read de que eles construam um chuveiro. Se o chuveiro for construído, ela toma banho, apenas para imediatamente surfar novamente. Posteriormente, o grupo decide cultivar um campo vegetal para um suprimento estável de alimentos. Mordred sugere o cultivo de melancias, com as quais Scáthach e Artoria concordam. Se as melancias são escolhidas, os três fazem uma competição de divisão de melancia. Mordred falha em direcionar Scáthach na direção errada, enquanto tenta direcionar Artoria na direção certa. Ela afirma que está levando na direção errada, quando Artoria diz para ela calar a boca por distraí-la. Depois que Artoria usa Mana Burtst para dividir a melancia, Mordred fica surpreso com o quão excessivamente competitiva ela é. Ela tenta fazer a mesma coisa, mas destrói a melancia. Mais tarde, o grupo construiu um campo de grãos que pode ser usado para cozinhar ingredientes. Depois, eles constroem uma fazenda para criar gado. Se uma fazenda de gado é construída, Mordred tenta pegar a carne que Scáthach e Artoria estão preparando, apenas para ser golpeada por eles.
Alguns dias depois, Artoria, Mordred, Kiyohime e Marie Antoinette aprendem com Scáthach que suas colheitas foram destruídas por uma fera, conforme determinado pelo uso de Fintan Finegas por Fionn mac Cumhaill. Mordred pensou, no entanto, que seria apenas ela e Artoria em patrulha. Infelizmente, o grupo encontra Fionn e Diarmuid Ua Duibhne, que serviram de vigia na noite anterior, fatalmente feridos. Artoria descobre pelo Diarmuid moribundo que seu atacante era um javali quando um leitão de javali. Mesmo que Marie acredite que é inocência, o outro tenta cercá-lo e matá-lo, dadas as evidências. No entanto, ele foge ao sentir monstros que chegam. Depois de matar os monstros, Artoria ordena que os outros se separem e procurem o leitão de javali. Mordred reclama que Artoria trabalha demais com as pessoas, dizendo que não entende os sentimentos das pessoas. Ela decide voltar e alegar que não encontrou nada quando encontrou o leitão de javali nos arbustos. Ignorando as ordens de Artoria, ela abraça o leitão para sentir seu pêlo macio. Ela então deixa as nozes que conseguiu de Marie para atraí-lo, alertando-o para não voltar aos campos. Mais tarde, naquela noite, ela se reúne novamente com os outros nas lavouras agora reunidas por Santa Marta, Tamamo no Mae e Anne e Mary. O grupo encontra o leitão junto com outros dois tentando proteger as plantações quando um javali demoníaco aparece. Percebendo que é o verdadeiro culpado, o grupo luta contra o javali demoníaco. Depois de morto, Mordred suspeita que os leitões ajudaram porque Marie lhes deu comida. Ela também suspeita que o javali demoníaco os tenha impedido de comer. Marie percebe que eles também gostam dela, mas Mordred nega e diz para eles irem embora. Depois que Scáthach contrata os leitões para proteger as plantações, Artoria suspeita que eles encontrarão mais javalis demoníacos, dado o tamanho da ilha.
No dia seguinte, o grupo decide construir um caminho. Mordred sugere uma pista de minecart, dizendo que ela não é apenas convinente, mas também divertida. Mais tarde, o grupo decide construir um aqueduto para melhorar sua eficiência no armazenamento de água. Mordred sugere que eles construam um oleoduto, reclamando que as idéias dos outros não têm romance. Se o pipeline for escolhido, ela orientará Ritsuka na instalação da última peça. Em seguida, o grupo decide construir uma ponte para facilitar a viagem para Ritsuka. Mordred afirma que ela e Artoria tiveram a mesma idéia de construir uma ponte levadiça, de modo que, como contrapartida, ela sugere um teleférico. Se o teleférico for construído, ela, Martha, Anne e Mary correm com os teleféricos. se o drawbrige for construído, ela o arranha com Prydwen. Ela nega qualquer responsabilidade e também pede desculpas silenciosamente a Artoria. Mais tarde, o grupo construiu um jardim. Depois eles decidem construir um local para atividades recreativas. Depois eles decidem construir um local para atividades recreativas. Se o coliseu for construído, Mordred espera impaciente sua vez de lutar. Se o campo de atletismo é construído, ela bate uma bola contra uma parede sozinha. Artoria, com certa relutância, permite se juntar à equipe de Ritsuka, dizendo-lhe para não se segurar.
Mais tarde, Mordred vai surfar depois de fingir que não gosta de compartilhar o mesmo espaço que Artoria. Mais tarde, ela dá a Ritsuka uma prancha de madeira que ela fez, alegando que elas pareciam inveja dela. Acreditando que o surf no rio era mais adequado para iniciantes, ela os trouxe e Mash, para quem também fez uma prancha. Ela confessa que gosta de surfar, porque ir contra o fluxo das ondas combina com seu caráter traiçoeiro. Ela compara a diversão de lidar com as ondas a um cavaleiro andando a cavalo ou cortejando uma mulher, pois quanto maior o desafio, maior o valor conquistado. No entanto, o grupo percebe miasma fluindo rio abaixo, então eles vão rio acima para encontrar os javalis demoníacos responsáveis. Depois de matá-los, o grupo volta para deixar Scáthach e os outros removerem o veneno. Mordred nega que tenha gostado de Ritsuka assistindo-a surfar.
Mais tarde, o grupo decide construir uma torre com vista para a ilha. Mordred esboça rapidamente seu projeto para a torre. Se sua torre é construída, ela elogia por ter a aptidão de ser um rei e uma artista. Ela comenta que o design quebrado da torre simboliza o espírito rebelde da humanidade. Em seguida, o grupo decide expandir sua cabine; Mordred sugere construir uma fortaleza voadora. Se a fortaleza voadora for construída, ela demonstra seus sistemas de segurança, nos quais Cú Chulainn, Sasaki Kojiro e Karna são pegos. Ela então confessa que seu foco na defesa absoluta é porque ela precisa proteger Ritsuka a todo custo. Ela então sugere ir à praia quando Mash aponta que a fortaleza está quente demais para morar. Mais tarde, o grupo se prepara para construir uma estátua quando chegarem aos preparativos finais para o navio de fuga. No entanto, enquanto eles se preparam para construí-lo, um javali gigante aparece. Depois de forçar a retirada, o grupo continua construindo seu navio e estátua. Se uma estátua de Mordred é feita, ela parabeniza por completar o desenvolvimento da ilha fazendo uma estátua dela.
No dia seguinte, a construção do navio de fuga está completa quando o gigante demônio javali. O grupo então luta para proteger os leitões-javali. Porém, sua estância é tremenda, e cobra da nave que a destrua. No entanto, os leitões formam uma parede para protegê-lo quando se machucam. Depois de derrotar o javali gigante, o grupo e os homens embarcam no navio. Mordred está um pouco preocupado que demore muito tempo para que eles possam entrar em contato com a Caldéia, enquanto zarpam.
Chaldea Heat Odyssey ~ Civilização em evolução ~
Enquanto o grupo continua a navegar, Mordred é atacado por Scáthach por chamá-la de velha. Eventualmente, o grupo chega a terra para encontrar um terreno baldio desolado. Mordred diz que encontra comida depois que Artoria menciona que seus espíritos morrerão primeiro ou Ritsuka morrerá de desnutrição. O grupo então ouve um grito de socorro, e eles ficam surpresos que isso esteja vindo de um leitão de javali. Eles matam o Servo das Sombras atrás dele, que se revela um javali demoníaco disfarçado. O leitão de javali chama as deusas do grupo e pede que salvem este mundo.
O grupo é liderado pelo leitão às ruínas de uma cidade. Eles encontram o chefe de leitão de javali que os agradece por salvar seu neto depois de ouvir suas circunstâncias. Eles ficam chocados quando descobrem que os edifícios eram de uma civilização avançada construída pelos leitões de javali. Infelizmente, isso chegou ao fim com a chegada dos javalis demoníacos e dos Servos Sombrios, cinquenta anos atrás. O grupo então aprende com o chefe de uma lenda em seu clã cerca de nove deusas chamadas Nove Irmãs, que deram civilização aos leitões de javali. Dizia-se que as deusas assumiam a forma humana, então o neto do chefe assumiu que o grupo era elas. O grupo decide reconstruir a ilha em troca da ajuda do pigelt de javali. Mordred alerta os leitões que Artoria pode comê-los depois que este se perguntou se os leitões que o Tamamo deveriam comer.
Mais tarde, o grupo começa a reconstruir a civilização do leitão de javali. Mordred se junta à equipe de busca de Scáthach no litoral para a chance de surfar. Depois de destruir alguns autômatos, a equipe de busca encontra um javali gigante protegendo uma árvore. Depois de matar o javali demoníaco, o grupo chega à costa, onde encontra os restos quebrados da estátua que construiu antes. Scáthach revela que eles coincidiram navegando de volta para a mesma ilha, sem saber que 2.000 anos se passaram a um ritmo incrível. Ela ainda revela que o tempo não progride normalmente na ilha, o que significa que uma hora seria diferente lá fora. Ela continua que era uma terra relativamente pacífica onde os leitões dos javalis viveram até a Caldéia chegar. O grupo então volta para os outros e conta o que descobriram. Eles também percebem que são as deusas adoradas pelos leitões de javali. O grupo decide não deixar a ilha de navio novamente, pois Scáthach aponta outros mil anos para a ilha e os leitões de javali podem ser extintos. Eles então decidem que precisam descobrir por que o espaço-tempo da ilha está distorcido, à medida que continuam a reconstruir a ilha e fazer contato com a Caldéia. Eles também se encontram com Cú Chulainn, que recentemente voltou de ser jogado ao mar do navio do grupo. Mais tarde, eles descobrem que Beowulf está na ilha, mas como um inimigo. Mordred o chama de bandido, decepcionado por ela não estar lá para encontrá-lo.
Mais tarde, Mordred se junta a Ritsuka, Mash, Scáthach e Artoria em busca da caverna onde dorme Caster, que deu eletricidade aos leitões há 2000 anos. Perto da caverna, o grupo luta contra os javalis demoníacos que a cercam. Dentro da caverna, eles encontram ainda mais javalis demoníacos. Mordred está irritado com a boa natureza inerente de Mash, mas Artoria defende Mash. Ela é insultada quando é comparada a um coquetel barato. Enquanto Artoria e Scáthach discutem sobre o equilíbrio de ordem e caos, Mordred insiste continuamente que ela não fez nada de errado. Ela também culpa o pensamento rígido de Artoria por que Lancelot enlouqueceu. Depois de matar os javalis demoníacos que antes passavam despercebidos, ela continua a insistir que não fez nada de errado depois que Artoria e Scáthach se desculparam. No entanto, ela admite que fez tudo errado quando Ritsuka concorda que não fez nada errado e pede desculpas. Artoria ordena que ela faça 100.000 flexões como quando retornam como punição, o que aparentemente é 900.000 menos que o normal. O grupo então encontra um Servo desconhecido e luta com ele e seus robôs. Depois de derrotá-lo, ele revela ser Thomas Edison, que acabou de acordar de sono criogênico. Mordred acha que Artoria está em guarda diante de um rei rei, sem saber que ela está realmente apaixonada pelo rosto de leão de Edison. O grupo segue Edison do lado de fora quando descobre que a civilização dos leitões que ele ajudou a criar está em ruínas. Mordred está chocado com a ameaça de Edison de enviar os javalis demoníacos para a fábrica de empacotamento de carne. Ela esperava que Artoria confirmasse pessoalmente a identidade de Edison.
Mais tarde, o grupo procura a caverna dos javalis demoníacos, supondo que eles tenham o Graal. Depois de algumas brigas, eles dirigem a caverna. Eles o acham guardado pela massa de javalis demoníacos, então Mordred sugere que ela atravesse a linha de frente dos javalis para permitir que Ritsuka, Scáthach e Edidon entrem na caverna enquanto os outros lutam. Ela então intenciona o plano desencadeando seu Noble Phantasm na linha de frente dos javalis. Depois que a fonte dos infortúnios do leitão, Twrch Trwyth, é derrotada, o grupo se prepara para escapar da ilha através do dispositivo de Edison. Mordred descobre com Sasaki que ele e Karna estavam hospedados em Beowulf. O grupo então foge da ilha quando é contatado por Romani, que revela que eles só saíram por uma hora, e retornam à Caldéia.
SIN: Terra do Conhecimento Unificado
Mordred é convocado com Spartacus e Jing Ke quando outro contêiner é lançado de Xianyang. Ela concorda com Spartacus que eles precisam lutar juntos, observando como Artoria ajudou Caldéia várias vezes antes. Ela não sabe quem é Qin Shi Huang e pensa que é o menor imperador romano. O grupo então força Hinako Akuta e o príncipe de Lanling a recuar quando emergem do container. [34] Mais tarde eles matam Jotun do Cinturão Nórdico Perdido. Mordred notou que alguns fugiram, suspeitando que eles tenham um ninho em algum lugar. Ela sugere encontrá-lo e destruí-lo, uma vez que a vila é totalmente indefesa. Ela fica atrás de Nezha e Leonardo da Vinci, enquanto os outros vão encontrar o ninho de Jotun e investigar o Cinturão Perdido. Ela brinca sobre ela e Nezha encontrando e matando Hinako. Depois que os outros retornam, ela diz a Goldolf Musik para não se importar com o comportamento de Spartacus em relação aos moradores. Quando outro contêiner é lançado de Xianyang, ela o destrói com Clarent Blood Arthur. No entanto, Xiang Yu emerge de seus remanescentes e ataca o grupo. Ele sai com Langling quando o último vem buscá-lo. Mais tarde, Mordred pondera sobre sua força, notando que estava constantemente alerta para evitar lacunas em suas defesas. Ela não acredita que ele ajudaria o Qin depois de ouvir que ele se rebelou contra eles na História adequada. Da Vinci então relata que um exército está se aproximando de veículo, então o grupo vai interceptá-lo. Eles lutam contra Lanling e Xiang Yu quando Qin Liangyu e seu exército chegam, ordenando que ambos os lados se retirem. Qin Shi Duang então fala com eles através das vibrações do escudo de Mash depois de disparar um feixe magnético de foco nele. Ele concorda em entregar Tamamo Vitch se eles concordarem em deixá-lo examinar a Fronteira das Sombras, então o grupo concorda de forma relutante. Depois que ele examina a fronteira das sombras, o grupo percebe que a construção em Xianyang é sua verdadeira forma.
Mais tarde naquela noite, Mordred conversa com Spartacus depois de perceber que ele não é o seu habitual. Ela lembra que o Lostbelt é um mundo onde a guerra foi eliminada. Ela então fica confusa quando ele pergunta se eles têm o direito de estar aqui. Mais tarde, Da Vinci e Sherlock Holmes tentam convencê-la, Spartacus e Jing Ke a continuar sua trégua com Qin até que Hinako seja derrotada. Ela aceita o plano, pois era algo que costumava discutir com Agravain. Ela diz a Spartacus para suportar quando ele discorda do plano. Mais tarde, o grupo notou que Spartacus levou vários moradores para marchar em direção à capital. Mordred desaconselha o uso de um Feitiço de Comando contra ele, pois, embora o prenda, não conquistará sua obediência. Ela então pede a Ritsuka para deixá-la convencer Spartacus a parar. Ela explica que fará isso derrotando-o na submissão. Depois que Jing Ke decide se juntar, Mordred diz a Nezha para guardar a fronteira das sombras. Ela, Ritsuka, Mash e Jing Ke logo alcançam Spartacus e os moradores. Eles lutam com ele quando Nezha chega para relatar que Qin Liangyu roubou a fronteira das sombras. Sherlock deu a Nezha o Spirtiual Foundation Graph, e teve sua fuga. Qin Shi Huang ordena a Xiang Yu que mate o grupo depois de saber que eles ensinaram poesia aos aldeões, porque ele prefere que eles sejam pacificamente ignorantes. A luta de grupo contra ele quando Hinako e Lanling chegam. Os dois grupos lutam um pouco quando Qin Shi Huang repentinamente faz Hinako, Lanling e Xiang Yu recuarem. Ele lançou uma carga útil da Grande Muralha em direção à localização atual do grupo, e ela chegará em três minutos. Mordred pega Spartacus depois que o detém com um Cronista sobrecarregado. Ela fica irritada por ele chamá-la de homem, mas se recusa a bater nele em sua condição atual. Depois que ele desaparece, o Spirtual Foundation Graph reage à linha ley conectando-se ao Trono dos Heróis.
Jing Ke sugere que eles se separem nos três grupos; um para perseguir a fronteira das sombras e dois para levar os aldeões para algum lugar não observável para Qin Shi Huang. Ela designa Mordred e Nezha para escoltar os moradores, enquanto ela vai com Ritsuka e Mash para perseguir a fronteira das sombras. Depois que Mordred e Nezha terminam, eles se escondem e esperam perto de Xianyang até que todos estejam juntos antes de atacar a capital. Mordred diz que o plano está cheio de buracos, mas observa que é mais flexível por causa disso. Ela diz aos moradores que não é culpa deles que eles precisam sair, pois é assim que a guerra é para os civis. Ela concorda com o garoto, que se uniu a Spartacus, que agora experimentam a liberdade, algo que ela diz que vale a pena morrer. Mordred e Nezha então escondem os aldeões em uma caverna com provisões.
Os dois mais tarde redevos com os outros estavam indo para Xianyang, junto com Chen Gong, Red Hare e Vitch. Ela permite que Vitch ajude, pelo menos até que o último trai. Eles logo chegam à capital e matam Qin Liangyu. Enquanto viajam pela área residencial, Mordred fica preocupado com o Palácio de Epang caindo sobre eles. O grupo entra no departamento tecnológico do palácio para encontrar a fronteira das sombras lá. Eles lutam contra os soldados de Han Xin, seus comandos os fortalecendo. O capitão da guarda, Li Shuwen, chega para ajudar Han Xin. Depois de alcançar a vitória, o grupo leva a Borda das Sombras para a Árvore Fusang. Eles chegam ao tesouro quando são confrontados por Xiang Yu e Hinako, que anteriormente revelaram sua verdadeira identidade como Yu Miaoyi. A Árvore Fusang é revelada como o Mayall da Árvore da Fantasia. Depois que Xiang Yu e Yu Miaoyi são derrotados, Mordred se vangloria de como ela vai vencer as previsões de Xiang Yu toda vez. Vitch então ativa Mayall, revela que estava dentro da Árvore Fusang. Vitch então se teleporta para longe, e o Palácio de Epang cai. Qin Shi Huang aparece das ruínas agora em forma humanóide e luta contra o grupo para ver cujo mundo continuará. Depois que ele é derrotado, Mordred diz que ela ajudará idiotas como Ritsuka sempre. Qin Shi Huang confia o futuro à Caldéia, mas Xiang Yu rejeita sua decisão. Apesar de suas feridas, ele luta contra o grupo. Lamentando loucamente sua morte, Yu Miaoyi permite que Mayall a absorva. Mayall desperta completamente, e Qin Shi Huang ajuda a destruí-lo. Depois que Yu Miaoyi, Cheng Gong e Red Hare desaparecem, Mordred decide ficar com os outros até que eles deixem o Cinturão Perdido.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.06.30 10:51 alteregoshadow Resumo do resumo preguiçoso do bug interno

A formatação vai ficar um lixo por motivos de bug No momento estou tentando bater meu recorde de 72h em jejum, enquanto aproveito mais uma ótima madrugada sozinho na cozinha escura ouvindo o tic tac do relógio de parede comprado na lojinha de 1.99 Até que me lembro de quando o meu eu do passado chorou na minha frente, e eu não consegui resistir e comecei a chorar também Ele me disse que tinha medo de sentir dor. Dei um abraço bem forte nele, falei pra ficar tranquilo. Já passamos por tanta dor juntos Já jogamos airsoft na linha de frente tomando tiro pra caralho, já caímos morro abaixo, já comemos três pizzas e tivemos um mini ataque cardíaco... Sei lá, há um tempo atrás eu prometi a ele que ninguém nunca mais iria mexer comigo de graça Eu ia deixar de ser "bom em nada", e eu ia deixar de ser só mais um saco de pancada (é sempre muito fácil transformar uma criança num saco de pancada, né?) Enfim, minha jornada continuava. O meu eu da época das sombras foi recomendado por um anônimo de fórum da ""deep web"" a fazer academia e se livrar dos vícios. Meu eu daquela época nunca fez isso, tive que fazer por ele Calma... por que estou digitando isso aqui? Eu nunca gostei desse lugar. Acho a comunidade brasileira do Reddit muito chata e fresca. Mas eu também sou chato e fresco kkkk talvez exatamente por isso esteja aqui Resolvi criar uma conta agora, entrava só como visitante de vez em nunca, até pq nunca tem nada de interessante aqui. É quase sempre os mesmos tópicos falando ou de relacionamento ou solidão Mas esse não é o primeiro tópico que faço aqui... Já fiz um falando sobre como estou fazendo minha carta de suicídio kkkkk A carta de despedida (o suicídio lá nem é explícito) é apenas um pedido da minha sombra Não quero me matar pelo menos não por enquanto Muito leviano da parte de vocês redditors ao fazerem aqueles comentários no meu post. Mas não os julgo tbm, não há muito oq esperar de uma comunidade chata e fresca kkkkkk Lembrei em 2018 quando tive um amigo virtual nos tais fóruns da ""deep web"" (* som de fantasminha genérico *), ele era bem carinhoso comigo, já me deu um jogo de presente na steam; porém certo dia eu forjei minha própria morte, e passei a ignorá-lo completamente, sinto-me um cusão por ter feito isso, pelo menos é cômico voltar de tempos em tempos naquele fórum com uma conta fake e ver que o pessoal lá realmente acha que eu morri... meio sinistro na vdd Mas ainda assim sinto que não deveria ter feito isso, fico com a consciência pesada muito facilmente, lembro-me até hoje de quando roubei uma balinha no mercadinho do seu zé da esquina, tinha uns 12 anos; ou então no primeiro ano do ensino médio quando estava zuando uma amiga que tirou nota vermelha em física, mas ela começou a chorar... ver aquilo partiu meu coração, e para minha redenção decidi que seria justo ajudá-la a recuperar a nota, afinal além de tudo eu tinha as maiores notas de física da turma. Assim que ela recuperou a nota, voltei a zuar ela kkkkk mas nunca deixou de ser minha amiga por isso; uma vez já escreveu bem grande na contracapa do meu caderno de matemática "alteregoshadow, eu te amo". Guardo esse meu caderno até hoje (tudo bem que alguns dos meus amigos resolveram encher a página de desenhos de pinto, porém a frase ainda está lá) Eu fui meio pestinha na época de escola, em especial nos últimos anos do fundamental, uma vez eu fiquei acumulando saliva na minha boca por horas e depois soltei toda a cachoeira na mesa do meu amigo que sentava atrás; ou quando eu ficava pegando um monte de barata e lagartixa morta pra colocar nos estojos das meninas Sabe, sinto falta dessa época. Nem muito pelo motivo clichê de época da escola, simplicidade e tal, mas mais pq acho que foi a época em que eu fui a melhor versão de mim Um amigo meu mora num lugar bem isolado, tipo um sítio mesmo, mata densa e tal. A gente ia lá vez ou outra pra brincar, e era bem dahora. Esperávamos chegar a noite pra fazer o clássico pique esconde na floresta escura. Eu era conhecido por ser um dos melhores, não me encontravam nunca, até pq eu não tinha medo de me deitar e rolar no mato; saía correndo engolindo teia de aranha, lesma, pisando em cobra, enfim Era conhecido também por ser muito bom nos videogames e tirar as maiores notas da sala Aquilo definitivamente era a concretização da promessa que fiz ao meu eu de um passado ainda mais distante: disse que ia estudar mais, treinar mais, ser mais sociável E tudo isso aconteceu. Fiquei mais inteligente, mais forte, mais ágil, e do aluno mais "fantasma" da escola me tornei o líder de um grupo que reunia basicamente todos os garotos da oitava série. Ninguém mexia comigo, mas também nunca fui autoritário, zuava todo mundo e era zuado de volta. Certa vez a turma se uniu contra mim e jogaram todo meu material no lixo kkkkkk ri muito no dia Mas depois disso... sei lá Passei a frequentar academia, vez ou outra estudava um pouco, mas nada na mesma intensidade ou emoção A real é que eu passei toda minha infância sozinho na vdd. Meus pais trabalhavam o dia todo e meu irmão mais velho estudava em tempo integral. Na época teve um grande surto de dengue na minha cidade, por todo lado era cartaz falando da importância de tomar cuidado, afinal, dengue MATA. Aquilo me deixava demasiadamente pensativo, como assim morte? Eu nasci pra morrer? O que vem depois? Todo dia era a mesma coisa, chegava da escolinha e passava o dia inteiro pensando em morte, isso com uns 5 anos de idade. Pouco tempo depois, a situação piorou quando começaram as histórias de fim do mundo. Lembro que até chorava de tanto pensar nisso. A primeira vez que pensei na possibilidade de suicídio tinha uns 8 anos. Também nessa época foi quando presenciei um acidente em que um caminhão passou bem por cima da cabeça de uma menininha de uns 2 anos. Aquilo me marcou muito, e quando eu cheguei em casa, esperei todo mundo dormir para ligar o computador e pesquisar "fotos de cérebro", "fotos de acidente" e etc. Acabei parando em vários blogs e fóruns de gore (que eram bem mais comuns naquela época). Ficava assustado ao ver a fragilidade humana nos acidentes e pasmo ao ver a frieza de alguns para torturar outras pessoas por motivos torpes. Ainda assim, assistir gore acabou se tornando uma prática que levo até hoje (com menos intensidade), não por ser um psicopata que gosta de ver a dor e sofrimento alheio mas pq acaba me lembrando das minhas "origens", pensar sobre a morte e etc (todo mundo já deve pelo menos ter passado por uma situação em que sabe que vai se frustrar ou enraivecer mas mesmo assim segue em frente, é mais ou menos isso). Para morrer basta estar vivo, foi nisso que me toquei na época Posteriormente, com 10 anos, foi o momento em que fiz aquela promessa para mim mesmo. Não darei muitos detalhes aqui, e oq aconteceu logo depois já contei... Mas e após tudo isso? Bem, depois que o meu "auge" se foi, eu percebi que todos esses pensamentos ruins na vdd não sumiram, apenas estavam se escondendo. Quando voltaram, foi de uma vez. E ao invés de tentar lidar com isso de uma maneira normal, eu simplesmente achei que seria uma boa ideia dividir minha mente em partes. A maioria de meus alter egos são na verdade versões de eu mesmo porém em diferentes épocas. Porém também tem a minha sombra (pra quem conhece o conceito de Sombra do Carl Jung talvez entenda melhor isso). E oq aconteceu foi que, eu acabei criando egos que brigam entre si constantemente, deixei todas as minhas características positivas a um ser superior, idealizando um eu melhor que eu, um eu que agarrou todos seus potenciais e os explorou ao máximo, uma pessoa que eu nunca conseguiria ser porém dizia ser no mundo internético afora. Estava mentindo para mim mesmo Sabe, cada um dos meus alter egos têm uma qualidade. Um é bondoso, tem o inteligente, o criativo... porém parece que o que sobrou para mim foi apenas loucura. Poxa, eu já fui cada um deles, por que não consegui pegar pelo menos uma parte boa de cada um? Parece que eu regredi. O certo não seria, ser uma pessoa melhor a cada dia? Se eu ao menos pudesse juntar a bondade, criatividade, inteligência, e etc, eu definitivamente iria orgulhar o meu eu do passado, mas ao invés disso, estou apenas enganando ele e a mim mesmo, colocando todo meu potencial num alter ego superior que me consome a cada dia É complicado, por um lado tem a promessa que fiz que me mantém vivo, querendo cumpri-lá. Mas por outro, eu vejo eu mesmo desprovido de significado, tenho uma vida boa, bons amigos, situação financeira estável, minha família não gosto tanto mas relevo, enfim, mas parece que nada me é suficiente. Sinto que a vida é só um tédio extremo mesmo, até em momentos que era pra eu me divertir estou entediado, ou então quando de fato me divirto, depois o sentimento de vazio vem ainda maior, não dá pra explicar com palavras, o que posso dizer é que sou extremamente curioso, o que me atrai ao suicídio é o fato de ser uma morte planejada, eu poderia saber quando e como morrer, preparar uma carta de despedida, fazer uma "queima de arquivo" e etc, mas por outro lado, eu ficaria extremamente agoniado em não saber qual seria a reação das pessoas diante minha decisão. É literalmente a curiosidade o que mais me mantém vivo, e por vezes, a curiosidade de saber como seria meu suicídio é a predominante E não falo de tristeza ou depressão, sei lá eu nunca fui atrás de um profissional, mas eu sinceramente não acho que tenha depressão, no máximo TDAH pois de fato sou muito hiperativo e perco o foco muitas vezes, tropeço algumas vezes e (não sei se tem muito a ver) às vezes tenho a sensacão de que estou girando ou caindo, principalmente quando eatou sentado ou deitado em um ambiente escuro, mas assim, eu acho que a vida, especialmente hoje em dia e ESPECIALMENTE para pessoas como eu, é assim mesmo. Eu não preciso estar depressivo para sentir como a vida realmente é, e sinceramente tô cada vez menos ligando pra isso. Eu aprendi desde muito cedo a lidar com silêncio, solidão e tédio(esse é o mais difícil), além do mais tenho imaginação fértil então o meu maior passatempo (entretenimento, hobby chame como quiser) é só me perder na minha mente mesmo. Poxa, tem um universo inteiro dentro de mim para ser explorado, não quero me preocupar com coisas mundanas. E pra quem me critica, dizendo que isso é fugir da realidade, pensem que TUDO (ou quase tudo) que o ser humano faz no tempo livre é exatamente para fugir da realidade. A vida real é meio chata né kkkkkk. Jogar videogame, assistir filme/série que seja, jogar rpg de mesa, ler um livro, ouvir um audiobook ou podcast ou até mesmo uma festa com bebida e música alta, tudo isso serve para as pessoas fugirem da realidade, mas diferente do que eu faço, já que eu fujo da realidade mas pelo menos não fujo de mim mesmo Eu fujia de mim mesmo no último ano do ensino médio, sabe né, aquele ano que ngm liga. Ia e voltava pra escola a pé, e sempre passava na lojinha pra comprar chocolate, me viciei naquilo. Sempre comia no caminho e colocava a embalagem na mochila. Até que resolvi contar quantas embalagens tinham e pasmém, quase 80, isso em um pouco mais de 2 meses Sempre tive um mundo onírico muito vivo, desde criança bem pequena, sinto os meus sonhos de fato, lembro quando tinha uns 6 ou 7 anos sonhei que um guerreiro samurai atravessou a longa katana no meu peito e foi uma das maiores dores que senti. Tento às vezes praticar sono induzido, dou risada dormindo, falo dormindo e por vezes até escrevo ou desenho dormindo (não sou sonâmbulo). Comecei a perceber que boa parte dos meus sonhos envolvem meus alter egos, e na maioria das vezes estão em um ambiente fantasioso (como uma mansão ou castelo mal assombrado, cemitério, labirinto e etc) e precisam trabalhar juntos para resolver os puzzles e escapar Na maioria dos sonhos eu não sou o protagonista ou sequer participo, apenas observo os meus egos, em terceira pessoa Muitas das vezes a minha sombra mata os meus egos nos finais dos sonhos É muito simbolismo envolvido, ainda estou pensando sobre isso, pode ser uma autosabotagem (suicídio) ou então algo do tipo matar o velho para manter o novo, eu não sei Se tem uma coisa na qual eu posso ser grato, é por ter tido sorte para arranjar bons amigos. Sei que muita gente (em especial desse sub) deve ter mais dificuldades com isso, eu por outro lado, apesar de nem precisar tanto pois me dou bem comigo mesmo e na maioria dos momentos até prefiro estar sozinho, tive bons amigos. Às vezes é bom ter uma boa companhia. Aquele meu grupo da oitava série que falei anteriormente, mantenho contato com quase todo mundo, ainda considero sim porém cada um seguiu seu rumo e não tem nada de errado ou anormal nisso. Acho que muita gente que sempre teve dificuldade em fazer amigos cai no erro também de romantizar demais a amizade, do tipo "seremos amigos para sempre" ou sei lá mais oq. É completamente natural que com o tempo o afastamento ocorra, não precisa se sentir mal se as conversas não fluem mais Inclusive uma vez mandei uma mensagem para um amigo não se preocupar comigo pois em no máximo 5 anos provavelmente não iríamos mais nos falar de qualquer maneira, e ele respondeu: "Como assim com certeza continuaremos a nos falar e jogar Airsoft e RPG por muito anos a vir!". Admito que quase chorei lendo isso, e me senti fraco Mas continuando, em especial na internet, existe muito isso. Às vezes vem alguém desabafando por não ter amigos, recebe várias mensagens de pessoas para conversar, porém essas mesmas pessoas depois dão o famoso "ghosting". Olha, isso é bem previsível na verdade. Apenas faça a si mesmo a seguinte pergunta: "Quantos de seus amigos virtuais seriam seus amigos se você os conhecessem no mundo real, ao invés de no mundo virtual?". É apenas um questionamento, mas acho interessante. Pois é muito fácil falar que é amigo de qualquer um na internet Inclusive, entrei num servidor público de discord, daqueles só pra conversar e tal, e pqp parece que é impossível achar um servidor de discord em que a userbase não esteja repleta de adolescentes genéricos que têm problemas de autoestima e passam o dia jogando videogame ou assistindo filme/série/anime, tinha mto pré adolescente tbm de idade entre 11 até 14 anos Não ficava muito a vontade lá, as regras tbm eram muito vagas, não podia ser ofensivo no chat mas não estava definido oq era ofensivo pra staff. Levei um aviso simplesmente pq um adm lá quis, ainda não entendi que regra quebrei, ele provavelmente só estava de mal humor mesmo sla Tinha um canal de desabafo que só podia falar "coisa séria", aí uma vez falei sobre como fico puto por comer muito chocolate e queria mesmo era encher minha perna com tiros de airsoft, aí levei outro aviso por não respeitar a seriedade do canal. Sla né, autosabotagem não é uma coisa séria pra ele? Foda, muita arbitrariedade. Não tem como arranjar um servidor público decente. Sempre tem uma userbase majoritariamente imatura, joguinhos e eventos sem graça e confusos, enfim Mas oq eu queria fazer naquele servidor, eu fiz aqui. Provavelmente não da melhor maneira, certamente não da maneira como eu imaginava, mas está feito Ficou confuso e grande pra caralho lol
submitted by alteregoshadow to desabafos [link] [comments]


2020.06.01 03:50 NatanaelAntonioli O que os Anonymous fez, ou deixou de fazer?

1) Quem são os Anonymous?
Primeiro: ao contrário da Cicada - que se identifica assinando suas mensagens oficiais com uma chave PGP - o Anonymous é uma comunidade virtual descentralizada.
Ser descentralizada significa que não há um "Anonymous oficial", um "Anonymous verdadeiro" ou que existam "Anonymous falsos". Também significa que não há um processo para "se juntar ao Anonymous" que envolva passar por testes e obter aprovação de uma organização superior, e que não há um quartel general dos Anonymous no qual atividades feitas por essa comunidade são comandadas.
Qualquer um pode realizar um ato de hacktivismo e se identificar como Anonymous. Basta se chamar de Anonymous, e de preferência usar a identidade visual e jargão associados com essa comunidade (máscara e frase, principalmente).
Justamente por isso, existem centenas de atos associados ao Anonymous, como você pode ver em uma linha do tempo presente em https://en.wikipedia.org/wiki/Timeline_of_events_associated_with_Anonymous. Essa linha do tempo não é uma lista de atividades feitas por uma organização única, mas sim por pessoas que se proclamaram como parte dessa comunidade, e que provavelmente nunca tiveram relação entre si.
Grupos que fazem atos mais impactantes ganham mais notoriedade, mais reputação, e mais seguidores em seus perfis oficias. Lembre-se: esses perfis não são da Anonymous, mas sim de um grupo específico que se identifica como Anonymous.
Sendo assim, se dois grupos, clamando ser Anonymous, fizerem (a) invadir a conta do Donald Trump e deixar um link para seu perfil, e (b) invadir a conta comercial da padaria da esquina e deixar um link para seu perfil, o grupo (a) certamente será mais levado a sério do que o grupo (b), e, se continuar em atividade, poderá formar uma célula centralizada.
Existe, por exemplo, um perfil ativo desde 2012 e com 2 milhões de inscritos (https://www.youtube.com/useAnonymousWorldvoce/videos) que clama ser oficial e posta conspirações no melhor estilo canal dos amiguinhos. Esse canal poderia ser meu, ou seu, ou de qualquer um que usasse esse nome.
A criatura no céu é, na verdade, uma pipa de dementador: https://observatoriodocinema.uol.com.bfilmes/2017/03/harry-potter-jornal-relata-aparicao-de-dementador-nos-ceus-da-africa. Ter mais de 2 milhões de inscritos e se proclamar como Anonymous não te livra de ser um imbecil.
2) Sendo assim, qual grupo fez o quê ultimamente?
No dia 28 de março de 2020, uma página no Facebook com 11 milhões de seguidores intitulada Anonymous (https://www.facebook.com/anonews.co/) e associada ao site AnonymousNews (https://anewspost.com) publicou um vídeo (esse que você viu por aí: https://www.facebook.com/anonews.co/videos/285581555919237/?v=285581555919237) no qual a violência policial em Minnesota é denunciada, citando casos de abusos policiais contra a população negra. Os protestos são exaltados, e o vídeo afirma que os crimes cometidos por eles (não deixando claro exatamente a quem "eles" se referem, provavelmente o departamento policial) serão levados ao mundo.
https://preview.redd.it/fpc4bft0b7251.png?width=424&format=png&auto=webp&s=24f28ae2a013a9517c976a1df1caf4d93a1e8ed3
Dia 31, um influenciador de tecnologia afirmou que o Anonymous tirou do ar o site do departamento de polícia local (https://twitter.com/williamlegate/status/1266938876632981507).

https://preview.redd.it/rorhiev7c7251.png?width=592&format=png&auto=webp&s=54b557850c4137d913231af04ab00ebe8666e4c6
3) E cadê os documentos sobre Epstein, Trump, Michael Jackson e Princesa Diana?
Na verdade, nenhuma dessas coisas foi publicada pela primeira vez recentemente. Apesar dessa postagem (https://twitter.com/moonstargym/status/1267237023934558210) dar a entender isso, todas essas denúncias já haviam feitas no passado, e sequer tinham relação com um grupo intitulado Anonymous!
O livro que liga Epstein a várias personalidades conhecidas, por exemplo, foi descoberto em 2012 pelo jornalista Nick Bryant, e ganhou as manchetes dos jornais em 2019 (https://www.nytimes.com/2019/07/22/style/jeffrey-epstein-little-black-book.html), mesma época em que uma versão completa do livro foi publicada na internet (https://archive.org/details/jeffreyepsteinslittleblackbookunredacted/page/n31/mode/2up).
Data de envio do livro do Epstein.
Se você tiver dúvidas, basta acessar o material, usar a função CTRL+F e buscar por nomes que você viu no Twitter.

https://preview.redd.it/4pmlwkped7251.png?width=174&format=png&auto=webp&s=e36daabb20e294f75252188d83a9045c5361de03
https://preview.redd.it/tzvfilwfd7251.png?width=137&format=png&auto=webp&s=39d742253f7b31adb8bc7a17e935f994230c14c1
A versão divulgada recentemente é apenas uma transcrição dessa lista em formato de texto puro, e não contém novas informações.
As acusações de estupro contra Donald Trump também já existiam no passado. Aqui (https://legalschnauzer.blogspot.com/2019/01/donald-trump-has-paid-about-30-million.html), temos a publicação de exatamente a mesma lista que hoje foi atribuída aos Anonymous, em janeiro de 2019. O responsável pelo compilado de denúncias foi o site Wayne Madsen Report (WMR) (https://www.waynemadsenreport.com), mantido por Wayne Madsen, um autor americano e teórico da conspiração.
https://preview.redd.it/9a019yfvd7251.png?width=481&format=png&auto=webp&s=13269e755c5baee1c2c17f4ea43fd1910c1e585d
Por fim, a acusação envolvendo um assassino de aluguel que confessou ser responsável pela morte da princesa Diana foi checada pelo Snopes em junho de 2017 (https://www.snopes.com/fact-check/retired-mi5-agent-confesses-on-deathbed-i-killed-princess-diana/), que apontou que a origem da matéria foi o site Your News Wire (https://www.snopes.com/tag/yournewswire-com/), com um amplo histórico de notícias falsas, inclusive essa.
A acusação de que a morte de Avicii foi um assassinato após tentativas de expor um caso de abuso infantil é de 2018, surgiu do site Neon Nettle a partir de especulações, e é falsa, conforme análise do Snopes (https://www.snopes.com/fact-check/dj-avicii-expose-pedophile-ring/).
3.1) E os documentos do Vaticano?
De acordo com esse tweet (https://twitter.com/manelmarquez/status/1267400380704489472), a página do Vaticano foi invadida pelo Anonymous, e deixaram um link com denúncias de casos de abuso infantil.
De fato, o link está na página. Só acessar http://www.vatican.va/content/vatican/it.html.
Porém, o que ele simplesmente ignorou é que esse link é da resposta da própria Igreja a casos de abusos infantil ("chiesa" é "igreja" em italiano"), esse documento foi enviado pela própria Igreja, e isso já existia desde 2013 (http://archive.is/Vmv4H).
Já que estamos falando do site do vaticano, capturas recentes não mostram nenhum tipo de invasão: http://archive.vn/http://www.vatican.va/content/vatican/it.html e http://web.archive.org/web/20200529204115/http://www.vatican.va/content/vatican/it.html.
Um perfil brasileiro que se identifica como Anonymous postou o que intitulou um exposed do Vaticano, em https://twitter.com/anonymousdobstatus/1267528929193189378 e https://twitter.com/anonymousdobstatus/1267532085302120463. Porém, todas as informações aí presentes foram retiradas de notícias antigas, e não trazem nada de novo. São elas:
Urrutigoity (2014): http://www.ihu.unisinos.bnoticias/534505-o-curioso-caso-de-carlos-urrutigoity-parte-1
Montero (2008): https://www.twincities.com/2008/09/09/archdiocese-denies-helping-priest-to-flee-as-alleged-in-lawsuit/
Madden (2015): https://jacksondiocese.org/2015/09/statement-regarding-father-paul-madden/
Van Dael (2015): https://www.pri.org/stories/2015-10-16/fugitive-fathers-two-priests-have-been-suspended-globalpost-s-investigation
Baeza (1988): http://www.bishopaccountability.org/assign/Fernandez_Federico_ofm.htm
Tomé Ferreira (2018): https://g1.globo.com/sp/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/noticia/2018/09/24/bispo-de-rio-preto-investigado-pelo-vaticano-em-denuncias-de-abusos-sexuais-deixa-cargo-ligado-a-cnbb.ghtml
Aldo di Cillo (2016): http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2016/09/ex-seminarista-da-pb-diz-ter-sofrido-assedio-sexual-de-bispo-dom-aldo.html
Antônio Sarto (2003): https://www.bishop-accountability.org/sites/Spricigo_Tarcisio/Crime.htm
4) Sendo assim, esse ocorrido acarretará em consequências reais?
Já que isso não ocorreu agora, provavelmente não - ao menos de forma série e em função disso.
O usuário médio do Twitter pode ter descoberto isso agora, mas as pessoas que investigam e tomam providências nesses casos, não. Além disso, o da princesa Diana sequer é verdadeiro.
E, por fim, nenhum grupo vazou "documentos ultra secretos e incriminadores" contra Trump no momento. Não há nenhuma ameaça sólida em jogo.
5) Devo pedir aos Anonymous que investigue o Bolsonaro, ou outra pessoa?
"Pedir aos Anonymous" tem tanto efeito quanto "pedir aos palmeirenses". Ambos não existem de forma centralizada, não compõe uma organização única, e qualquer pessoa pode se identificar como um.
Se você acha que pessoas que se identificam como Anonymous têm algum tipo de habilidade para isso, peça. Mas é mais inteligente pedir para pessoas que são capazes de realizar ataques cibernéticos, ou envolvidas com hacktivismo.
6) E o perfil no Twitter que se identifica como Anonymous atualmente?
O perfil presente em https://twitter.com/YourAnonCase, apesar de ter sido criado em 2011, não há capturas relacionadas a esse perfil no passado (http://archive.is/https://twitter.com/YourAnonCase e http://web.archive.org/web/*/https://twitter.com/YourAnonCase), o perfil só se tornou famoso hoje (https://socialblade.com/twitteuseyouranoncase/monthly), e, por isso, não tem nenhuma reputação no momento.
https://preview.redd.it/tfag8sq8h7251.png?width=589&format=png&auto=webp&s=95ad1796161c864e39bbd3f1d90a91b3bc856bf3

https://preview.redd.it/9tr3uk75h7251.png?width=502&format=png&auto=webp&s=0fdba0e65c118b48493db23775d32de1621b8f0a
https://preview.redd.it/f5vdvow5h7251.png?width=443&format=png&auto=webp&s=34b7426dff976d537b5da6be490123b48fe3c136
Já o perfil presente em https://twitter.com/OpDeathEaters é um perfil de uma operação mais séria de combate a casos de abuso infantil (inclusive envolvendo Epstein) que se identifica como Anonymous, mas cujas postagens são de 2019, e não parecem conter informações inéditas.
https://preview.redd.it/y8a61nlbh7251.png?width=605&format=png&auto=webp&s=1342eaeb967435f75008ea9ed657bd0013c98faa
E outro perfil, presente em https://twitter.com/YourAnonCentral com 2 milhões de seguidores é um perfil com mais reputação, que contém vários retweets do perfil da operação contra abuso infantil, além de mensagens questionando Trump sobre o caso Epstein. Porém, sem publicações inéditas.
https://preview.redd.it/m0no0gx1i7251.png?width=608&format=png&auto=webp&s=8ad7283f64dae70a0226922b2062f50a2e166a37
A galeria abaixo contém os tweets no qual o grupo - esse sim com reputação - mencionou Epstein. Todos eles fazem referência aos conteúdos levantados em 2019.

https://preview.redd.it/8bmzy8aul7251.png?width=618&format=png&auto=webp&s=0fcd8daf19bc091667f8d2fcd58b2442f43a0c7f
https://preview.redd.it/jnwsu2jvl7251.png?width=582&format=png&auto=webp&s=1a681b65034b7c173f1235fcc6fd84dc0251d138
https://preview.redd.it/zq1adbbxl7251.png?width=590&format=png&auto=webp&s=05cce53e9f40443d63ee60bfa895dc577dbcc82b
https://preview.redd.it/u0cthhu0m7251.png?width=570&format=png&auto=webp&s=177b827e2a9157fe53fd3d706099cf0f98a3f135
https://preview.redd.it/y75oz9k4m7251.png?width=571&format=png&auto=webp&s=d1f6abc0fe5348aeb7a68b51ec63fd15858b5228
E, aqui, momentos em que o mesmo caso foi mencionado em 29 de janeiro.
https://preview.redd.it/e7s2yer7m7251.png?width=571&format=png&auto=webp&s=719146a6b1e3fcaa74770dc9ef533f05f0e4971e
https://preview.redd.it/f7fnomx9m7251.png?width=556&format=png&auto=webp&s=713f06054ae890c1678080633b5ee2b6ca647ffc
E no dia 17 de janeiro.

https://preview.redd.it/8min7mddm7251.png?width=571&format=png&auto=webp&s=27f9f66b78041d2315e5481f51aebb14f4bf071f
Em suma: até o momento, não há novidades sobre Epstein. Apenas referências de uma célula do grupo com reputação a uma investigação feita entre 2015 e 2019.
submitted by NatanaelAntonioli to fabricadenoobs [link] [comments]


2020.04.22 04:32 ihattori nerd zé droguinha fodase k k k

OBS: fiz esse texto com o objetivo de recapitular esses últimos meses conturbados na qual minha vida mudou completamente e acabou ficando um texto gigante, então não espero que alguém leia (até eu to com preguiça de ler isso).

Desde os meus 12 anos fui um clássico adolescente fracassado. Ficava praticamente o dia inteiro no computador e só saia para comer ou fazer algo que era obrigado, na escola só falava com uns três amigos mesmo que tenha ficado na mesma turma desde o primeiro ano do fundamental e no Whatsapp não falava com praticamente ninguém. Porém antes eu não era assim, dava pra se dizer que eu era uma pessoa até que normal, mesmo que desde pequeno não tinha muitas habilidades sociais e sempre fui introvertido. Até que conversava com algumas pessoas na escola, saia para dar rolê pelo bairro, praticava esportes e essas coisas. Tudo começou a mudar quando meu tio morreu e isso desestabilizou toda a minha família, comecei a sofrer bullying na escola e coincidentemente conheci a pornografia.
Então minha rotina se tornou acordar praticamente na hora do almoço, ir para a escola esperando a hora de voltar para casa e quando chegava em casa ficava no computador jogando algo, vendo vídeos fúteis no youtube ou consumindo pornografia, que acabou se tornando um vício diário. Depois eu ia dormir umas duas horas da manhã e este ciclo se repetia sempre, raramente mudava. Isso foi até meus 15 anos, quando entrei pro ensino médio e comecei a estudar de manhã, então eu pelo menos acordava cedo e não ia dormir extremamente tarde. Porém os vícios somente mudaram de hora, pois eu chegava do colégio e ficava praticamente o resto do dia inteiro no computador. Na nova turma demorei praticamente dois meses para começar a socializar de fato, eu só ficava calado no meu mundinho esperando a hora de voltar para casa.
Minha relação com as mulheres também não era muito boa, eu tinha fucking 15 anos e ainda não tinha nem beijado. Não foi por falta de oportunidades, pois minha aparência até que é boa e eu não era um beta completo que não consegue nem falar com mulheres. Tinha perdido todas as oportunidades quando criança e quanto mais o tempo passava menos elas surgiam, até que chegou a um ponto que elas nem apareciam mais e eu tava tão imerso na minha zona de conforto que nem tinha vontade de criar as oportunidades e ir atrás de mulheres. Acho que não dava nem pra se dizer que eu era um beta, creio que cheguei abaixo desse nível pois eu nem chegava a tentar.
Até que aconteceu algo que mudou tudo. Uma colega minha tinha criado um grupo de umas pessoas que sentavam próximas na sala de aula e como eu falava um pouco com ela me colocou também. Nesse grupo ela também tinha colocado uma guria que tinha me chamado a atenção desde o inicio das aulas, pois ela tinha tanto uma aparência quanto um estilo diferenciados e ao mesmo minimalista, nada muito vulgar. Por esse grupo a galera falava mais sobre algumas coisas da aula mesmo, pois a maioria ainda tava se conhecendo. Eu até que interagia um pouco nesse grupo, pois tinha percebido que não interagia com praticamente ninguém da turma em mais ou menos 2 meses de aula. Até que um dia por causa de um trabalho que uma professora tinha dado entramos no assunto de pirâmide e eu sempre me interessei por tal assunto, e é aí que tudo começa.
A conversa foi rolando e chegou uma hora que só ficou eu e aquela moça que eu tinha me interessado conversando. E, namoral, fazia tempo que eu não tinha uma conversa tão boa, fluía muito bem tanto que começou no assunto de pirâmides e quando vê estávamos falando sobre brócolis (???). Mas o que chamou minha atenção foi que ela tinha umas ideias meio diferentes, curtia falar sobre coisas alternativas (tanto que a conversa começou com pirâmides e ETs) e isso também chamou a atenção dela, pois ela mesmo disse que se interessava muito sobre essas coisas e que nunca tinha ninguém para falar sobre. (exemplos de "coisas alternativas": ETs, filosofia, sociedades secretas, teorias, leis universais, espiritualidade, arte, geometria sagrada, etc.)
As ideias fechavam tão bem que em praticamente dois dias eu já tava apaixonado (modo beta ativado KKKK). Antes disso eu achava que já tinha me apaixonado, mas nenhum sentimento que eu já tinha tido por alguém chegava perto daquilo. Com isso, comecei a refletir sobre a minha vida e cada vez mais eu me ligava que eu era um lixo, não merecia ela e nem conseguiria a conquistar. Então comecei a usar a motivação que a paixão me proporcionava para meu auto-desenvolver.
Aí comecei a pesquisar no youtube diversos canais sobre desenvolvimento pessoal e ficava grande parte do tempo vendo eles, comecei a praticar no-fap (mesmo sem saber o que era, fui descobrir depois de começar a praticar) logo depois comecei a ler livros, me exercitar, cheguei até a tomar banho gelado e ficava muito menos tempo no computador. Também via muitas coisas sobre conquista e sedução, porque eu não tinha muita experiência com mulheres e queria usar de todas as ferramentas para conseguir ficar com ela.
Até ai tudo bem, estava me sentindo vivo depois de tanto tempo vivendo com um sentimento de vazio, estava com motivação para melhor como pessoa, tinha encontrado alguém que se interessava pelas mesmas coisas que eu, etc. Maas tudo têm dois polos e isso não é diferente. Como conversava com ela praticamente todo dia, acabei me viciando nela e isso virou meio que uma droga, pois quando eu tava falando com ela ficava num estado eufórico e estava extremamente motivado, porém quando via que ela demorava pra responder ficava num estado muito depressivo. Ela também diariamente ficava em call com um colega nosso (pior que ele era um zé droguinha k k) e isso me deixava muito fudido emocionalmente.
Com o tempo começamos a nos falar menos (normal, pois conversávamos todo dia) e descobri que ela gostava de um outro mlk de outra turma (zé droguinha repetente também KKK) e mesmo sabendo que ela já gostava dele antes de me conhecer isso me deixou mais mal ainda. Mesmo com tudo isso, continuava com essas variações de humor quando falava com ela e quando não falava, porém de um modo mais extremo, muitas vezes até pensando em suicídio. E era justamente isso que me impedia de criar intimidade com ela, era por isso que ela preferia os "zé droguinhas". Eles não estavam ligando pra ela, e para mim ela era única, eu sabia que não iria achar outra moça como ela tão facilmente. Isso me impedia de ser natural e de não tratar ela como a última pessoa do mundo, mesmo que eu tentasse isso é sútil e faz toda a diferença.
O tempo foi passando e eu estava perdido, sem saber o que fazer. Cheio de informação e sem saber como aplicar, e ai entra outro erro meu. Fiquei vendo diversos vídeos sobre conquista chegou um ponto que não sabia o que por na prática, se me declarava pra ela ou deixava rolar, se dava atenção para ela ou vivia minha vida normalmente pra mostrar para ela que ela não era prioridade arriscando perder contato com ela, etc. E eu acabei ficando nessa inércia, continuava falando direto com ela mas não conseguia evoluir na relação, pois sempre que tentava algo como iniciar um flerte ela meio que se esquivava. Assim foi até que um dia descobri que ela não estava mais apaixonada, e achei muito estranho pois nem sabia que ela estava. Fiquei feliz pois melhor para mim, porém o cenário mudou completamente quando descobri que na verdade ela estava apaixonada por mim.
Isso me deixou pior do que eu já tava, pois eu fiquei me sentindo um lixo por ter perdido a oportunidade. Tipo, não importava o que eu fizesse tinha grandes chances de dar certo porque ela tava fucking apaixonada por mim, porém eu não fiz simplesmente nada. Isso explica também o motivo dela se esquivar quando eu tentava algo, porém avaliei a situação e era muito óbvio o interesse dela em mim, só que eu estava com tanto medo de agir que ignorava os sinais. Mas mesmo assim em todo esse tempo nunca paramos de nos falar, somente tinha algumas pausas temporárias e agora tinha percebido que ela estava diferente, parecia não ligar tanto pra mim.
Não bastasse isso, nesse mesmo período descobri que iria me mudar no fim do ano. Isso conseguiu me deixar pior ainda, mas ao mesmo tempo feliz pois seria para Florianópolis. Aos poucos fui perdendo o sentimento por ela e consequente a motivação para manter meus hábitos. Voltei a ficar mais tempo no computador, a consumir pornografia (bem menos que antes), no fim o único hábito que consegui manter foi o da leitura. Pior que nesse tempo eu estava estudando a obra de Nietzsche e acabei me tornando niilista, nenhuma crença fazia sentido para mim, nem a vida. Para completar, estava tendo muitos atritos com minha família.
Então formou um combo: eu tinha perdido a oportunidade de ficar com ela, descobri que iria me mudar e perder o contato com todos meus poucos amigos e que iria possivelmente nunca mais ver ela, não via sentido na vida (mesmo com bastante conhecimento sobre religião, espiritualidade, etc.), e ainda estava com problemas em casa. Pelo menos como eu já tinha conseguido melhorar no quesito social por causa desse tempo em que busquei me aprimorar, pelo menos na escola eu ficava até que bem e socializava com geral.
Como eu sabia que iria me mudar, resolvi meter o fodase. Passei a não ligar pra opinião dos outros, falava com bastante gente e não estava me importando muito com desenvolvimento pessoal. Até que um dia eu estava chegando em casa e meu vizinho que era meu melhor amigo de infância me chamou pra casa dele. A gente não se fala muito pois eu tinha virado mais "nerd" e ele tinha se tornado mais "zé droguinha", mas nos dávamos bem até. Cheguei lá e tava ele e mais dois amigos, logo ele me ofereceu uma garrafa de Coca-Cola com um líquido estranho dentro e disse pra eu beber. Logo me liguei no que poderia ser, e como não estava lingando bebi tudo e ai eles me disseram que era MDMA dissolvido e que em alguns minutos o efeito iria começar. O máximo que eu já havia usado foi maconha em bong, mas isso era outro nível. Foi a melhor sensação que eu havia sentido na minha vida. Fritamos muito, os amigos dele que já eram meus conhecidos gostaram de mim e assim eu voltei a falar com esse meu amigo.
No outro dia fui pra escola sentindo um forte vazio existencial que é normal sentir depois de usar uma droga como essa, porém isso não era problema pois as 8 horas em que o efeito da droga geralmente dura valem a pena. Então, como voltei a falar com esse meu amigo conheci outros amigos dele e sem querer querendo eu estava me tornando um "zé droguinha". Não um zé droguinha no estilo favelado brasileiro, mas num estilo mais Lil Peep (que é um artista que eu ouvia pra krl na época e ainda escuto um pouco). Começou com eu indo na praça e fumando maconha e com o tempo foi piorando..
Antes disso tudo eu havia entrado numa "escola de autoconhecimento" na qual eu continuava indo mesmo depois de tudo isso ter acontecido eu ainda tinha um pouco de motivação para me auto-desenvolver. Então chegou a um ponto em que uma hora eu estava fumando em um bong e logo depois lendo um livro sobre desenvolvimento pessoal, uma hora eu estava meditando nesse curso de autoconhecimento e no outro dia estava bebendo e jogando sinuca em um bar. Eu estava completamente dividido.
Até que teve uma vez em que meu vizinho estava fazendo uma social com uns amigos e eu decidi ir ali, isso já era mais ou menos meia noite. Logo que cheguei já vi uma movimentação estranha e chegou um cara que eu não conhecia lá e tirou um pino de cocaína do bolso e foi fazendo as linhas. Todos começaram a cheirar e chegou na minha vez. Fiquei muito na dúvida, mas sempre que ficava na dúvida entre fazer algo ou não me lembrava dos anos em que perdi na frente de um computador e ia lá e inconsequentemente fazia (isso só não funcionava com a moça que eu estava apaixonado k k). Depois decidimos ir na praça e no caminho o meu amigo foi me falando da situação, disse que era a movimentação tava meio agitada pois era a terceira vez que tinha ido pegar pó e estavam sem dinheiro e o traficante disse pros caras que tinha ido pegar deixarem o relógio e o moletom com ele de garantia e que se eles não pagassem ele no outro dia ele iria matar eles. Nisso eles já estavam com uma dívida de uns 100 reais e todos estavam sem dinheiro, então decidi ajudar com os 20 reais que eu tinha sobrando e alguns deles iriam vender fones de ouvidos e carregador na estação de trem para conseguir juntar uma grana e pagar o plug.
Se você se pergunta o que os usuários ficam fazendo de madrugada drogados, é decepcionante. Ficavam falando sobre futebol, fazendo batalhas de rimas, falando sobre mina e essas coisas. Depois nós fomos dar uma volta pelo bairro, fumamos maconha e voltamos para casa e isso já era umas cinco horas da manhã. Cheguei, fui dormir e acordei as 06:30 para ir para o colégio, possivelmente ainda no efeito da maconha. As pessoas do colégio já tinham notado que eu estava diferente e algumas suspeitavam que eu estava usando drogas (de fato, eu estava), porém eu nunca tinha chegado a comprar droga, sempre usava se estava com alguém que tinha e não tinha criado nenhuma dependência. Algo que ajudou a acharem isso foi eu ter mandado uns áudios bêbado para aquele grupo em que conheci aquela moça e uma guria mandou no grupo da turma alguns desses áudios no grupo da turma (nunca mandem áudio bêbados, sério).
As pessoas da minha turma diziam me achar estranho pois no início do ano acreditavam que eu era um nerd que não falava com ninguém e agora eu conversava com todo mundo e que era um possível zé droga. E foi realmente isso que aconteceu, eu tinha parado de desperdiçar minha vida na frente de um computador e passei a desperdiçar queimando meu neurônios. Minha mãe sempre foi protetora e com razão suspeitava de mim, porém não achava que iria me envolver com essas coisas pois sempre fui tranquilo quanto a isso e também por que isso não é muito coisa de alguém que fica a maior parte do tempo no computador.
Um dia uns me chamaram para ir na praça e depois no bar jogar sinuca. Cheguei lá e eles estavam com um pino de pó, e como eu não tinha sentido bem os efeitos na primeira vez não liguei e usei de novo. Logo depois fomos para o bar e como eu estava com dinheiro decidimos comprar uma garrafa de vinho e jogar sinuca. Tomei dois copos e meio e lá estava eu, o nerd beta gamer cheirado e bêbado de vinho num bar kk. Foi uma sensação ainda melhor do que no MDMA, eu estava me sentindo um semideus, não ligava pra nada e falava coisas sem sentido. Porém, eu tinha que ir pra casa cedo e eu estava tão alterado que nem medo de chegar em casa naquele estado eu conseguia sentir, mas sabia que tinha que evitar ao máximo o contato (algo que eu já estava acostumado). Cheguei lá e vi que minha mãe já estava meio desconfiada então tentei evitar o contato mais ainda, depois fui pro computador e fiquei ouvindo música, as músicas pareciam 300% melhores enquanto eu estava naquele estado.
Fiquei um tempinho sem usar nada além de maconha as vezes e um dia fui na casa do meu amigo e notei que eles não estavam usando nada, mas tinha uma lata com um furo e já me liguei no que era, o famoso lança de baixo custo, vulgo loló/sucesso. Eu não tinha muito conhecimento sobre essa droga, só sabia que o efeito durava pouco e forte. Por isso, imaginei que fosse relativamente leve comparado a outras que já tinha experimentado. Experimentei e logo senti o famoso "tuin", meus pés e mãos começaram a formigar, meu batimento cardíaco aumentou e fiquei extremamente eufórico. Porém, depois de uns minutos o efeito passou e fiquei com uma certa dor no peito.
Vi que essa droga era muito mais forte do que eu pensava e decidi ir pesquisar sobre os efeitos colaterais dela e descobri que na verdade o que eu usei foi spray anti-respingo de solda, considerado um "crack dos inalantes" e que eu poderia até ter morrido se tivesse inalado mais. Então depois disso decidi não usar mais drogas (demorei kk), até por que eu iria me mudar em mais ou menos um mês.
E assim foi, com o tempo fui melhorando meu emocional e aprendendo a conviver com meus arrependimentos. Já faz uns 3 meses que estou morando em floripa e uns 7 em que me apaixonei por aquela moça, é bizarro pensar que tudo que aconteceu depois disso enquanto eu ainda morava no RS aconteceu em mais ou menos 4 meses. Estou tentando repor os hábitos e por alguns outros na minha rotina para meu desenvolvimento pessoal e pôr em prática o que aprendi depois de tantos livros lidos e tantos vídeos de auto-desenvolvimento assistidos. Por mais que tenha sido um período bem difícil, foi o período na qual mais aprendi e agora consigo equilibrar meu lado "nerd" e meu lado "zé droguinha", chegando a um equilíbrio. (OBS: perdi o bvl e a virgindade, finalmente).
Escrevi isso só para organizar toda essa série de acontecimento na minha cabeça, pois até hoje eu nem tinha entendido direito o que aconteceu, as coisas ficam muito vagas somente no plano mental. Se tu leu esse texto mau escrito até aqui tu é um guerreiro, pois nem eu to com vontade de ler tudo isso.
Algumas dicas que vou usar para mim mesmo, baseado no que extrai desse período da minha vida:
-Se quiser conquistar alguém, seja você mesmo e não torne a outra pessoa o centro da tua vida.
-A mentalidade de pensar "eu vou morrer mesmo" pra alguma decisão é boa, se usada conscientemente. Memento mori, carpe diem.
-Quanto maior o extremo de algo pior seus efeitos colaterais, e isso é uma lei. As drogas demonstram isso bem, pois quanto melhor o efeito e maior a acessibilidade da droga pior são seus efeitos colaterais. Ser um "nerd" é ruim mas tem seu lado bom, com ser "zé droguinha" não é diferente. A chave é o equilíbrio.
-São nas piores situações que mais evoluímos.
-Mais vale um livro compreendido e praticado do que 30 simplesmente lidos.
-Cuidado com as influência que recebe. Certamente se eu não ouvisse Lil Peep e não andasse com quem estava andando não teria sequer tocado numa droga KKK.
-Uma conversa aleatória com uma pessoa desconhecida pode mudar toda tua vida.
-Hábitos bons vão te ajudar muito, mas não vão fazer nada por ti.
-Não espere pelo momento perfeito para agir.
-Não fique devendo pro traficante
submitted by ihattori to desabafos [link] [comments]


2020.03.09 02:32 altovaliriano Jon Snow (Parte 1)

Jon Snow (Parte 1)
Sabendo que eu não conseguirei escrever o texto sobre Jon Snow para o "Domingo de Personagens" de hoje, resolvi compartilhar um texto que eu já havia escrito há algum tempo em meu blog.
Por outro lado, como eu estarei longe nos próximos dois domingos, muito provavelmente a Parte 2 sobre Jon Snow vai ficar para o dia 29/03.
--------------------------------------------------------

Paralelos e presságios: Aegon V e Jon Snow

Este artigo foi elaborado com base no excelente texto Hidden Dragons: Parallels between Aegon V and Jon Snow de autoria da usuária dornishdame, do fórum do site Westeros.org.
Tudo aqui pressupõe que Jon Snow é filho de Rhaegar e Lyanna.
(Legendas: GRRM = o autor, George R. R. Martin; DC = Depois da Conquista de Aegon)
Egg (Aegon V) e Jon Snow são trisavô e trineto e nunca se conheceram, pois Egg morreu em Solarestival em 259 DC enquanto o pai de Jon (Rhaegar) nascia. Ocorre, porém, que suas histórias são tão semelhantes que poderiam ser contadas em paralelo.
Dessa forma, analisarei a seguir essas semelhanças e demonstrarei que por meio delas somos capazes de confabular sobre o futuro dos contos de Dunk & Egg. E já que GRRM mencionou que ainda podem vir até mais nove histórias dessas, um pouco de reflexão premonitória pode vir a calhar.
1. Criação e juventude
Aegon era o quarto filho de Maekar I, que por sua vez também era o quarto filho do Rei Daeron II, e passou sua infância em palácios reais como um improvável herdeiro ao trono, enquanto que Jon foi criado em Winterfell como filho bastardo de Eddard, fazendo parte de sua família apenas informalmente, sem nenhuma perspectiva de entrar legalmente para a linha hereditária dos Stark.
Contudo, ainda que por razões distintas, a ambos a ocultação da identidade é um tema comum – com a pequena diferença de que Aegon V, ao contrário de Jon, sabia quem era desde que nasceu e havia vivido de acordo com sua posição social a maior parte da vida (uma questão que, no que se refere a Jon, ainda permanece em aberto).
Aegon se disfarça de Egg, um simples escudeiro de um reles cavaleiro andante, para poder viajar incógnito por Westeros e poder amadurecer em contato com pessoas comuns que o tratam como se ele fosse apenas um deles. O amadurecimento de Jon também acontece em razão das pessoas não o enxergarem como alguém de importância, mas ele, ao contrário de Aegon, é absolutamente ignorante de suas origens. E a farsa de seu parentesco não só o condiciona a encarar Eddard como seu modelo parental (ao invés de Rhaegar), como também afeta as expectativas que os outros têm dele, em razão de ser um descendente de Ned.
De todo modo, tanto Egg quanto Jon cresceram sabendo que eram figuras pouco importantes nas cortes que habitavam, e talvez em razão de disso sejam ambos marcadamente observadores. Deveras, logo em seu primeiro capítulo em “A Guerra dos Tronos”, Jon demonstra habilidade para decodificar as cortesias vazias de Eddard e Cersei e vaticina “um bastardo tinha de aprender a reparar nas coisas, a ler a verdade que as pessoas escondiam por trás dos olhos“. Egg, por sua vez, rapidamente percebe que há algo errado no Torneio de Alvasparedes em “O Cavaleiro Misterioso” e desvenda antes de Sor Duncan que o evento é apenas um palco para uma rebelião Blackfyre.
No entanto, essa natureza observadora com costume cede à miopia inerente à juventude. Por essa razão que há um paralelo entre a afirmação de Egg no sentido de que preferiria ser um cavaleiro da Guarda Real do que se casar com uma garota com a também irrefletida afirmação de Jon de que não se arrependeria de não ter tido uma mulher antes de entrar para a Patrulha da Noite.
Ainda assim, nenhum dos dois é imune às próprias aspirações e são impulsionados pelo desejo de crescer em importância, apesar de que não sem uma boa dose de esnobismo. De fato, Egg repetidamente sugere a Dunk para usarem a “bota” (onde se esconde o anel com o brasão de seu pai) e deixarem que o nome de sua família facilite seu caminho, assim como Jon acha que os laços familiares com Benjen serão sua porta de entrada para as patrulhas de seu tio logo que chega a Castelo Negro.

Brasão de armas pessoal de Maekar. A \"bota\" de Egg.
O sentimento de superioridade e prerrogativa, decorrente da crença de que seu sangue deveria ser suficiente para conseguir o que querem, é um reflexo comum a Egg e Jon quando se trata do primeiro contato com pessoas que não desfrutaram das mesmas vantagens que eles.
De fato, a princípio Aegon fica horrorizado quando é requisitado a servir os aprendizes em “A Espada Juramentada”, e Jon inicialmente se acha melhor do que os recrutas com quem ele treina em “A Guerra dos Tronos”. Porém, lá estavam Sor Duncan, o Alto, e Donal Noye, respectivamente, para lhes relembrar das vantagens advindas da criação de um membro da nobreza. Felizmente, tanto Egg quanto Jon são rápidos em absorver essa lição: Aegon fala da troca de conhecimento com os plebeus, e Jon faz as pazes com seus novos irmãos, oferecendo-se para ajudá-los a treinar.
2. Em posição de comando
Meistre Aemon, o único Targaryen que conheceu bem os dois homem, sem mesmo saber que Jon era parente dele e de Aegon, os conectou por meio de um conselho: “mate o menino e deixe o homem nascer”. Aemon deu este conselho a ambos antes de deixá-los (primeiro de Vilavelha para a Muralha, depois da Muralha para Vilavelha). e sabemos que ao menos Jon foi marcado por ele.
O modo como Aegon e Jon são alçados ao poder também os une. Aegon foi aclamado rei em um Grande Conselho e Jon foi eleito Lorde Comandante por seus irmãos juramentados. Eles foram escolhidos para a liderança, mesmo diante da existência de outros candidatos mais velhos. Isso não quer dizer que nenhum dos homens possuísse habilidades de liderança (claramente não possuíam), mas simplesmente que o papel que assumiram não era aquele que a princípio acreditavam que assumiriam.
Com efeito, enquanto que a possibilidade de Egg assumir o trono somente surgiu diante da recusa de seu irmão mais velho, Aemon, tudo que Jon tencionava em “A Guerra dos Tronos” ao se juntar à Patrulha da Noite era se tornar um patrulheiro. A ideia de chegar a Lorde Comandante nunca ocorreu a Jon até Sam sugerir que essa seria a razão pela qual Jeor Mormont o escolheu para ser seu intendente.
Como governantes, nenhum dos dois favoreceu a hipocrisia, pois ambos sabiam que não deveriam esperar daqueles por quem eram responsáveis algo que nem mesmo eles conseguiram fazer. Assim, por ter se casado por amor, Aegon permitiu que seus filhos seguissem seus corações e rompessem os compromissos que ele havia arranjado, sem renegá-los por isso (salvo a remoção do Príncipe das Libélulas da ordem de sucessão).
Por outro lado, por não ter mantido seu voto de celibato, Jon reconhece em “A Dança dos Dragões” que não poderá exigir o mesmo de seus irmãos juramentados e entrevê o perigo que a Torre de Hardin (onde as esposas de lança selvagens estão estabelecidas) representa em Castelo Negro.
Assim, ambos podem ser considerados líderes conscientes das fraquezas humanas, próprias e alheias, especialmente no que diz respeito à família, haja vista que Jon comete atos impensados na tentativa de resgatar a garota que ele acredita ser Arya, e que Aegon, apesar de ter punido um dos filhos, não tentou desfazer seu relacionamento ou o exilou da Corte.
O reinado político de Aegon foi caracterizado por reformas que favoreciam os comuns ao invés dos grandes senhores de Westeros, razão pela qual esses atos foram objeto de controvérsia e resultaram na perda de apoio do Rei, o que, no fim, lhe impediu de implementar as verdadeiras mudanças que tanto desejava.
Da mesma forma, o mandato de Jon Snow como Lorde Comandante da Patrulha da Noite está repleto de conflitos conforme ele tenta instituir políticas controversas que acabam dividindo a organização que ele lidera. Suas decisões de permitir que os selvagens passem pela Muralha e de nomear Couros para Mestre de Armas são recebidas com horror por parte da classe de oficiais.
Um paralelo também pode ser feito aqui. Jon e Aegon foram educados em ambientes de contraposição aos interesses dos Selvagens e Plebeus, respectivamente. E, no entanto, o tempo em que Aegon passou como escudeiro para um Cavaleiro Andante e o tempo de Jon como agente disfarçado nas terras além da Muralha, serviram para que ambos respeitassem e valorizassem esses grupos e passassem a vê-los como pessoas que merecem proteção. E esse respeito é escarnecidos e usado contra eles, pois, mais de uma vez, Aegon é dito “meio camponês” e Jon “meio selvagem”.
Mesmo em situações de maior apelo humanitário, em que suas ações são baseadas na lógica fria, a crítica não cessa. Aegon é criticado quando, durante um longo e duro inverno, envia suprimentos vitais para o norte a fim de ajudar os plebeus daquela região a sobreviver. Jon tem que lidar com o ressentimento dos irmãos da Patrulha da Noite por cada pedaço de comida que ele manda entregar aos selvagens, especialmente por parte de Bowen Marsh.
Porém, essas experiências de inserção na realidade do outro são tão transformadoras para Egg e Jon que fazem florescer neles a tendência de avaliar as pessoas por seus méritos e não por nascimento. De fato, isso leva Aegon a ascender um simples cavaleiro andante a Lorde Comandante da Guarda Real (Sor Duncan, o Alto) e Jon escolhe assistentes com base em sua habilidade e potencial, e não em seu nascimento (Gigante e Cetim).
E essa deferência coloca Aegon e Jon sob o fogo de seus adversários políticos, ainda mais quando ambos os homens demonstram tanto inabilidade para lidar com eles quanto tendência a deixar velhas queixas se acumularem às novas. Por exemplo, Jon não levou Chett em conta quando designou Sam para a posição de intendente do Meistre Aemon; bem como ignorou a erosão da boa vontade de seus homens conforme dirigia políticas em benefício dos Selvagens. Os senhores de Westeros tentaram convencer Aemon a renunciar seus votos como meistre para não permitir que Aegon assumisse como Rei, mas Aegon não fez nada para aplacar tais homens quando subiu ao trono.
3. Presságios
Existem, portanto, paralelos claros entre Aegon V Targaryen e Jon Snow em termos de tema, personalidade e caráter, apesar de que não sabemos que papel essas semelhanças irão desempenhar na trama. Dornishdame pondera que eles poderiam ser apenas mais uma indicação da herança paterna de Jon, ou chegar ao ponto de prenunciar seu reinado como um rei muito improvável.
Contudo, enquanto que todos os paralelos analisados versam sobre fatos que acompanhamos em primeira mão nos capítulos de Jon, os eventos ocorridos com Egg são, em sua maioria, retirados de relatos históricos, e não provenientes dos contos de Dunk e Egg.
Com isso quero afirmar que os paralelos analisados provavelmente pouco nos ajudarão a entender o futuro da história de Jon em “Os Ventos do Inverno” ou “Um Sonho de Primavera”. Porém, talvez sejam bastante úteis para entender o que aconteceu durante o reinado de Aegon V e, especialmente, o que levou à tragédia em Solarestival.
Com efeito, são os problemas causados por suas reformas e pelos noivados rompidos que levam Aegon a ponderar que as coisas seriam diferentes se tivesse Dragões. Essas reflexões acabariam contribuindo para a tragédia de Solarestival, na qual Aegon tentava fazer eclodir dragões dos ovos de pedra que a família Targaryen ainda possuía.
Jon Snow foi morto por quebrar novamente seus votos, estar se isolando em Castelo Negro e por se envolver no sequestro da nora do novo Protetor do Norte (o qual é uma importante fonte de apoio para a Patrulha da Noite). Jon, portanto, esvaziou-se de aliados ao sul da Muralha e deu azo ao surgimento de um motim.
Este comportamento espelha tanto aquele adotado por Aegon V em decorrência de suas reformas e das decisões conjugais de seus filhos que parece haver aqui outro paralelo: de que a tragédia de Solarestival não foi um acidente, mas fruto de uma conspiração.
Os príncipes e princesas reais estavam prometidos a Tully (Celia), Baratheon (desconhecida), Tyrrel (Luthor) e Redwyne (Olenna) e ainda que os Baratheons tenham ficado com Rhaelle, isso só ocorreu depois de uma curta rebelião da Casa, que terminou com a morte de Lorde Lyonel (autoproclamado Rei da Tempestade durante a Rebelião) pelas mãos de Sor Duncan, em um julgamento por combate.
Dessa forma, podemos imaginar que todos esses eventos devem ter lançado as sementes para que fosse criada uma aliança informal entre diversas das maiores Casas de Westeros, que culminou no plano para se livrar de Aegon e seus parentes com apenas um golpe.
Mas para saber mais sobre isso teremos que, como GRRM gosta de dizer, “continuar lendo” (keep reading, em inglês).
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.02.13 15:46 shakadevirgem Proposta de reforma com IVA Dual sai neste mês, afirma Guedes

Após reunião com secretários, ministro afirma que projeto será ‘acoplável’ a sugestão dos Estados
O governo pretende enviar ao Congresso, em duas semanas, a primeira parte de sua proposta de reforma tributária, propondo o Imposto sobre Valor Agregado (IVA) Dual. Foi o que disse ontem o ministro da Economia, Paulo Guedes, após sua primeira reunião com secretários estaduais de Fazenda para discutir o tema. “Está indo super bem”, afirmou o ministro. “Estamos mandando um IVA Dual.” Ele comentou que os secretários têm uma proposta própria. “Vamos mandar a nossa, mas acoplável.” Após o envio do plano do IVA, em duas semanas, serão propostas alterações no PIS e Cofins. “Vai andar tudo direitinho”, afirmou. Na linha contrária, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, defendeu a reforma do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em dois ou três anos. “Defendo tratar agora só a dos impostos federais, a reforma tributária”, disse, pouco antes de acertar sua saída do cargo. “Daqui a dois ou três anos, fazemos uma reforma do ICMS.” Minutos antes em falar no envio de uma proposta própria, Guedes havia discutido uma estratégia diferente com os secretários estaduais. A ideia era aproximar as propostas do governo federal e dos Estados para, eventualmente, chegar a um texto consensual. “O governo federal avançou muito”, afirmou o secretário de Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha da Cruz, ao sair da reunião com o ministro. O principal deles foi a sugestão para que União e Estados compartilharem as bases de tributação de IPI, PIS, Cofins e ICMS. Todos seriam tributados pelas duas esferas de governo, mas haveria um IVA dos Estados e outro da União - o IVA Dual. A reunião em si já foi um avanço, avaliou o secretário. Ele comentou que, quando a Receita era comandada por Marcos Cintra, havia uma clara separação entre as propostas. Ontem, Guedes abriu um canal de diálogo e prometeu reunir-se novamente a cada 30 dias. Foi também criado um grupo técnico de trabalho, com representantes de Estados e da União, para debater a proposta. Guedes ainda concordou com os Estados sobre a importância de se criar um mecanismo para evitar perda de receitas por unidades da federação. E ficou de avaliar a criação de um Fundo de Desenvolvimento Regional. Não ficou claro aos secretários se o governo enviará uma proposta formal própria ou se serão sugestões a serem entregues ao relator da reforma tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Na conversa com os secretários, o ministro avaliou que o ideal seria reunir todos os tributos sobre o consumo em um só, como prevê a proposta elaborada pelos Estados e já entregue ao Congresso Nacional. No entanto, o mais rápido seria reunir só os tributos de União e Estados num primeiro momento e só depois agregar os municípios, que ainda resistem à reforma. Nesse ponto, houve discordância. “Fizemos um apelo no sentido de se juntar tudo”, disse Rafael Fonteles, presidente do Comitê dos Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz) e secretário de Fazenda do Piauí. “Manifestamos a importância de fazer todos os impostos de consumo juntos, porque isso vai proporcionar uma real simplificação e destravar investimentos.” Os Estados vão discutir com o governo federal, mas isso não significa que abandonarão sua proposta. O texto conta com o apoio unânime das 27 unidades da federação, o que é um fato inédito na história das tentativas de reformar o sistema tributário. Na noite de terça-feira, os 27 secretários estaduais de Fazenda jantaram com Aguinaldo Ribeiro. O deputado disse a eles que a proposta tem boa receptividade no Congresso. E avaliou ser possível aprovar a reforma até julho. Segundo Cruz, que coordena um grupo de secretários que discute reforma tributária, a proposta da Câmara “não roda” sem alguns aprimoramentos que constam da proposta dos Estados. Por exemplo, a criação de um fundo de desenvolvimento regional, a reposição de perdas arrecadatórias decorrentes da mudança e um tratamento diferenciado à Zona Franca de Manaus. A PEC 45 é eminentemente técnica, ao passo que a proposta dos Estados é a visão de quem opera o ICMS no dia a dia, comentou. A proposta dos Estados junta todos os tributos sobre o consumo e depois reparte a arrecadação entre os entes. Os critérios são estabelecidos por um comitê gestor que, pelo texto, não contempla um representante do governo federal. Isso poderá ser alterado, disse Cruz, com a evolução das discussões com o Ministério da Economia. “Eu não diria que o governo federal chegou atrasado. Diria que chegou.”
submitted by shakadevirgem to brasilivre [link] [comments]


2020.01.08 04:02 April_March Discussão: Faísca S2E01

Olá, humanoides. Faz um tempo, quando o u/IcaroBP falou da ideia dele de criar um grupo de discussão de contos brasileiros fantásticos gratuitos (o que acabou virando o Serial Readers: https://t.me/joinchat/Kx9-xxa0dIF-p_fzxCwTAQ) eu pensei que seria uma ideia legal ter um grupo para discutir contos que são lançados de forma periódica ou semi-periódica, como a Faísca, Mafagafo, Trasgo, A Taverna, etc. Eu ia criar esse grupo, mas depois pensei que não seria a melhor ideia. Um grupo teria muito tempo ocioso, e se dois veículos publicassem perto um do outro, ia cruzar a linha. (Além disso, não quis roubar o holofote do Ícaro.) Por outro lado, um tópico de discussão aqui neste subreddit parece algo bem mais adequado. Um tópico vai concentrar as discussões, sem que elas precisem ser síncronas. Qualquer pessoa no futuro pode ver a conversa e se juntar a ela, mas ainda tem um certo estímulo a ler os contos assim que saiam, quando haverá mais discussão. E quando a conversa morrer, morrerá com dignidade.
Ontem começou uma temporada nova da Faísca, então achei que seria um momento propício.
Bom, então vamos falar sobre a Faísca, Temporada 2, Episódio 1. Dá pra ser lida aqui: https://mailchi.mp/f592f1eb1170/faiscat2e01?e=1745fd9c58. Assine a Faísca aqui: http://eepurl.com/ghH89v.
Spoilers liberadíssimos.
Gostei muito dos dois contos desse episódio.
O conto da Isadora, "Treze conselhos que só funcionam na estrada", é bem o tipo de coisa que eu gosto. Uma vibe bastante SCP Foundation. Deixa mais pra imaginação do que fica explicando o inexplicável. Não teve um conselho lá que não me fez pensar UAU. Realmente, a Faísca começou forte.
O segundo conto, do Diogo, "Amo Você", eu já conhecia, porque ele betou no grupo do Mafagafo. Gostei bastante quando betei e gostei bastante agora. A construção de mundo através dos olhos do personagem é muito bem feita. Uma coisa que achei legal é que ele não é nem um apocalipse terrível e desesperançoso em que todos comem criancinhas nem um futuro de unicórnios em que todos os problemas vão embora. A situação é terrível, e vários sofrem (inclusive o protagonista), mas há esperança para uma solução. Usar a ótica pessoal para mostrar o político também é uma coisa que me atrai muito, e que muita ficção científica esquece de fazer.
É isto. O que vocês acharam?
submitted by April_March to litfanbr [link] [comments]


2020.01.04 03:14 altovaliriano O Leão na teia da Aranha

Texto original: https://warsandpoliticsoficeandfire.wordpress.com/2016/02/05/heirs-in-the-shadows-the-young-lion/
Autores: GoodQueenAly; @BryndenBFish
Título original: Heirs in the Shadows - The Young Lion

Introdução

Tyrek Lannister pode ser considerado pelos leitores pouco mais que um personagem terciário em As Crônicas de Gelo e Fogo. A avaliação não é irracional: nem mesmo mencionado pelo nome no primeiro livro, aparecendo apenas duas vezes antes de seu misterioso desaparecimento na revolta violenta em Porto Real em A Fúria dos Reis , o jovem Tyrek merece pouco mais do que uma nota de rodapé entre seus parentes Lannister mais proeminentes, muito menos no grande elenco de personagens. Caso notado, ele pode ser lembrado apenas como uma vítima, no mesmo plano que seu primo Willem: um infeliz peão das ambições dinásticas de Lannister, um inocente assassinado pelo povo revoltado da capital.
No entanto, Tyrek desapareceu tão completamente - e tão misteriosamente - que, afinal, seu "simples" desaparecimento pode não ser tão simples. Em vez de ser um dos muitos corpos retirados das ruas nos dias e semanas após o tumulto, Tyrek pode estar vivo e bem (ou pelo menos relativamente bem). Ainda mais, Tyrek pode estar esperando para fazer um reaparecimento dramático em Westeros, enquanto é instruído e preparado por um improvável "aliado". Quem iria querer o jovem primo Lannister e o que poderia estar reservado para ele no futuro?
[...]

Apresentando o Peão

Tyrek Lannister nasceu por volta de 286 dC, o único filho de Sor Tygett Lannister e sua esposa Darlessa Marbrand. Sor Tygett era o terceiro filho de Lorde Tytos Lannister, um irmão mais novo do futuro Lorde Tywin e Sor Kevan. Como os dois irmãos mais velhos de Tygett se casaram e tiveram filhos antes do nascimento de Tyrek, não houve grande pressão sobre esse terceiro filho para se casar e procriar também (embora ainda não saibamos quando Tygett e Darlessa se casaram).
Em uma família mais pobre, Tygett poderia ter sido levado para a Muralha, a Fé ou a Cidadela para reduzir os estoques familiares, mas os Lannisters eram ricos o suficiente para sustentar as famílias dos filhos mais novos. Tygett também não teve que abaixar os olhos para encontrar sua noiva: Darlessa era uma Marbrand, uma casa vassala respeitável dos Lannisters (e parente da mãe de Tygett, Jeyne Marbrand).
Na época em que o bebê Tyrek nasceu, ele era possivelmente o nono na fila de Casterly Rock (dependendo se seus primos Martyn e Willem Lannister e Joffrey Baratheon já haviam nascido e se o pai de Tyrek já havia morrido). Ainda que outros pretendentes tenham enfrentado probabilidades menores (Aegon V pode ter sido o décimo primeiro na fila no momento de seu nascimento), a possibilidade de um recém nascido sentar-se no assento dos Reis do Rochedo parecia muito improvável.
Ainda assim, o jovem Tyrek não teve nenhuma sorte. Como Lannister (e especialmente Lannister do Rochedo), neto da linha masculina de Lorde Tytos, Tyrek nunca teria falta de dinheiro ou influência. De fato, sendo a rainha uma Lannister (e havendo um herdeiro “meio”-Lannister da idade de Tyrek), carregar o nome de "Lannister" faria com que até um membro da família de status relativamente baixo como Tyrek ganhasse importância.
Seu pai, Tygett, recebeu alguns elogios durante a Guerra dos Reis Ninepenny: embora muito jovem - possivelmente até mais jovem do que Tyrek quando desapareceu - Tygett matou um homem em sua primeira batalha e depois matou um cavaleiro da Companhia Dourada. Portanto, Tyrek descendia de uma safra de boa qualidade das Terras Ocidentais e, pelo menos, poderia ter esperado se casar com uma donzela nascida nas Terras Ocidentais quando tivesse mais idade.
A rainha Cersei, no entanto, tentaria elevar seu jovem primo Lannister ainda mais do que ele poderia ter imaginado:
Não conseguiu deixar de reparar nos dois escudeiros: rapazes bonitos, loiros e bem constituídos. Um tinha a idade de Sansa, com longos cachos dourados; o outro teria talvez uns quinze anos, cabelos cor de areia, um fio de bigode e os olhos verdeesmeralda da rainha.
– Aqueles rapazes – Ned lhe perguntou– são Lannister?
Robert assentiu, limpando as lágrimas dos olhos.
– Primos. Filhos do irmão de Lorde Tywin. Um dos mortos. Ou talvez o vivo, agora que penso nisso. Não me lembro. Minha esposa vem de uma família muito grande, Ned.
Uma família muito ambiciosa, Ned pensou. (AGOT, Eddard VII)
Ned foi perspicaz em sua conclusão: a rainha Lannister teve bastante iniciativa no aprofundamento das relações dos Lannister na corte (uma característica que mais tarde ela criticaria na noiva de seus filhos, Margaery Tyrell). Consequentemente, Cersei convenceu o rei Robert a nomear o jovem Tyrek seu escudeiro, junto com o primo de ambos, Lancel (o filho mais velho de Kevan Lannister).
Não se sabe quando Tyrek começou a servir o rei, embora provavelmente não tenha sido mais de alguns anos (se muito) antes do início de A Guerra dos Tronos. Para efeito de comparação, os dois Walders em Winterfell começaram a servir Ramsay Bolton por volta dos oito ou nove e Edric Dayne a Beric Dondarrion aos dez. Assim, Tyrek deveria estar com Robert há cerca de três anos antes da morte do rei, no máximo.
Quanto mais alto o cavaleiro ou senhor, maior seria a honra de ser escudeiro (a razão pela qual, entre outras concessões, Walder Frey exigiu que seu filho Olyvar se tornasse escudeiro do então Lorde Robb Stark), e nenhuma honra maior poderia ser concedida a um menino Westerosi que ser escudeiro do próprio rei.
A nomeação como escudeiro do rei poderia ser o começo de uma carreira na corte para Tyrek, semelhante ao começo cortês do tio Tywin como um pagem para Aegon V. O príncipe Rhaegar, afinal, transformou seus escudeiros, Myles Mooton e Richard Lonmouth, em firmes aliados e amigos. Se Tyrek provasse ser um espadachim tão talentoso quanto seu pai, poderia se tornar o mestre de armas da Fortaleza Vermelha (uma posição que Tywin realmente tentou, mas falhou, em garantir para Tygett). Com um primo na Guarda Real, uma capa branca poderia até estar no futuro de Tyrek (de fato, uma colocação na Guarda Real poderia ter servido para remover cuidadosamente um excesso de Lannisters do Rochedo). Dyanne Dayne pode ter assegurado um casamento real devido à sua nomeação para a corte da rainha Mariah Martell. Um noivado com a princesa Myrcella provavelmente era impossível para um mero primo Lannister, mas na corte Tyrek não careceria de conexões poderosas - enquanto os Lannister permanecerem no poder.
No entanto, também pode ter havido um lado mais sombrio em Tyrek ter se tornado escurdeiro - um não explorado nos livros, mas que, no entanto, é importante considerar à luz do possível papel de Tyrek no futuro. Espera-se que escudeiros sigam seus cavaleiros em todos os lugares, e o exemplo de Justin Massey demonstra que Robert poderia levar seus escudeiros a lugares estranhos:
Massey quer a princesa selvagem também. Ele certa vez serviu meu irmão Robert como escudeiro e adquiriu o seu apetite por carne feminina. (ADWD, Jon IV)
Esse "apetite por carne feminina" quase certamente incluía os bordéis de Porto Real que Robert visitava com alguma frequência. Tyrek era um pouco jovem demais para participar da maneira que Stannis disse que Justin Massey fazia (ou mesmo da maneira que Lancel poderia ter feito, se incentivado por Robert), mas ele não teria que passar tempo com nenhuma prostituta para observar algo muito mais perigoso que os adúlterios do rei.
Os leitores sabem que Robert tinha pelo menos um bastardo de uma prostituta de Porto Real: a bebê Barra, nascido de uma jovem prostituta de Chataya. A bebê, como todos os bastardos conhecidos de Robert, tinha o cabelo preto de seus antecedentes Baratheon - um fato que Mindinho não deixou de notar, o fez levar Eddard para ver a bebê e revelar a conspiração incestuosa dos Lannister.
Certamente, seria demais supor que Tyrek, um garoto de 12 anos, tivesse descoberto que os verdadeiros filhos bastardos de Robert tinham aparência de Baratheon, e que seus primos em primeiro grau eram, na verdade, bastardos nascidos do incesto de Lannisters. No entanto, Tyrek talvez tenha visto demais, mesmo que ele próprio não tivesse juntado as peças do quebra-cabeça. O escudeiro mais jovem do rei provavelmente viu em primeira mão os filhos bastardos de cabelos pretos do rei (com nove bastardos não registrados do rei, parece provável que pelo menos um outro além de Barra e Gendry tenha nascido onde o rei passava a maior parte do tempo: a capital) e, presumivelmente, era amigo de confiança e companheiro dos filhos de aparência Lannister da rainha. Se esse conhecimento fosse posto a disposição de um indivíduo mais ardiloso do que o inocente Tyrek, o garoto poderia se tornar uma testemunha útil na derrubada do regime de Baratheon-Lannister.
No entanto, Tyrek não precisaria servir Robert como escudeiro (ou segui-lo em suas aventuras lascivas) por muito tempo. Em 298 dC, Robert morreu – aparentemente de um acidente de caça, mas de fato por um meio-assassinato criado por Cersei para impedir a descoberta de seu incesto. O veículo que ela usou foi o primo de Tyrek e também escudeiro, Lancel Lannister.
Aparentemente, Tyrek não acompanhou o rei em sua última caçada, mas ele pode ter ouvido trechos da trama via Lancel. Seu status duplamente íntimo - como primo em primeiro grau e companheiro escudeiro (os dois parecem ter sido os únicos escudeiros de Robert no momento de sua morte) - dão a Tyrek maior potencial de conhecer os fatos por trás do assassinato de Robert - fatos que também serviriam para derrubar Linha real de Cersei.
Naquele momento, Tyrek era simplesmente um antigo escudeiro real, então alocado na corte de Joffrey sem qualquer objetivo maior. Os eventos, no entanto, logo perturbariam a existência relativamente pacífica de Tyrek e o empurrariam para uma tempestade de caos político - e ambição secreta.

Um Desaparecimento Estranho

Para acrescentar a todo o mistério que cerca seu desaparecimento, em A Fúria dos Reis, Tyrek é visto apenas uma vez:
Lorde Gyles tossia, enquanto o pobre primo Tyrek vestia sua capa de noivo de pele de esquilo e veludo. Desde seu casamento com a pequena Senhora Ermesande, três dias antes, os outros escudeiros tinham começado a chamá-lo de “Ama de Leite”, perguntando-lhe que tipo de cueiros sua noiva usara na noite de núpcias. (ACOK, Tyrion VI)
Longe de ser a noiva filha de um glamuroso cortesão que Tyrek esperava que sua posição de corte lhe desse - ou mesmo da donzela das Terras Ocidentais que ele poderia ter antecipado em circunstâncias normais - o "primo pobre" de Tyrion fora casado com Ermesande Hayford. Dinasticamente, a combinação foi agradável: a Casa Hayford era uma respeitável dinastia das Terras da Coroa, com pelo menos uma casa de cavaleiros juramentada. Sua atual dama, Ermesande, era a última de sua linhagem, o que significa que as terras e rendas de Hayford seriam graciosamente transferidas para os Lannisters.
Infelizmente para Tyrek, Ermesande também era um bebê. O novo lorde de Hayford teria que esperar até os vinte e poucos anos para contemplar a consumação de seu casamento. No entanto, se era pessoalmente humilhante ser casado com uma garota ainda não desmamada, Tyrek não tinha instância para reclamar. Ele, como todos os seus contatos Lannister, era um peão em um grande jogo de política dinástica e se casaria na forma que pudesse trazer maior vantagem à Casa Lannister.
Tyrek, no entanto, não viu sua noiva infantil amadurecer. Em 299 dC, Tyrion arranjou o casamento da prima de Tyrek, Myrcella, com o príncipe Trystane Martell, de Dorne. A corte fez um evento para acompanhar Myrcella até as docas para vê-la partir para Lançassolar, e Tyrek - como primo da princesa e também representante dos interesses de Lannister - juntou-se à família real, cortesãos, guardas reais e até o Alto Septão na procissão. Um homem na corte, no entanto, estava visivelmente ausente: o mestre dos sussurros, Varys.
A cidade estava em um clima nefasto. A Guerra dos Cinco Reis havia isolado a Capital dos tradicionais celeiros de Westeros. Com as Terras Fluviais em chamas e a Campinas firmemente apoiando de Renly Baratheon no ínico, Porto Real teve que confiar em Rosby e Stokeworth para trazer suprimentos, e as restrições resultaram em fome entre as classes mais pobres da cidade. O que o jovem rei Joffrey não possuía em charme e tato político, mais do que compensava em crueldade. Tyrion, sua Mão, foi responsabilizado pela má sorte após a morte de Robert, odiado por sua retaliação contra Janos Slynt e Pycelle e por seus seguidores mercenários e selvagens. Rumores sobre o incesto dos Lannister e a corrupção real em geral já haviam se espalhado pelas ruas; o ar saturado precisava apenas da faísca certa para explodir.
Quando explodiu, a fúria foi horrível de se ver. Sor Aron Santagar, o mestre de armas da Fortaleza Vermelha, foi espancado até a morte por quatro homens, enquanto Sor Preston Greenfield, da Guarda Real, foi retalhado e esfaqueado tão brutalmente que sua armadura branca ficou manchada de vermelho e marrom. O Alto Septão fora arrancado de sua liteira e despedaçado por membros da multidão, e a Senhora Lollys Stokeworth fora estuprada nas ruas por vários homens. Nove Mantos Dourado foram mortos pela multidão, enquanto mais 40 da Patrulha da Cidade foram feridos nos combates; o número de plebeus mortos não foi registrado, mas provavelmente foi muito maior.
Não foi registrado entre os mortos, porém, o jovem Tyrek Lannister. Presumivelmente, "Ama de Leite" estava na "longa comitiva de outros cortesãos" atrás da liteira do Alto Septão, formada no final da procissão real. Esse posicionamento explicaria por que foi Horas Redwyne, também naquele grupo, quem informou que Tyrek não havia retornado. Tyrion, assumindo o comando logo após o tumulto, ordenou a Jacelyn Bywater, seu novo Comandante da Patrulha da Cidade, que encontrasse seu primo desaparecido:
Tyrek continuava desaparecido, tal como a coroa de cristais do Alto Septão. Nove homens de manto dourado tinham sido mortos, e havia quarenta feridos. Ninguém se incomodara em contar quantos haviam morrido entre a multidão.
– Quero Tyrek, vivo ou morto – Tyrion disse secamente quando Bywater se calou. – Ele não passa de um garoto. Filho do meu falecido tio Tygett. O pai sempre foi bom para mim. (ACOK, Tyrion IX)
Com a confusão e o caos do tumulto, não surpreende que Tyrek Lannister tenha se perdido. Sua aparência óbvia de Lannister e sua associação com a família real pode ter tornado Tyrek um alvo fácil para os manifestantes. Se ele fosse tratado com tanta brutalidade quanto Sor Preston ou Sor Aron, seu corpo poderia nunca ter sido encontrado entre os muitos mortos.
No entanto, o que é insatisfatório nessa explicação simples é o foco que o desaparecimento de Tyrek é dado por vários livros, muito depois que os incêndios na Baixada das Pulgas foram extintos. Em três momentos distintos, Tyrek e o mistério de seu desaparecimento após o tumulto são expressamente mencionados, muito embora nenhum personagens presentes pareça ser capaz de determinar o destino do pobre escudeiro.
O primeiro momento ocorre durante A Tormenta de Espadas. Tyrion, tentando uma reunião com seu pai (a nova Mão), encontra Sor Addam Marbrand na escada. Um cavaleiro bastante talentoso e amigo de infância de Jaime Lannister, Addam havia sido nomeado o novo comandante da Patrulha da Cidade, mas sua primeira tarefa provou ser um fracasso:
– Você vem dos aposentos de meu pai? – perguntou.
– Venho. Temo não tê-lo deixado no melhor dos humores. Lorde Tywin acha que quatro mil e quatrocentos guardas são mais do que suficientes para encontrar um escudeiro perdido, mas seu primo Tyrek continua desaparecido.
Tyrek era filho do falecido tio Tygett, um rapaz de treze anos. Desaparecera no tumulto, não muito tempo depois de se casar com a Senhora Ermesande, um bebê de peito que calhava ser a última herdeira sobrevivente da Casa Hayford. E provavelmente a primeira noiva na história dos Sete Reinos a enviuvar antes de ser desmamada.
– Também não fui capaz de encontrá-lo – confessou Tyrion. (ASOS, Tyrion I)
Pode ou não ser verdade que Sor Addam enviou todos os quatro mil guardas da cidade à procura do jovem Tyrek, mas o tamanho de sua força-tarefa em potencial só fez com que o fracasso em encontrar essa relação Lannister fosse maior – e mais intrigante. Sor Addam é um comandante respeitado, mas ninguém na capital era capaz de revelar maiores informações sobre o paradeiro de Tyrek, ou mesmo mais detalhes sobre o que aconteceu com o escudeiro Lannister durante o tumulto - um fato tornado mais notável em face da autoridade emanada por Addam. Lorde Tywin Lannister manifestou sua intenção de encontrar seu sobrinho, porém nem mesmo a mágica de seu nome conseguiu extrair mais uma gota de informação daqueles que poderiam saber sobre Tyrek.
É verdade que, durante a rebelião de Robert, Jon Connington não conseguiu extrair informações do povo de Septo de Pedra: ele havia oferecido subornos e ameaçado com punições, mas as pessoas se recusavam a revelar onde Robert Baratheon estava escondido na cidade. No entanto, lorde Tywin tinha uma reputação muito mais pavorosa do que Lorde Jon.
]Tywin não tinha vergonha de anunciar sua brutal extinção dos Reynes e Tarbecks por seu desafio aos Lannisters; alguns dos portorrealenses podem até se lembrar do Saque no fim da rebelião de Robert, quando os homens de Tywin mataram crianças na rua e estupraram mulheres em suas casas. Se os portorrealenses mentissem agora e fossem flagrados na mentira mais tarde, a retribuição que Tywin traria sobre eles e seus vizinhos seria implacável.
Então, por que ninguém deu a menor dica sobre o que aconteceu com Tyrek? Não há rumor de que ele teria sido morto (embora Bronn considerasse essa como a opção mais provável); em vez disso, Tyrek parece ter simplesmente sumido.
Mais tarde, o próprio Tywin enfatizou seu desejo de encontrar o filho de seu irmão em uma reunião do pequeno conselho:
– Dragões e lulas-gigantes não me interessam, independentemente de quantas cabeças tenham – disse Lorde Tywin. – Seus informantes terão por acaso encontrado algum rastro do filho de meu irmão?
– Infelizmente, nosso bem-amado Tyrek desapareceu por completo, pobre e bravo rapaz. – Varys parecia perto de rebentar em lágrimas. (ASOS, Tyrion III)
Pode-se questionar por que Tywin procuraria informações de Varys. Se milhares de policiais não puderam extrair o paradeiro de Tyrek daqueles que testemunharam o caos do tumulto, a próxima fonte de informação era naturalmente Varys e sua extensa rede de espionagem. O mestre dos sussurros pode não ser tão onisciente quanto muitos acreditam que ele é, mas seu catálogo de informantes é vasto e suas habilidades na coleta de informações são bem afiadas e praticamente inigualáveis.
Os plebeus podem relutar em admitir a oficiais sob a autoridade de Lorde Tywin que viram Tyrek assassinado e seu corpo destruído ou despejado no Água Negra, mas declarações casuais feitas em ambientes mais informais podem ser facilmente captadas por um agente da Varys e entregues ao mestre de sussurros. Era assunto oficial da coroa desde imediatamente após o tumulto encontrar Tyrek Lannister; era, ostensivamente, a responsabilidade premente de Varys coletar qualquer informação sobre esse ponto.
No entanto, embora Varys ostensivamente não tenha recebido informações, sua conduta nessa cena deve ser analisada. Não foi a primeira vez que Varys exibiu teatralmente uma tristeza dramática diante de um Lannister. Em A Fúria dos Reis, Tyrion organizou a prisão de Janos Slynt e seu exílio na Muralha, muito embora Slynt tivesse se recusado a revelar quem o havia ordenado a perseguir os assassinatos do bebê Barra e sua mãe. Após a cena com Slynt, Tyrion teve a seguinte conversa com Varys:
– [...] Foi a minha irmã. Foi isso que o Ah... tão... leal Lorde Janos se recusou a dizer. Cersei enviou os homens de manto dourado àquele bordel.
Varys sufocou um riso nervoso. Então, ele sempre soubera.
– Não me havia contado essa parte – Tyrion disse, acusadoramente.
– A sua querida irmã – Varys respondeu, tão desgostoso que parecia perto das lágrimas. – É duro contar isso a um homem, senhor. Tive receio de como receberia a notícia. É capaz de me perdoar? (ACOK, Tyrion II)
Mais uma vez, Varys conhecia um segredo que a Mão Lannister não conhecia. Encurralado para revelar a verdade ou passar uma mentira plausível, Varys optou por lágrimas dramáticas para transmitir uma sensação de pesar real à situação em ambos os casos. Suas habilidades na pantomima não haviam desvanecido, apesar de seus anos fora da profissão: como um pantomimeiro perfeito, Varys estava utilizando uma distração em sua demonstração de tristeza para desviar as atenções do público das questões prementes reais apresentadas a ele.
O truque não funcionou em nenhum dos dois homens - Tyrion insistiu em maior transparência do mestre dos sussurros, e Tywin estava pronto para "expressar a sua óbvia insatisfação" antes de ser desviado por Kevan - mas o fato de Varys usar a mesma tática duas vezes, diante de público similar, pode sugerir que Varys está mais uma vez privando os Lannisters de um segredo e que ele sabe exatamente o que aconteceu com o jovem Tyrek.
A conversa de Marbrand com Tyrion, no entanto, não seria a última vez que o herdeiro de Cinzamarca comentaria o caso do desaparecimento de Tyrek. Ao partir da capital, Jaime Lannister levou seu amigo de infância consigo. Permanecendo como convidados em Hayford - o assento brevemente ocupado por Tyrek - Addam falou o seguinte sobre a situação:
– Eu mesmo liderei uma busca, por ordens de Lorde Tywin – interveio Addam Marbrand enquanto tirava as espinhas de seu peixe –, mas não descobri mais do que o Bywater antes de mim. O rapaz foi visto pela última vez a cavalo, quando a força da turba quebrou a formação de homens de manto dourado. Depois disso... Bem, sua montaria foi encontrada, mas o cavaleiro não. O mais provável é terem-no derrubado e matado. Mas, se foi assim, onde está o corpo? A multidão deixou os outros cadáveres no local, por que não o dele? (AFFC, Jaime III)
Addam Marbrand levanta um ponto importante. Os corpos de Santagar e Greenfield foram descobertos mais tarde - mutilados, quase a ponto de não serem reconhecidos, mas identificáveis ​​-, sendo que a multidão não faz nenhuma tentativa de descartar os dois, que eram obviamente funcionários da corte. Certamente, o castigo pelo assassinato de um Lannister, primo em primeiro grau do rei (assumindo que a multidão soubesse quem Tyrek era), seria terrível. No entanto, o assassinato alguém de nascimento nobre como Santagar, ou um cavaleiro da Guarda Real, provavelmente também levaria terríveis punições.
As multidões de tumultos estavam em um estado caótico, mais em busca de sangue do que em fazer cálculos frios sobre suas vítimas, e com Tyrek não teria sido diferente. Por que apenas o corpo de Tyrek seria descartado de maneira tão completa que não restava nenhum vestígio dele?
Lyle Crakehall, outro homem do oeste na companhia de Jaime, fez a seguinte observação:
– Ele teria sido mais valioso vivo – sugeriu Varrão Forte. – Qualquer Lannister traria um robusto resgate. (AFFC, Jaime III)
O pensamento, no entanto, foi rápida e efetivamente descartado por Marbrand:
– Sem dúvida – concordou Marbrand –, e no entanto nunca houve um pedido de resgate. O rapaz simplesmente desapareceu. (AFFC, Jaime III)
Mais uma vez, Marbrand foi direto ao cerne da questão. Bronn havia observado anteriormente a oferta de Varys de uma “bolsa gorda” pela devolução de Tyrek, e sem dúvida Marbrand também acreditava que o eunuco mestre de espionagem tornara pública a oferta. Havia muitas oportunidades para os portorrealenses ganharem dinheiro com o desaparecimento de Tyrek, mantendo-o como refém quando a revolta estourou ou, posteriormente, alegando conhecimento do destino de Tyrek (talvez colocando a culpa pelo assassinato em vizinhos detestados).
No entanto, não havia um pingo de informação que pudesse revelar o que aconteceu com o escudeiro Tyrek. Uma gorda bolsa Lannister raramente falhara em soltar línguas antes, mas mesmo assim os rumores do destino de Tyrek não puderam ser arrancados dos habitantes da Baixada das Pulgas.
No comentário de Marbrand, Jaime fez sua própria conclusão - que os portorrealenses, tendo matado Tyrek, jogaram seu corpo no rio por medo da ira de Tywin - mas isso é insatisfatório, mesmo para o próprio Jaime. Por um lado, Tywin não estava na capital na época do tumulto e não retornaria até a Batalha do Água Negra. Na verdade, os portorrealenses poderiam temer o retorno de Lorde Lannister, mas o corpo de Tyrek teria que ser destruído durante o tumulto (uma vez que Tyrion enviou uma equipe de busca para ele logo ao retornar à Fortaleza Vermelha), fazendo do medo de Tywin uma motivação improvável.
Aprofundando-se na questão, Jaime avaliou o que Tyrek poderia representar:
Mas, mais tarde, sozinho no quarto de torre que lhe fora oferecido para a noite, Jaime deu por si com dúvidas. Tyrek servira o Rei Robert como escudeiro, ao lado de Lancel. O conhecimento podia ser mais valioso do que o ouro, mais mortífero do que um punhal. Foi em Varys que pensou então, sorrindo e cheirando a lavanda. O eunuco tinha agentes e informantes por toda a cidade. Seria coisa simples arranjar as coisas de forma que Tyrek fosse capturado durante a confusão... desde que soubesse de antemão que era provável que a turba entrasse em tumulto. E Varys sabia de tudo, ou pelo menos era isso que gostava de nos fazer acreditar. Mas não deu nenhum aviso a Cersei sobre esse tumulto. Nem desceu aos navios para se despedir de Myrcella. (AFFC, Jaime III)
Pode parecer óbvio demais que o destino de Tyrek nos seja transmitido através dos pensamentos internos de Jaime. Jaime certamente tem todos os fatos sobre o Tyrek aqui, mas o importante a se notar é que Jaime falha em juntar as peças. Ele sabe que Tyrek era um escudeiro, sabe que Lancel também era escudeiro, sabe que Lancel efetuou o plano de assassinato de Cersei, sabe que Varys poderia ter arrebatado Tyrek - mas depois para de pensar no assunto.
O monólogo interno de Jaime pode ser comparado à chance de Arya ouvir a trama entre Varys e Illyrio nos porões da Fortaleza Vermelha em A Guerra dos Tronos. De certa forma, é muito coincidente e direto - os leitores conseguem obter um ponto de vista dos dois conspiradores astutos discutindo abertamente seus planos acerca dos Targaryens exilados - mas porque Arya é apenas uma criança, não uma ladina, seu relatório da conversa é confusa e gentilmente descartada por Eddard. Jaime pode adivinhar que Tyrek pode ser útil, mas o modo como Varys poderia usá-lo está além do desejo ou habilidade analíticos de Jaime.
A evidência não resulta em uma conclusão simples. Todos os membros desaparecidos da comitiva real haviam sido devolvidos à Fortaleza Vermelha ou tiveram seus corpos encontrados - exceto Tyrek. Uma busca realizada após o tumulto não conseguiu encontrar mais do que o palafrém de Tyrek. Uma enorme força-tarefa da Patrulha da Cidade não fez nada para dissipar o mistério em torno do desaparecimento do garoto. Varys, o especialista em espionagem, parece ter deliberadamente ocultado informações que recebeu sobre Tyrek. Para onde o garoto poderia ter ido?
Pode ser que Tyrek não tenha sido assassinado nas ruas da Baixada das Pulgas – mas que ele esteja, de fato, vivo e escondido, sob os cuidados de Varys.

O Leão na teia da Aranha

O fato de Varys ter usado o motim em Porto Real para seqüestrar o jovem Tyrek parece uma conclusão possível, até mesmo provável. É improvável que Varys tenha planejado todo o tumulto em Porto Real - as pessoas estavam com fome e raiva o suficiente para não necessitarem de preparação -, mas uma instigação sutil poderia levar os portorrealenses a se aglomerarem nos pontos desejados, dentro dos quais Varys ou seu agente na multidão poderiam arrebatar Tyrek e o colocar sob custódia da Aranha.
Se ele era de fato o mentor por trás do tumulto, Varys havia improvisado uma hábil pantomima. A mulher com a criança morta que interrompeu a procissão real fora colocada na curva de uma rua morro acima; a comitiva real não apenas se moveria devagar, mas o fim da comitiva ficaria fora de vista. É provável que a mulher e o homem que jogaram sujeira em Joffrey tenham sido plantados, colocada em posição de detonar o conhecido pavio curto de Joffrey.
A mulher que se encaixa no gosto de Varys pelo teatral; e o atirador de estrume também parece obra dele, uma vez que a sujeira foi jogada de cima de um telhado. Previsivelmente, Joffrey enviou seu "cão" para a multidão para mutilar as pessoas obedientemente e assim, como era de se eseperar, a multidão de pessoas famintas e espumando tomou a brutalidade de Sandor Clegane como incentivo para retaliar. Plantando cuidadosamente seus agentes, Varys poderia garantir que o tumulto começasse na frente do desfile real, permitindo que o rei de repente corresse perigo a fim de distrair o sequestro de Tyrek na parte de trás da procissão e antes da curva do Caminho Lamacento.
O que Varys iria querer com Tyrek? Primeiro, Tyrek tem uma forte direito de sangue a Rochedo Casterly. Embora esteja agora distante do lugar em que nasceu, Tyrek saltou algumas posições desde então. Lorde Tywin está morto, Jaime inelegível por conta de seu manto branco e Tyrion, um regicida condenado e um traidor, está há dois continentes de distância de seu assento ancestral. Cersei, a Dama de Casterly Rock, está esperando para ser julgada por incesto, adultério e regicídio; ela provavelmente terá sucesso no julgamento, mas seu domínio sobre a coroa permanece tênue. Depois de Cersei e seus filhos viria Kevan Lannister, mas Sor Kevan foi recentemente assassinado - por ninguém menos que o próprio Varys. O filho de Kevan, Lancel, se tornou religioso após a Batalha do Água Negra, renunciou ao assento em Darry para se juntar aos Filhos do Guerreiro, ao passo que Willem foi assassinado por Rickard Karstark; seu irmão gêmeo Martyn e o pequeno Janei permanecem vivos, embora o paradeiro deles seja desconhecido. O próximo reclamante seria o próprio Tyrek.
Varys precisa de um herdeiro Lannister, para estabelecer uma nova ordem política em Westeros. Por quase duas décadas, Varys e Illyrio criaram o jovem Aegon como o príncipe ideal, futuro Senhor dos Sete Reinos, um salvador glorioso para resgatar o reino do caos. A invasão estrangeira, no entanto, pode ser apenas uma parte dessa nova conquista de Aegon: qualquer conquistador bem-sucedido (especialmente um sem dragões) exige o apoio da nobreza local para não apenas derrotar seus inimigos, mas estabelecer um regime viável para o futuro.
Dorne parece preparado para apoiar o principezinho “Targaryen”: posando como filho de Elia Martell, Aegon parece pronto para incitar muitos dorneses, já inquietos, a agir contra a odiada dinastia Lannister. O próximo e ousado investimento de Aegon em Porto Real garantirá sua posição como conquistador das Terras da Tempestade, e pelo menos dois poderosos senhores da Cmapina - e um número incerto de "amigos" - parecem prontos para se juntar à sua causa.
Para o resto dos Sete Reinos, no entanto, Varys precisará formular um plano de ataque diplomático. Tyrek, um Lannister do Rochedo, um legítimo Lorde leão (assim que algumas peças forem arrancadas do tabuleiro), pode servir como um fantoche útil para ganhar as Terras Ocidentais para o futuro Aegon VI.
É claro que, para sentar o jovem Aegon no Trono dos Reis Dragão, Varys precisa derrubar o rei-criança Tommen (e se desfazer da princesa Myrcella). A hoste que o príncipe de Varys estava liderando nas Terras da Tempestade será um forte punho de aço para defender seu ponto de vista, mas Varys também precisa da luva de seda de embasamento legal para arrancar a coroa de Tommen de seus cachos dourados.
A tática mais óbvia (e verdadeira) seria provar que Tommen e Myrcella eram bastardos nascidos do incesto, sem qualquer pretensão ao Trono de Ferro, assim como qualquer outro westerosi. Sua bastardia já era um boato comum em todo o reino, graças a Stannis, mas para encerrar a discussão, Varys precisava de alguém que pudesse oferecer provas.
Tyrek esteve com o rei, possivelmente o acompanhou a bordéis e viu seus bastardos de cabelos pretos como Barra. Além disso, Tyrek poderia testemunhar o papel que Lancel desempenhou ao provocar a morte de Robert, minando ainda mais a posição de Cersei. Cuidadosamente treinado por Varys, Tyrek poderia prestar testemunho que arrebataria a herança de seus primos, abrindo caminho para Aegon restabelecer a dinastia Targaryen.
Então, uma vez que Tommen e Myrcella fossem denunciados como bastardos, Tyrek permanece como a escolha ideal para ser nomeado Senhor de Casterly Rock por seu agradecido novo rei Aegon VI (Martyn e Janei apresentariam um desafio dinástico, mas considerando que Varys não tinha escrúpulos em assassinar o pai deles [Kevan], parece improvável que ele permita que esses pretendentes rivais também vivam). Desconectado dos escândalos dos Lannister em Porto Real, Tyrek é um candidato atraente para governar o oeste e se tornar parte da nova ordem westerosi de Aegon.

Conclusão

Em 1999, George RR Martin ofereceu esta breve e tentadora opinião sobre Tyrek Lannister:
RMBoye: Pergunta simples, de verdade - será que vamos descobrir o que aconteceu com o "Ama de Leite", Tyrek?
George_RR_Martin: Sim, você vai. Tento não deixar muitas pontas soltas. Mas às vezes é preciso aguardar.
Talvez os comentários dele devam ser feitos com mais do que um grão de sal; afinal, na mesma entrevista, ele insistiu que o crescimento dos livros pararia no sexto. Talvez já tenhamos visto Tyrek, no jovem bonito, com a bolsa de dragões de ouro, que Arya nota ter morrido na Casa de Preto e Branco. Talvez a Navalha de Occam esteja correta aqui: que Tyrek foi morto no tumulto sangrento e que os manifestantes jogaram seu corpo no rio para evitar o castigo severo que os Lannisters e a coroa provavelmente lhes causariam.
No entanto, o assassinato por um plebeu desconhecido, ou uma morte inexplicável na catedral de um culto de assassinos, parece uma revelação ruim para a qual o autor precisaria aconselhar termos paciência. De fato, parece mais provável que Tyrek esteja de fato vivo e que Varys tenha os meios, motivos e oportunidades para arrancá-lo da capital e segurá-lo para seus próprios usos.
Somente Os Ventos do Inverno servirá para mostrar se Tyrek retornará com o suposto Aegon VI e ocupará seu lugar em Rochedo Casterly. No entanto, o mistério absoluto em torno do desaparecimento de Tyrek continua alimentando especulações, e os leitores podem tentar prever como é que esse escudeiro de menor importância dos Lannister retornará à narrativa de modo grandioso.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.10.27 20:14 Major_Tom_Comfy_Numb Recomendações de livros de horror

Aproveitando o clima de Halloween, recomendem bons livros de horror, especialmente aquelas pérolas não tão conhecidas.
Eu começo com dois que li recentemente e achei excelentes:
O Terror - Dan Simmons
Inspirado na história real da Expedição Franklin, do século XIX, em que 2 navios e suas tripulações desapareceram após partir da Inglaterra para tentar encontrar a cobiçada Passagem Noroeste, que liga os oceanos Atlântico e Pacífico através do Círculo Polar Ártico. Apesar do autor incluir alguns elementos sobrenaturais, só o relato das dificuldades e problemas enfretados pela tripulação já vale a leitura.
The Fisherman - John Langan
Conta a história de um grande mal que se instala em uma região próxima ao Rio Hudson em Nova York, no melhor estilo ameaça cósmica. Esse autor gosta de escrever num estilo "história dentro da história, então você acaba acompanhando 2 histórias relacionadas, em diferentes linhas de tempo.
Além desses recomendo dois outros mais mainstream:
Tripulação de Esqueletos - Stephen King
Uma antologia de contos do mestre King, sendo que alguns foram adaptados para o cinema. Tem alguns contos que até hoje me causam algum impacto, mesmo tendo lido o livro há mais de 5 anos atrás.
Dagon, O Chamado de Cthulhu e outros - H. P. Lovecraft
Existem várias antologias de contos do Lovecraft e vale muito a pena pegar alguma delas pra ler, principalmente se contiver algumas das histórias mais famosas dele, como Dagon, O Chamado de Cthulhu, A Cor que Caiu do Espaço, O Horror de Dunwich etc.

Edit: Seguem recomendações do pessoal nos comentários:
tit0savi0/
Mountain of Madness - Lovecraft
Uma expedição vai pra Antártica investigar o desaparecimento de outra expedição, ai acontece Lovecraft :)
zerotheelde
O Curioso Caso de Charles Dexter Ward, A Cor que Caiu do Céu, e O Horror em Dunwich - Lovecraft
Waldonville/
Vozes do Joelma: Os gritos que não foram ouvidos - Marcos DeBrito, Rodrigo de Oliveira, Marcus Barcelos e Victor Bonini
[Os autores] se uniram para criar versões perturbadoras sobre as tragédias que ocorreram em um terreno amaldiçoado, e convidaram o igualmente perverso Tiago Toy para se juntar na tarefa de despir os homicídios, acidentes e assombrações que permeiam um dos principais desastres brasileiros: o incêndio do edifício Joelma
almean/
Os Salgueiros de Algernon Blackwood - E Edgar Allan Poe
Fuck_Passwords_/
The Wendigo de Algernon Blackwood: Homens encontram uma criatura na floresta
The Yellow Wallpaper de Charlotte Perkins Gillman: Uma jovem mulher é presa no seu próprio quarto (ou na sua própria mente)
Let The Right One In de John Ajvide Lindqvist: Um menino solitário conhece a uma criança muito especial que é mais do que parece
The Exorcist e Legion de William Peter Blatty: sobo primeiro já todos conhecem mas, uma menina é possivelmente possuída pelo diabo. O segundo está relacionado à um dos personagens do primeiro.
House Of Leaves de Mark Z. Danielewski: Uma casa que esconde lugares segredos
I Remember You de Yrsa Sigurdardóttir: Um grupo de amigos que ficam isolados numa ilha com uma casa mal assombrada
klausz/
O médico e o monstro - Robert Louis Stevenson Drácula - Bram Stoker
100titlu/
Drácula - bram stoker - Alem de ser um marco cultural, o fato da narrativa se dar por diários e transcrições torna ainda mais charmoso.
Incrível Viagem de Shackleton: A mais extraordinária aventura de todos os tempo - Alfred Lansing - Basicamente é a mesma vibe de história real [de O Terror] só que sem o lado sobrenatural.
FlameKerberus/
O bebê de Rosemary, não tem muito o que falar, é um romance de terror escrito por Ira Levin. O livro conta a história de um casal que se mudam para um novo apartamento e pretendem ter um filho, porém fatos estranhos acontecem durante a gravidez. Se passa em nova iorque da década de 60.

Filmes:
ajinomoto123/
Midsommar
submitted by Major_Tom_Comfy_Numb to brasil [link] [comments]


2019.10.07 18:14 MuchoGuerra Opinião sobre estado actual do Benfica e o futuro.

Boa tarde/dia/noite dependendo de onde estão visto que temos benfiquistas espalhados por todo o mundo que podem ler isto a diferentes horas do dia.
Dei-me cada vez mais a prestar mais atenção a este subreddit visto que, apesar do não estar feliz com o estado actual do Benfica, tenho muitas opiniões e este é o melhor sítio para as partilhar. Vejo aqui benfiquistas de crenças sobre o clube diferentes o que é sempre bom para uma (civilizada) discussão. Antes de começar gostava de avisar e pedir desculpa pelo texto longo mas gostava de falar sobre muitas facetas do clube, concentrando-me mais pelo futebol e direcção mas passando por outros aspectos.
Agradeço desde já a quem disponibilizou o tempo e paciência para ler este testamento.
Direcção: Ora com o início de época abaixo das expectativas, principalmente ao nível da Liga dos Campeões e do futebol apresentado que tem sido muito pobre, isto levou à crítica da abordagem da direcção ao mercado que não é coerente com a comunicação passada cá para fora. Gostava de fazer um resumo de todo o percurso de LFV no Benfica e de expressar a minha opinião sobre esse percurso e sobre a sua política atual.
Quando LFV chegou ao Benfica é factual que o clube estava num buraco muito grande, em termos de infraestruturas, equipa de futebol, financeiramente estava atrás dos rivais e era uma trabalho muito complicado com probabilidade muito grande de correr mal. Mas LFV conseguiu ir levantando o Benfica bocadinho a bocadinho, construiu um estádio novo, construiu o Caixa Futebol Campus que já nos rendeu tanto desportivamente e financeiramente e foi tentando melhorar o estado financeiro do clube. LFV aproveitou o facto de, apesar de o Benfica estar em mau estado, ser o clube com mais adeptos em Portugal e nisso dou muito crédito ao marketing do Benfica que é de uma qualidade enorme. O Kit Sócio foi um home run que aumentou em muito o número de sócios pagantes.
Isto era tudo muito giro mas o CFC não ia render ainda durante alguns anos e o futebol português era dominado à vontade pelo Porto tirando uma época de lotaria em 2004/2005. O Benfica foi ganhando mais poder financeiro o que permitiu trazer jogadores como Aimar e Cardozo e, tal como o Porto, começou a apostar muito no mercado sul-americano, o que levou a muitos flops mas também pérolas como David Luiz e Di Maria.
Mas faltava aquele passo grande que ia juntar estas peças todas num verdadeiro candidato ao título, e esse passo deve ter sido o mais importante de toda a vida de LFV no Benfica, e esse foi contratar Jorge Jesus.
Com Jorge Jesus, mais o upgrade à equipa de scouting e poder financeiro que nos trouxe Javi Garcia, Saviola e Ramires o Benfica era a melhor equipa em Portugal, jogadores como Luisao e Maxi jogaram o seu melhor futebol com Jesus, Di Maria e David Luiz passaram de promessas a certezas e os reforços renderam todos. O Benfica tornou-se num candidato ao título ganhando 3 em 6 anos com JJ, e quase tão importante como isso, tornou-se numa equipa vendedora com fama na Europa por ir buscar jovens e prepará-los para os colossos. Não esquecer duas finais Europeias, uma perdida no fim num jogo onde fomos superiores ao Chelsea e outra tirada pelos árbitros contra o Sevilha. Não esquecer que uma meia final da Liga dos Campeões nos foi tirada também pelos árbitros contra o Chelsea.
No meio disto tudo, Benfica a marca foi crescendo, em todo o lado era mais fácil contratar jogadores que sabiam que aqui tinham uma rampa para a elite do futebol, financeiramente nunca tivemos estão fortes e na Europa éramos conhecidos como uma equipa de 2ª linha que podia dar luta a quase qualquer equipa. Também foi criada a Benfica TV que foi evoluindo muito ao longo do tempo com a transmissão dos jogos do Benfica em casa e até transmissão da Premier League durante algum tempo.
Jesus não é perfeito mas é o melhor treinador do Benfica nos últimos 25/30 anos e não percebo como vejo gente que à primeira menção do seu nome só critica. Apesar de vir de um bicampeonato a visão de JJ para o futebol do Benfica não não era a mesma de LFV por isso foi convidado a sair (de acordo com todas as notícias) contra a sua vontade. LFV queria reduzir custos em jogadores e aproveitar cada vez mais a formação que já tinha visto craques como Bernardo Silva e João Cancelo serem desperdiçados.
Aí entra Rui Vitória e por aqui penso que todos sabem bem a história, começa mal mas acaba a primeira época de maneira muito positiva com o tri-campeonato, lutou com o colosso Bayern pelas meias-finais da Champions e apostou em jovens como Nelson Semedo, Renato Sanches, Ederson e Lindelof (alguns por obrigação) que renderam muito ao Benfica. A partir daí, apesar de outro campeonato, o futebol nunca passou do mediano e agora estamos na era Lage.
LFV tem todo o mérito pelo o que fez pelo Benfica e se saísse hoje do clube era com um legado muito positivo, mas penso que o seu ciclo está a acabar.
O Benfica estagnou, financeiramente parece que entra cada vez mais dinheiro mas a equipa de futebol é cada vez pior e o nome do Benfica na Europa resume-se a boa formação e mais nada. 90% das contratações não são com o intuito de melhorar a equipa (dizer que não importa se o Vinicius for flop porque vendemos pelo mesmo demonstra isso mesmo e LFV admitiu que faz comprar apenas pelo dinheiro) e deixa os treinadores a retirar tudo da formação porque assim não tem de comprar jogadores. Num mercado onde o Benfica faz perto de 200 milhões em vendas e perde um titular o 11 é igual ao da época passada menos o titular que saiu, não há ambição nenhuma em melhorar a equipa porque ele bem sabe que o Porto também não está muito forte logo está sempre perto de ganhar o título. Na Champions é chegar ao grupo para sacar o prémio e mais nada, se a notícia que Lage recebe 1 milhão por ganhar o campeonato mas não tem prémios relacionados com a Champions for verdade então está tudo dito.
Qual é o caminho nos próximos 5 anos? LFV acha que jogadores como Félix aparecem todos os dias? Já esta época vemos que a ordem é forçar a aposta na formação mesmo que os jogadores não estejam prontos ou não sejam bons o suficiente. Não é assim que funciona e até clubes como o Ajax sabem isso. Os treinadores são apenas uma extensão desta ideia e não têm poder nenhum tirando meter o 11 mais forte possível com o que lhes é dado. Não vejo o Benfica passar disto, luta pelo horrível campeonato português, é carne para canhão lá fora e vai vendendo miúdos da formação, no fim deste ano lá vai o Florentino ou Rúben Dias ou até os dois.
Outro ponto que queria tocar é a comunicação, e isso é rápido. LFV há anos que anda a atirar areia para os olhos dos benfiquistas com mentiras atrás de mentiras. Sempre que estamos num mau momento lá vai ele para a TV dar uma entrevista e vomitar os mesmo pontos. "Não temos de vender", "Queremos ganhar lá fora", etc. Os adeptos cada vez comem menos isso.
Em certos pontos o Benfica parece a Coreia do Norte, a Benfica TV, ou mais correto Vieira TV demonstra isso. Temos painéis dedicados a vomitar os mesmos pontos do presidente e ainda criticar os adeptos por criticarem o clube porque não se pode criticar o grande presidente. Quem vê só a Benfica TV acha que está tudo perfeito. Até nos comentários dos jogos dá para ver a força que se faz para não criticar o futebol apresentado, preferindo criticar árbitros por não marcarem uma falta a meio campo.
Quando o episódio da última assembleia acontece e não há consequências está tudo dito.
LFV também secou tudo à sua volta mudando os estatutos sobre quanto tempo pode ser presidente e com esta máquina de propaganda à sua volta mesmo que aparecesse alguém ia ser completamente destruído. Não vejo fim a isto, nas próximas eleições ganha com 80% porque ou não há outros candidatos ou porque os que há foram silenciados. Eu sei que vou estar lá a voltar em branco (se me deixarem).
Resumindo e concluindo, LFV tem um legado positivo até agora mas o seu ciclo acabou e não tem ambição para levar o Benfica mais longe.

Equipa Técnica/Jogadores: Nesta secção vou falar da actualidade do futebol no que respeita ao treinador Bruno Lage e o plantel à sua disposição
Ficou definido antes que tenho a ideia que LFV escolhe treinadores para serem outra extensão da sua voz e que têm muito pouco poder, foi óbvio com RV e penso que é óbvio quando Lage mais que uma vez expressa os seus desejos durante o mercado de transferências e nenhum desejo foi cumprido. Por isso é que JJ saiu, apesar dos seus defeitos tem as suas ideias e convicções para o futebol do Benfica e não estava disposto a mudá-las.
Lage não fez o mesmo, o discurso mudou drasticamente à medida que esta época avança e aproxima-se do muito criticado discurso de RV. Neste jogo com o Zenit parecia que estava a ver uma equipa do RV em campo e RV na conferencia de imprensa a seguir. Aquela pessoa não era Lage mas era mais uma extensão da máquina de propaganda de LFV.
Aqui custa-me um bocado criticar Lage porque ele bem tentou e mostrou mais que uma vez alguns desejos que foram completamente ignorados. Se se tivesse levantado contra LFV se calhar já tinha saído do clube, é assim que anda o regime. Jogadores como Tomás Tavares, David Tarares e Jota estão a ser forçados na equipa A porque não houve vontade da direcção em melhorar essas posições. Ederson e Semedo saíram há 3 épocas e ainda não vieram substitutos a sério, não se foi reforçar o meio campo com suplentes logo andamos com o velho Fejsa, Taarabt adaptado, David Tavares, o caso estranho do Samaris, etc, sai Félix por 120 milhões e Jonas, vem Chiquinho por 4 e Jota adaptado, o único extremo acima da média nesta equipa é o Rafa. Basicamente gastou-se 40 milhões em pontas de lança para continuar a jogar Seferovic.
E aqui começam as criticas a Lage, mesmo com a fraca abordagem do mercado por parte da direcção há material para fazer muito melhor e algumas opções de Lage são muito questionáveis.
Na defesa não há muito a fazer, Odysseas, Almeida, Rúben, Ferro e Grimaldo são os melhores 5 que temos, não há melhor por culpa da direcção. No meio campo estamos a ser castigados pelas lesões, o melhor jogo da equipa esta época foi logo o primeiro e foi o único com Gabriel e Florentino em campo ao mesmo tempo, apesar de não ser o único motivo para o fraco futebol penso que vai melhorar quando Florentino regressar depois da paragem de selecções. Agora a opção de Fejsa e Taarabt não faz sentido. Fejsa perdeu capacidade física e ainda é bom na antecipação mas é demasiado lento e limitado a sair a jogar como se viu contra o Zenit. Taarabt é genial tecnicamente mas é só isso, não é um 8, não pensa como um 8 e não tem os princípios defensivos e posicionais de um 8. Aqui culpa de Lage ao insistir no marroquino e da direcção ao não trazer nenhum substituto a sério para o Gabriel. Culpa também para Lage ao insistir em Fejsa e ao não dar uma chance ao Samaris na posição onde foi mais bem sucedido no Benfica. No ataque a culpa é mais de Lage, todos sabemos do caso Seferovic, estamos todos muito agradecidos pela época passada mas é demasiado limitado para jogar no Benfica, tanto RDT como Vinicius mostraram que são superiores mas o suiço tem sempre prioridade no 11 sem merecer. Nas alas, Rafa anda a jogar lesionado por necessidade, Lage queria Cervi e Zivkovic fora do Benfica o que não aconteceu, contratou-se o Caio Lucas sem critério logo a qualidade não abunda nesta posição. Em relação ao Pizzi, sei que é um tópico muito disputado entre os benfiquistas, na minha opinião é um jogador com excelente visão, qualidade de passe que ataca bem a área mas tanto a jogar a ala como médio é um grande ponto fraco defensivamente porque simplesmente joga sempre a passo e não tem intensidade nenhuma. Isso mostra-se nos jogos de elevada dificuldade onde raramente aparece. Podíamos ter muito melhor em vez do Pizzi.
Mas isto são só opções no 11 inicial, o futebol em si tem sido muito fraco, o Benfica não é pior que o Zenit em termos de qualidade mas eles pareciam o Barcelona, contra o Leipzig em casa só criámos perigo no contra ataque contra uma equipa frágil defensivamente como se tem visto nos últimos jogos. No campeonato nota-se que o jogo interior desapareceu e a equipa resigna-se muito rápido a cruzar, para não falar na péssima transição defensiva (tem sido assim desde o segundo ano de RV). Apesar do mau planeamento do plantel o Benfica tem de jogar melhor.
Mas para mim o imperdoável é eu ver uma equipa na maior competição de clubes do mundo a jogar a passo e sem vontade nenhuma, até podemos perder mas ver uma equipa que parece que está a jogar um jogo treino dá-me nojo. Falem do Conceição e do Porto o que quiserem mas aquela equipa luta muito e por isso é que tem sido muito mais bem sucedida na Champions que nós.
Resumindo, ainda é muito cedo para julgar Lage mas esta primeira época onde teve tempo para implementar as suas ideias não tem sido encorajadora, também temos de ter em conta que a direção não ajuda muito em termos de plantel e lesões, mas certas opções no 11 vão ter de mudar. E se vejo a mesma atitude contra o Lyon que vi contra o Zenit então Lage pode sair já do Benfica.

Mais uma vez peço imensa desculpa pelo texto longo mas tinha muito dentro de mim sobre o Benfica que queria partilhar e este parece-me o melhor espaço. Penso que apesar de na superfície as coisas parecerem positivas não vejo melhoras em relação ao futebol, para não falar da comunicação do clube que está quase ao nível de uma ditadura.
Mais uma vez obrigado por lerem e gostava muito de discutir as vossas opiniões nos comentários, de preferência de maneira civilizada.
Um resto de bom dia a todos e Viva o Benfica.
submitted by MuchoGuerra to benfica [link] [comments]


2019.04.14 22:59 fidjudisomada Primeira Liga 2018/9, #29: SL Benfica 4-2 Vitória FC

UM GRANDE 81!

Rafa (por duas vezes), João Félix e Seferovic deixaram marcas nas redes do V. Setúbal e deram vida ao triunfo do líder Benfica (4-2) na 29.ª jornada da Liga NOS. As águias já apontaram 81 golos nesta prova (melhor ataque), 50 dos quais em 14 jogos sob o comando de Bruno Lage (13 vitórias e um empate). Faltam cinco finais!
Uma entrada fortíssima levou o Benfica à posição de vantagem logo aos 2'. Desde o pontapé de saída até se encaixar nas redes sadinas, a bola só passou pelos pés dos jogadores do Benfica: viajou do meio para a direita, da direita para a esquerda e novamente da esquerda para a direita, ficando então ao alcance de João Félix e a jeito para ser colocada no meio da área, onde Rafa, todo no ar, com um sensacional desvio com o calcanhar direito, apontou o 1-0. Um golo que a equipa fez questão de dedicar a Fernando Ferreira, treinador de guarda-redes.
Marcado o primeiro, os encarnados quiseram o segundo. João Félix, depois de uma excelente iniciativa a rasgar pelo corredor central, rondou o 2-0 aos 12'. Aos 26', depois de uma arrancada de Pizzi pelo flanco direito, João Félix disparou duas vezes no interior da grande área e a segunda tentativa foi intercetada em falta por Rúben Micael (braço da bola).
Rui Costa não apontou imediatamente para a marca dos onze metros, o videoárbitro teve de intervir e, depois de rever as imagens do lance, o juiz da AF Porto não teve dúvidas e determinou o castigo máximo (28'). Investido da responsabilidade de cobrar o pontapé de penálti, Pizzi avançou, rematou, mas Makaridze conseguiu defender (29').
As águias criavam oportunidades, e João Félix, num cabeceamento ao segundo poste, quase aproveitava o cruzamento de Pizzi na direita.
Não foi aos 34', foi aos 36' que os encarnados faturaram o 2-0: João Félix, rápido a pressionar, recuperou a bola à saída da área setubalense, tocando no momento seguinte para a esquerda, com Rafa a receber e a chutar cruzado para o golo, o seu 12.º nesta edição da Liga NOS (e 6.ª assistência de João Félix na prova).
Perto do intervalo (39'), os sadinos construíram um ataque pela direita, colocaram depois a bola no corredor central e, recebendo um passe curto de Rúben Micael, Nuno Valente rematou de pé esquerdo para o 2-1.
Dominador, o Benfica alcançou o 3-1 aos 56'. Após intervenção decisiva de Florentino, que se esticou para intercetar a bola no espaço ofensivo e logo colocou a sua equipa em ataque, Pizzi entrou pela direita e cruzou para o disparo de primeira de João Félix no meio da área, rubricando um belíssimo golo (para juntar a duas assistências neste encontro...) que dedicou ao irmão, Hugo Félix.
As águias controlaram, atacaram (Rafa, aos 59', pareceu ter sido tocado em falta por Vasco Fernandes na área sadina, mas Rui Costa entendeu de forma diferente), tiveram bola e geriram os ritmos da partida perante um adversário que nunca se entregou e que fez o possível para chegar à área de Odysseas (nomeadamente em ataques rápidos).
A superioridade benfiquista, no entanto, teve mais um momento de confirmação: aos 77', Rafa picou a bola (assistência) sobre a linha defensiva sadina e Seferovic, descaído para a direita da área, finalizou com um remate cruzado de pé esquerdo (4-1).
Muito perto do fim, um lance entre Rúben Dias e Vasco Fernandes no interior da grande área do Benfica foi revisto por Rui Costa após indicação do videoárbitro. O juiz da partida decidiu então assinalar pontapé de penálti para os sadinos, que reduziram para o 4-2 final por intermédio de Cadiz.

BRUNO LAGE: “VERDADEIRA EQUIPA COM ENTREAJUDA E ESPÍRITO DE MISSÃO”

O Benfica venceu o V. Setúbal (4-2) na 29.ª jornada da Liga NOS. O triunfo foi dedicado por Bruno Lage e pelo plantel ao treinador de guarda-redes Fernando Ferreira. O técnico mostrou-se, ainda, feliz pela entrada da equipa em jogo, desejou felicidades aos sadinos e esclareceu a opção por Florentino para o meio-campo.
Triunfo com entradas fortes
“Acima de tudo foi uma boa vitória, com boa dinâmica e ao nosso melhor nível. Chegámos ao 2-0, falhámos uma grande penalidade e sofremos um pouco com o entusiasmo do jogo. Não ficámos atentos às transições e o V. Setúbal é bom nisso, nomeadamente através do ponta de lança [Cadiz], que é veloz e inteligente. O V. Setúbal chegou ao 2-1, entrámos bem na segunda parte, fizemos o 3-1 e o 4-1. Nos últimos minutos podíamos ter gerido melhor o jogo com bola. O V. Setúbal esteve subido no terreno, nunca abdicou do jogo e de ter bola; nós tentámos alcançar a profundidade e perdemos o controlo do jogo. Depois nasce o lance da grande penalidade que dá o 4-2. O que nos deixa satisfeitos foi a entrada forte no jogo e o caminho que temos vindo a fazer. Este resultado fica-nos bem e agora é recuperar para o jogo da segunda mão da Liga Europa. Estamos a vencer 4-2 e temos de estar com energia e concentração para fazer um bom resultado.”
“Entrámos bem no jogo, procurámos rapidamente chegar ao golo e conseguimos. Tivemos uma primeira boa meia hora; na segunda parte voltámos a estar fortes de forma a procurar o golo. Conseguimos e o jogo ficou do nosso lado. Acaba por ser uma vitória justa e o mais importante são as sequências de jogos que temos feito, de golos que temos concretizado e de pontos que temos alcançado.”
Dedicatória do plantel a Fernando Ferreira e de João Félix ao irmão Hugo
“Dedico a vitória ao Fernando Ferreira. Teve uma semana difícil, perdeu a mãe, e o grupo juntou-se e quis oferecer-lhe a vitória. O discurso do nosso subcapitão foi de entrarmos determinados no jogo para lhe oferecer o triunfo. Fizemos logo isso aos 2’, o que mostra o nosso espírito de grupo. Temos uma grande entreajuda, espírito de missão e somos uma verdadeira equipa.”
“O irmão [do João Félix] também joga no Benfica. Pode ser aqui uma passagem de testemunho para que o mais jovem possa ter uma carreira profissional no futuro.”
Felicidades ao V. Setúbal para o que falta de 2018/19
“Uma palavra ao V. Setúbal, que é o clube da minha terra. Que tenham toda a felicidade para conquistar os pontos. Da forma como jogaram aqui, julgo que vão conseguir para ficarem mais um ano na 1.ª divisão. É um grande clube, representa uma cidade e o seu lugar é na 1.ª divisão.”
Elogios a um Pizzi comprometido com a equipa
“O Pizzi já o fazia e continua nesta senda de oferecer golos aos colegas. O que gosto de ver é que é um jogador de equipa e está disponível para tudo. Está disponível para jogar como tem feito, para ficar de fora ou para estar no banco e entrar para ajudar a equipa. O que me interessa é que todos estejam disponíveis para ajudar quando são chamados.”
Equilíbrio e tranquilidade mesmo depois de sofrer
“O único erro que identifiquei foi o nosso posicionamento após o segundo golo. Começámos a não estar no sítio certo para manter o equilíbrio. Fomos atrás da emoção e no que o jogo estava a dar, com o estádio empolgado no apoio à equipa e perdemos o equilíbrio. O V. Setúbal chega ao golo. O futebol também é isto: momentos e erros. O mais importante é o registo de equilíbrio e tranquilidade com que se vive. Não se perdeu nada, corrigimos posicionamentos e voltámos aos golos.”
A explicação para a escolha de Florentino para o miolo
“Uma coisa é a nossa ideia de jogo, outra coisa são as características de cada jogador e o que cada um pode oferecer ao jogo. O Adel [Taarabt] pode jogar em várias posições, como segundo ou terceiro médio, pode jogar numa ala; o Samaris e o Florentino podem jogar como primeiro ou segundo médio; o Gedson como segundo e terceiro médio; o Fejsa oferece-nos coisas diferentes. Em função disso, avaliamos e escolhemos. Tão importante como o equilíbrio é o jogador conseguir jogar de um corredor ao outro. O Florentino consegue. Tem um critério muito bom na construção e é mais um jovem com quem estamos satisfeitos.”
O dia a dia tranquilo do camisola 79
“João Felix continua a dever-me seis golos. Hoje [domingo] marcou mais um. É deixá-lo tranquilo. Marcou e foi dedicar ao irmão. No outro dia marcou três golos na Liga Europa e no dia seguinte estava a jogar 'teqball' com os Juvenis e Iniciados. Tem um grupo de homens que o educa, que o integra e trata-o como um menino. É deixá-lo tranquilo, eu é que lhe meto pressão.”

Coisas e Loisas

  • 11.º golo de Rafa Silva neste campeonato, o 15.º da temporada. Quase 3 anos depois, Rafa Silva volta a marcar ao V. Setúbal. Em abril de 2016, bisou frente aos sadinos, ao serviço do SC Braga;
  • Golos do Benfica na Liga NOS nos 5 primeiros minutos de jogo em 2018/19: 2 min: Rafa (Chaves); 2 min: Jonas (Moreirense); 1 min: Grimaldo (Nacional); 3 min: Seferovic (Aves); 2 min: Rafa (V. Setúbal);
  • Rafa Silva marcou no jogo 150 na Liga Portuguesa: 115 a titular; 29 golos; 17 assistências; 1 título; 88 jogos pelo SC Braga; 62 jogos pelo Benfica; Estreia em 2013, lançado por Jesualdo Ferreira;
  • Falharam penalti pelo Benfica na Liga NOS 2018/19: Ferreyra, Salvio e Pizzi;
  • Rafa Silva bisa pela 2.ª vez esta época: Chaves, V. Setúbal;
  • João Félix fez 2 assistências no mesmo jogo pela 1.ª vez na equipa principal do Benfica. No total, João Félix tem 7 assistências esta época;
  • 11.º golo de João Félix neste campeonato, o 16.º da temporada. João Félix esteve presente nos 7 últimos jogos marcados pelo Benfica (4 assistências e 3 assistências);
  • Participação de João Félix nos 7 últimos golos do Benfica (Frankfurt e V. Setúbal): 4 golos, 3 assistências;
  • Pizzi fez a 20.ª assistência da época, a 16.ª na Liga;
  • 23.º golo da época para Seferovic, o 19.º na Liga. Seferovic marca na Liga há 3 jogos;
  • 3.º jogo consecutivo que o Benfica marca 4 golos, no 2.º jogo seguido que vence por 4x2;
  • Nos 14 jogos que o Benfica leva na Liga sob orientação de Bruno Lage, os encarnados marcaram 4 ou + golos por 8 vezes (57% dos jogos);
  • O Benfica chegou aos 81 golos na Liga, mais do que em todo o último campeonato (apontou 80);
  • À 29.ª jornada, o Benfica chegou (e ultrapassou) os 80 golos na Liga: não atingia este registo concretizador tão rápido na competição desde 1983/84 (demorou 27 jogos a chegar aos 80 golos);
  • O Benfica já sofreu 26 golos neste campeonato, o registo + elevado dos encarnados na prova desde 2011/12. Golos sofridos pelo Benfica na Liga desde 2011/12: 2011/12: 27; 2012/13: 20; 2013/14: 18; 2014/15: 16; 2015/16: 22; 2016/17: 18; 2017/18: 22; 2018/19: 26;
  • O Benfica é a equipa que mais golos marcou nos primeiros 15 minutos de jogo na Liga: 9 BENFICA; 8 Moreirense; 7 V. Guimarães, Portimonense, Sporting;
  • Pizzi falhou a sua 2.ª grande penalidade pelo Benfica, em 8 tentativas. Penáltis falhados por Pizzi no Benfica: 2016/17 V. Guimarães (Taça Liga); 2018/19 V. Setúbal (Liga);
  • O Benfica é a equipa com + penaltis falhados na Liga NOS: 3 Benfica; 2 Portimonense, Chaves.
  • Rafa Silva apontou o 6.º bis da carreira, o 2.º pelo Benfica, ambos esta época. Rafa Silva já tinha bisado frente ao V. Setúbal: foi em 2015/16, ao serviço do SC Braga.

Multimédia

Eleição do MVP

Talking Points

Preparámos uma lista de temas para conversas sobre este jogo, mas estejam à vontade para passar por cima dela, ou pegar num ou alguns, e apresentar as tuas observações e expressar opiniões:
  1. O resultado foi justo? Na tua opinião, o que faltou à equipa para alcançar um resultado ou exibição melhor?
  2. Está satisfeito com a resposta da equipa hoje? Qual foi o aspeto do jogo que mais te impressionou?
  3. Com o benefício da visão a posteriori, que alterações farias ao 11 inicial?
  4. Em retrospetiva, o que farias diferente ao longo do jogo? Como avalia os critérios de substituição? Trouxeram algo diferente ao jogo?
  5. Qual foi o jogador que mais se destacou com a camisola do SL Benfica? Nessa nota, quem foi a maior deceção?
  6. Quais são os aspetos positivos que o SL Benfica pode tirar deste jogo?
  7. Enfrentaremos o Eintracht Frankfurt na próxima partida, no Commerzbank-Arena, em jogo a contar para a 2.ª rodada dos quartos-de-final da UEFA Europa League 2018/9. Quais as perspetivas?

Relacionados

submitted by fidjudisomada to benfica [link] [comments]


2018.10.10 05:19 paulomadd Diz que é uma espécie de Manifesto

Olá,
Este post é sobre motivação, linhas gerais e objectivos que quero para a sub e porquê.
É longo, arrisco-me a que ninguém leia e sei disso... paciência.

Um geek pergunta a outro
"Não era fixe se jogássemos D&D?" Olhei para o meu amigo e comecei-me a rir, até me aperceber que estava a falar a sério. "Muito a sério", reforçou. "É só preciso alguém que faça de Dungeon Master e leia os livros." , disse ele. Arrisquei... encolhi os ombros e disse que sim. Eu que não fazia ideia de nada de nada, fui para casa nessa noite a pensar como descalçava aquela bota. Só tinha ideias de como era, nunca tinha lido nada a sério, só em séries, filmes e pouco mais. Comprei um Starter Pack no OLX por metade do preço, li as regras nos papeis e online e convenci-me que ia ser fácil. Minto... muuuito fácil. Falei com amigos próximos e rapidamente juntei um grupo de quatro. Tinha dois meses para me preparar e decidi começar a delinear a história, a criar o mundo e as raças e quando dei por mim os dois meses passaram sem dar conta. A uma semana da sessão tinha história (O Quê) mas apercebi-me que não dominava as mecânicas e regras (O Como). Foram os sete dias mais longos da minha vida até àquele sábado onde abri a mesa de jantar e antes do combinado tinha já toda a gente sentada e com dados na mão. Eu, nervoso pela expectativa elevadíssima que toda a gente trazia para a mesa; e eles, nervosos e entusiasmados pelo apelo do desconhecido. Às 14h30, acordaram numa prisão ao ar-livre no meio da neve, no meio de cadáveres e ossadas de outras criaturas. Às 04h00 da manhã estavam a ser içados num elevador, para fora da prisão no final de uma batalha contra uma aranha gigante.
Eu não fiz ideia do que estava a fazer, não segui regras, atrapalhei-me, inventei até não conseguir mais, não segui o que escrevi e perdi-me no principio a meio e no final. Eles andaram às cegas porque nem rede de segurança lhes dei, gritaram entre eles, berraram com NPCs, viraram-se uns contra os outros para no final se unirem contra um mal maior. E quando eu disse "Hoje, ficamos por aqui", eles cortam aquele silêncio estranho com reclamações e exigências de voltar no dia seguinte porque tudo tinha sido perfeito. Foi uma das melhores experiências da minha vida. Um ano, três meses e catorze sessões depois, continuamos a jogar.

Mas confesso, nunca joguei D&D
Tive alguns problemas com as regras e mecânicas da 5ed. O controlo do peso dos items e os XP points eram/são dois aspectos que queria mudar, para reduzir "a matemática" das sessões e aumentar o ritmo do jogo. Tanto modifiquei que o meu jogo actual é uma mixórdia de sistemas. Um monstro de Frankenstein que os meus jogadores alimentam com o entusiasmo de cada sessão. Aprender e testar coisas novas para criar um sistema que só existe à minha mesa apela-me, apesar do investimento. Tenho um enorme interesse pelo chamado "Worldbuilding" ou "Criação de Mundos". Gosto de ler em inglês e não sei se acontece a mais alguém (presumo que sim) mas gostava de falar sobre isto em português. Nota-se muito?

Mas onde? Onde?!
Dungeons and Dragons / D&D como tema e termo está na moda. Se falar de Burning Wheel ou Blades in the Dark talvez só os mais curiosos conseguem diferenciar. Mas "D&D" há muita gente que "faz uma ideia", "ouviu falar", "está curioso". Há uma receptividade à priori que, admito sem vergonha, pode ser explorada no bom sentido. Para mim "este mundo" começa com D&D, mas seguramente não termina aí, muito pelo contrário. E como Chainmail) e outros jogos de guerra de tabuleiro foram precursores do D&D, também o D&D pode ser o ponto de partida para muitas outras coisas. Talvez seja um português a criar e a publicar o próximo sistema; talvez alguém crie uma base para uma aventura que inspire alguém a criar uma mecânica que entusiasme alguém a inventar uma regra!
Na língua de Pessoa, que eu saiba, não existem muitos espaços para falar sobre isto. No Reddit os grupos que encontrei sobre RPGs (pen n'paper) ou DnD estão praticamente ao abandono ou não me revejo na estrutura ou temas abordados (parece uma crítica mas não é). No FB encontrei páginas e grupos, alguns com centenas (!) de pessoas que claramente têm interesse em saber mais ou perceber como funciona, parece-me que resulta para juntar pessoas mas menos bem para as pôr a dialogar. Opinião muito pessoal: a natureza destas redes sociais não se presta a "testamentos", porque se presume que a audiência tem 3seg para ser chamada à atenção e apenas pode despender de 2min do seu tempo a ler um parágrafo e ainda salta algumas linhas. A vida no Face é assim.
Eu acredito que o sítio ideal precisa de respirar espaço em branco, onde o pessoal se sinta à vontade para se tentar expressar sem medo de alienar a audiência. Como eu estou desavergonhadamente a fazer, topaste? O Reddit permite debates encadeados, valorização dos comentários mais úteis, regras bem visíveis, wikis, etc. Subs como o DnDNext, Worldbuilding, etc são comunidades activas e ricas em ideias e diálogo e entre-ajuda que alimentam a imaginação e dão suporte e motivação e conselho a quem os procura. É isso que eu quero para esta sub e procuro todos aqueles que se revejam nisso.

Procuro DMs!
És um? Sei que andam por aí, ao frio e à chuva, no seu mundo a partilhar as suas histórias ou pior, sem ter com quem as partilhar! Este espaço é principalmente para eles porque para mim ser DM é recompensador mas é trabalho duro fodido e solitário. Muitas horas de preparação, muita dedicação para umas horas de jogo que muitas vezes não corre como esperado (e ainda bem). Mas querer e não poder partilhar com alguém "aquele twist", precisar de conselhos e não saber a que porta bater ou trocar ideias para melhorar uma sessão é um dragão que temos que matar.
O Objectivo aqui é criar uma comunidade que agregue participantes activos, passivos e curiosos. DM/GMs que tenham grupos e dirijam sessões activamente e que queiram melhorar e partilhar o que aprenderam ou que estejam à procura de mais jogadores. Porque precisamos de plateia, de actores...

Procuro Curiosos
Sabes de alguém? Dos tais que "ouviram falar" e querem observar um jogo ou têm confiança para sentar à mesa e errar e aprender. Os tímidos que não olham nos olhos, que não sabem onde enfiar as mãos, aqueles que sabes que vão trazer uma perspectiva completamente nova e abordar os obstáculos de uma forma diferente. Onde estão os que nunca ouviram falar disto e precisam desesperadamente do que o jogo têm para oferecer? Precisamos deles, desses e dos outros que não querem vir porque acham que é mais cool ficar agarrado ao telemóvel a criar cebolas virtuais na quinta virtual à espera que o cérebro rebente de tanto estímulo! E os desgarrados? Os que já jogaram a este HiperMegaMassiveMultiplayerOnlineForRealzRPG com amigos e adoraram mas a vida apanhou-os a todos qual pokemónos, excepto o que ainda sonha em sonhar acordado? Onde está? Quero-o aqui. Precisamos dele e dos que estão disponíveis a fazer figuras de urso para exorcizar a corrupção que assombra estas terras porque onde eles estiverem... INJUSTIÇAS NÃO SERÃO TOLERADAS. É mesmo assim, em CAPS mano! Para perceberem que recebemos meninos mas...

Fazemos Heróis
Porque ninguém vêm até nós para se sentir medíocre! Ninguém o é. Só é preciso o cenário certo, as condições ideais, os obstáculos à medida e um grupo motivado para transformar um bando de meninos em Mulheres e Homens e Elfos e Anões. Desafiemos estas pessoas a esquecer por umas horas o emprego, a família, os seus problemas e vamos dar-lhes uma perspectiva e uma experiência completamente diferentes. Arranquemos esta gente da sua pele confortável, que sejam reduzidos a linhas numas folhas e obrigados a suportar tirania e injustiça e maldade. Para que se lembrem que para isso parar, basta querer e agir. Que os nossos mundos sejam um espelho do seu comportamento, que o sofrimento que geram ou a dor que aliviam seja um reflexo da sua humanidade ou falta dela porque isto pra mim, senhoras e senhores, é um jogo sério!

Para rematar
Temos 25 subscritores neste momento e a sub foi criada há 02 dias. Se cada um partilhar ou falar apenas a uma pessoa, chegamos a 50 numa semana. Todos os que estão envolvidos vão beneficiar, mais histórias vão ser contadas, mais aventuras vão ser vividas, mais participantes vamos ter e acima de tudo... mais escolha.

Se conseguiste ler isto até ao fim ou se leste na diagonal
Se te reviste em alguma coisa ou Encontraste algo que te cativasse
Se te deu que pensar ou Te entusiasmou
O suficiente para regressares "ao teu mundo" ou Te inspirou a criar "um novo mundo" ou Fez com que quisesses entrar "num outro mundo"
Bem-hajas e Bem-vindo forasteiro,
Chegaste a casa.


submitted by paulomadd to dndPortugal [link] [comments]


2018.04.05 17:59 educandario Desabafo (ou o porquê falo o que falo)

Como alguns de vocês podem ter visto, meu pai era um tirano comigo. Cresci sempre na linha dura dele, que me ensinou que a recompensa vem do esforço. Sem trabalhar e estudar simplesmente não se tem nada.
Aí eu via os outros tendo um tratamento bem mais light. Podiam brincar, adiar as tarefas e estava tudo bem. Eles tinham presentes no final do ano, enquanto eu não tinha pois eu deveria trabalhar para comprar. Eu odiava eles, se eu tivesse um pai 10% mais tolerante eu seria o melhor filho do mundo. Nunca achei isto justo, mas chorar e reclamar não ia ajudar em nada. Fui indo, com o desejo de ser independente o mais rápido possível e ter logo minha vida. Mas como? Tive problemas com coisas como eu me esforçar, juntar dinheiro e comprar algo pra mim, mas ser acusado de ter roubado aquilo de alguém, afinal só assim um pobre teria um bem. E e confiscarem de mim.
Ficava com muito medo de ver aqueles folgados da escola no fim se dando bem. Diziam que trabalhar é coisa de idiota, pois é só iludir alguém que ele te dará o que você quer, assim como eles fazem com os próprios pais.
Finalmente vi meu esforço valer a pena, consegui um emprego público. Eu realmente sabia que ia encontrar pessoas conservadoras lá, mas eu seria um exemplo para elas. Pobre, mas não dependi de bolsa, de governo, de nada. Meu esforço, meu lucro. Mas ao entrar tive que lidar com a elite local. Acharam que eu era limitante petista e fui agraciado com uma vaga, pois como um mané desses teria entrado lá? Fui acusado de tudo que vocẽ pode imaginar.
Estava lá, fazendo o meu trabalho, mas para eles, eles que mandavam lá. Eu deveria me pôr no meu lugar e ser apenas ser o subordinado deles, como minha função exigia.
Nunca aceitei isso, e aí que começou o inferno. Tentaram de tudo para me tirar de lá, eu estava desestabilizando o status quo. Aí percebi que nem importava minha origem nem nada disso, era apenas uma desculpa pra justificar que eles são melhores e eu o pior. Calhou de não termos a mesma renda, origem e opinião. Isto era posto na mesa para justificar porque eu não merecia nada.
Meu chefe estava cansado desses vagabundos, os mesmos que ganhavam o equivalente à várias bolsas família para sentarem a bunda na cadeira e ficar ouvindo spotify (mas vagabundo é aquele que prefere passar fome, ser maltrapilho e desgrenhado do que trabalhar e depois quer dinheiro) pegou gente para trabalhar de fora. Aí houve mais conflitos, eles não arredavam o pé mas havia mais gente para lidar agora.
No fim foram embora, mas olha só o que é não aceitar que o outro tenha algo. E não importa quem ele é. Todo esse papo de justiça, de ser a favor ou contra algo é tudo babela.
Eu achava que era por serem de direita, mas não. Defendem algo, mas não vale para eles. Se eles fossem de direita de verdade, estaríamos em harmonia.
A intensão é se manter no poder pra sempre, apenas isso. Ter tudo para si e nada pra ninguém. Tentar achar o defeito de todo aquele que é contra, dizendo que eles só estão querendo o poder para si inventando desculpinhas pra conseguir.
Quantas pessoas têm esse raciocínio? Achar que um grupo é o eleito e que deve ter todo o Estado a seu dispor, e os outros grupos são inferiores e devem ser seus escravos. Isso é ser Nazista mesmo, simples assim.
submitted by educandario to brasil [link] [comments]


2017.12.13 00:46 fidjudisomada [Pre-Match Thread] Taça de Portugal 2017/18, Oitavos-de-final: Rio Ave FC vs. SL Benfica

Rio Ave Futebol Clube vs. Sport Lisboa e Benfica

Taça de Portugal 2017/18, Oitavos-de-final

Transmissão

Antevisão

RUI VITÓRIA: “VAMOS TER A MESMA EXIGÊNCIA E MESMO QUERER
Rui Vitória lançou o desafio dos oitavos de final da Taça de Portugal com o Rio Ave em conferência de Imprensa realizada no Estádio da Luz. Espera um jogo bem disputado e que será difícil para ambos os emblemas.
“Vamos encontrar uma equipa de qualidade e sabemos que uma delas vai ter de ser eliminada. Sabemos que este jogo é fundamental, frente a uma das boas equipas do campeonato, com características muito bem vincadas. Para contrariar isso temos de impor a nossa forma de jogar e olharmos para nós. Vai ser um jogo bem disputado, com uma equipa que circula bem a bola e tem bom jogo interior. Tem jovens de qualidade na frente e joga com as linhas subidas. Vai ser um jogo interessante de seguir. Vai ser complicado para nós e para o Rio Ave”, analisou o técnico.
Desafiado a revelar qual o guarda-redes que vai a jogo, o treinador não abriu o livro, mas assegurou que não há uma regra fixa.
“Se olharmos para a minha folha de serviço percebe-se que não há regras se tem de jogar um numa competição e outro noutra. Se entendermos que é um jogador que tem condições para jogar, joga. Não há uma regra definida. Logo se vê quem vai jogar. Não há um ciclo fechado que um joga aqui e outro ali”, sublinhou.
Depois do Estoril para a Liga NOS, segue-se o Rio Ave para a Taça de Portugal. O mercado de transferências de inverno ainda está longe e Rui Vitória não quer distrações.
“Este vai ser o segundo jogo num ciclo de semana e meia. Foco grande em querer ganhar. Janeiro é a seguir, mas antes ainda há Natal e Ano Novo. No dia 31 de janeiro faz-se negócios quase até à última e é prematuro falar nesse assunto. As decisões que tiverem de ser tomadas serão em consonância com a administração. O lote de jogadores que tenho atualmente deu para escolher 20 para os convocados”, observou.
E prosseguiu, ainda sobre o tema do mercado de transferências: “Certezas não tenho, porque no futebol não se podem dizer coisas de forma tão taxativa. Há ideias, mas não significa nada. Estamos a falar numa altura prematura da época, isso terá o seu tempo e espaço para ser intervencionado. Agora é tempo de competição, com três jogos deveras importantes.”
O treinador benfiquista refutou qualquer possibilidade de a eliminação na Liga dos Campeões ajudar ou prejudicar nas restantes provas em disputa.
“No ano passado superámos a fase de grupos e fomos à final da Taça de Portugal. A exigência não sobe ou desce por não estarmos na Champions. Vamos ter a mesma exigência e o mesmo querer ganhar, respeitando o adversário. O Rio Ave também vai querer vencer”, disse.
Os jogos da Taça de Portugal têm a sua particularidade e isso pode influenciar a forma como o adversário aborda a partida. O Benfica, por sua vez, só pensa em vencer independentemente da prova.
“Quando estamos a trabalhar num clube como o Benfica, o foco é a vitória, seja pelos três pontos, seja pela passagem na eliminatória. Estes jogos têm impacto nos jogadores das outras equipas, porque há prolongamento ou penáltis. Há variáveis que não se equacionam no campeonato. Na Taça de Portugal, o foco tem de ser ganhar e no campeonato, frente ao Benfica, nem sempre se pensa em vencer. Na nossa perspetiva pensamos sempre no mesmo: ganhar”, reforçou.
O sistema 4x3x3 tem usado Jonas como homem mais adiantado, deixando Raúl ou Seferović de fora. Rui Vitória desvaloriza esse facto e recorda que no sistema 4x4x2 também ficavam médios fora das opções.
“Quando utilizámos o sistema de dois médios também tínhamos seis/sete médios e alguns também não tinham o seu espaço. Em relação aos três avançados… São jogadores que têm percebido o momento que estamos a viver no campeonato e de progressão nas provas nacionais. O Jonas tem sido quem tem jogado e correspondido com golos. É uma questão de oportunidade, de momento. Todos são inteligentes, todos gostam de jogar. Têm trabalhado muito bem no processo de treino”, revelou.
João Félix renovou contrato com o Benfica por mais quatro anos. O técnico assumiu que o jovem faz parte de um vasto lote de futebolistas sob observação.
“Não tenho problemas em falar do João Félix, mas não quero particularizar, porque há um conjunto de jogadores com potencial para representar a equipa principal no futuro. O João integra um lote de jogadores com esse potencial. Se a evolução dele e dos outros for como pensamos, haverá muitos que poderão chegar à equipa principal. O João integra esse lote alargado de jogadores. Tenho debaixo da minha alçada cerca de 20 jogadores em observação na Formação do Clube. Nem todos lá vão chegar”, explicou.
O Rio Ave-Benfica tem início agendado para as 21h00 de quarta-feira, no Estádio do Rio Ave.

Histórico

TAÇA DE PORTUGAL: BENFICA SÓ SABE VENCER EM CASA DO RIO AVE
Recordar é viver, já dizia Vítor Espadinha na canção com o mesmo título. Antes de novo jogo que coloca o Rio Ave e o Benfica cara a cara, entre na viagem que passa pelos três jogos realizados pelos dois emblemas para a Taça de Portugal no estádio dos vila-condenses. O encontro de quarta-feira, às 21h00, referente aos oitavos de final, é o quarto entre Rio Ave e Benfica numa competição em que as águias conseguiram sempre levaram a melhor e avançar para a eliminatória seguinte.
1989/90: Rio Ave-Benfica, 1-4, 32 avos de final
Sob o comando de Sven-Göran Eriksson, o Benfica puxou dos galões e rapidamente se colocou em vantagem. Quase sem poupanças no onze – apesar de o Rio Ave militar nas divisões inferiores –, as águias começaram com nomes como Silvino, Veloso, Diamantino, Thern, Vítor Paneira, Valdo, Vata, Magnusson… O primeiro golo, aos 21’, foi apontado por Vata. Os da casa empataram por Karim, mas Magnusson (com um bis) e Samuel fizeram o resto.
1992/93: Rio Ave-Benfica, 1-3, 5.ª eliminatória
Na caminhada rumo à conquista de mais uma Taça de Portugal (5-2 ao Boavista na final), o Benfica viajou até Vila do Conde onde eliminou o Rio Ave, por 1-3. Num plantel onde pontificavam Kulkov, Vítor Paneira, Paulo Sousa, Rui Costa, João Vieira Pinto, Rui Águas, Isaías, Yuran – Futre juntar-se-ia mais tarde para brilhar na final do Jamor –, complicado era não ganhar. Kulkov, Hélder e Paneira resolveram antes de Gama reduzir aos 79’.
2010/11: Rio Ave-Benfica, 0-2, Quartos de final
Com os vila-condenses na I Liga, o Benfica sentiu outras dificuldades para seguir em frente. Ainda assim, Óscar Cardozo bisou e atirou as águias para as meias-finais. O Benfica não fez poupanças para este encontro. Houve somente mudança no guarda-redes (Roberto por Júlio César) e no trinco (Airton no lugar de Javi García). De resto, foi possível ver Luisão, David Luiz, Salvio, Aimar, Gaitán, Saviola e Cardozo.

Lista de Convocados

  • Guarda-redes: Svilar e Bruno Varela;
  • Defesas: Lisandro, Grimaldo, Luisão, Jardel e André Almeida;
  • Médios: Fejsa, Filipe Augusto, Samaris, Zivkovic, Salvio, Krovinović, Pizzi, Cervi, Diogo Gonçalves e João Carvalho;
  • Avançados: Raúl, Jonas e Seferovic.

Boletim Clínico

  • Indisponível

XI Provável

Jonas
Cervi Krovinovic Salvio
Fejsa Pizzi
Grimaldo Jardel Luisão(C) André Almeida
Svilar

Talking Points

  • Que jogador terá que fazer acontecer, superar-se a si próprio e embalar a equipa para a vitória?
  • Que jogador ou aspeto do jogo do adversário constitui-se como a maior ameaça para o SL Benfica?
  • Qual é o seu onze inicial, estrutura e dinâmicas preferidos para este jogo?
  • Qual é a sua previsão sobre o resultado final e os marcadores?
Nota: Este texto foi elaborado recorrendo a informações recolhidas no sítio web do SL Benfica.
submitted by fidjudisomada to benfica [link] [comments]


2016.11.01 16:35 daysz Fiquei quase um mês "vendendo minha arte na praia" com alguns amigos, eis minha experiência!

(Não sei se a flair estaria correta) Oi breddit, primeiro preciso dizer que isso foi em agosto desse ano, em Porto das Galinhas (e outros lugares, mas a maioria foi lá), já mencionei aqui no reddit que "vendo minha arte" para sobreviver e pensei que talvez alguém gostaria de ouvir sobre...
Fiz essa viagem em um grupo de 4 pessoas, eu, mocinha de 20 anos, meu namorado, 22 anos, minha irmã, 24 anos e o namorado dela de 22 anos também. Eu não sou uma pessoa muito viajada, na verdade, só fui na praia uma vez em toda minha vida, e também sou muito medrosa, então eu e meu namorado decidimos juntar uma grana pra ir, já minha irmã e o namorado dela (chamarei de casal daqui pra frente) juntaram vários trabalhos para vender lá e foram sem nada. Os dois desenham muito bem em tela com canetinha Pilot e tinta acrílica, eu costuro e faço ponto-cruz, então levei dois quadros de ponto cruz que fiz e o material para fazer mais coisas, meu namorado, well... ele toca violão e se arrisca a cantar.
Observações:
Tenho consciência de que isso foi sorte e em alta-temporada, mas mesmo assim, ganhamos bem pra caramba. Fizemos amizade com um cara que vende pulseiras, cordões, essas coisas e ele diz que chega a fazer 300 reais por dia nos dias que tem material suficiente. Já estamos planejando voltar no fim do ano, mas dessa vez para Fortaleza. Podem perguntar qualquer coisa. Não, eu não quero e não tenho coragem de viver disso, apesar que grande parte da minha renda atual vem da costura, eu, minha irmã, e o meu namorado estamos fazendo faculdade, o namorado dela vive disso mesmo, hahah.
submitted by daysz to brasil [link] [comments]


2016.08.11 15:49 Paralelo30 A anistia da Lava-­Jato - Maria Cristina Fernandes - Valor 11/08/2016

11/08/2016 ­ 05:00
Por Maria Cristina Fernandes
A reta final do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff coincide com o avanço, nos bastidores do Congresso, de uma anistia para uma parcela dos políticos que tiveram seus nomes envolvidos na Operação Lava­Jato. A ideia transita na cúpula dos Poderes Legislativo e Executivo. Já estava em pauta com a perspectiva de o deputado Eduardo Cunha (PMDB­RJ), sem mandato, vir a fazer delação premiada e ganhou força com o acordo, em fase final de negociação, entre o Ministério Público e Marcelo Odebrecht.
Um grupo de advogados com clientes na Lava­Jato começou a discutir a minuta de uma proposta que tanto pode vir a entrar na negociação das dez medidas anticorrupção, que tramitam no Congresso, quanto pode constar da reforma política que estará em pauta depois das eleições municipais.
O centro da proposta é a distinção entre caixa dois e propina. A legislação já os distingue, mas a partir de uma fronteira cinzenta que não impediu a Lava­Jato de juntar os dois crimes no mesmo balaio.
Alvo da proposta em discussão é separar caixa 2 de propina
Os grandes acordos de delação premiada, tanto o de Marcelo Odebrecht quanto o das demais empreiteiras envolvidas na operação, só evoluem a partir desta alquimia. Não é difícil obter uma confissão de caixa dois, crime eleitoral de baixo potencial punitivo. Mais difícil é arrancar dos empreiteiros a relação de atos prometidos a partir de doação ilegal. É isso que constitui corrupção.
A anistia que se começa a discutir no Legislativo avinagra o principal conteúdo das delações e deve enfrentar forte reação no Ministério Público. Um de seus integrantes acaba de anunciar, na Câmara que a Lava­Jato cumpriu apenas um quinto de suas tarefas.
A inclusão da anistia no debate das medidas anticorrupção seria a senha da negociação do pacote. A despeito da grande reverência com a qual o juiz Sergio Moro foi tratado, na semana passada, ao defender as medidas em audiência da comissão especial, o pacote que, entre outras medidas, agrava a punição do caixa dois, traz imenso desconforto aos parlamentares.
Os artigos que tratam do alongamento dos prazos da prescrição penal e aqueles que limitam os recursos à disposição dos réus são o limite do que o Congresso pode vir a aceitar das medidas do Ministério Público. Em troca, a proposta ganharia o jabuti da anistia.
Dado o poder de mobilização do Ministério Público, que colheu 2 milhões de assinaturas em apoio ao projeto, prevê-se reação estratosférica. Com a entrada em pauta, em novembro, da reforma política seria aberta uma janela à tramitação da proposta.
Um de seus maiores defensores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM­RJ), nega que a ideia já esteja formatada, mas reconhece discussões no sentido de separar crime eleitoral de propina. Maia trabalha para que, depois das eleições, quando prevê um grande desarranjo decorrente da proibição das doações empresariais, o Congresso aprove o fim das coligações, para enxugar o sistema partidário, e institua o modelo de lista fechada com o qual prevê campanhas mais baratas.
O discurso a ser adotado pelos parlamentares como vacina no acirrado debate público por vir é o de que a história do país se constrói num pomar de anistias. Foi neste terreno que brotou a Nova República. É por meio de sucessivos Refis que muitas empresas permanecem em funcionamento. O acordo em negociação com os Estados também prevê, em larga medida, um perdão de seus crimes de responsabilidade fiscal. O capital refugiado também receberá as bênçãos de uma anistia em sua repatriação. E, por fim, muitos contribuintes não conseguiriam se regularizar sem anistias periódicas de IPTU promovidas pelas prefeituras.
Não parece haver dúvida de que o Judiciário, frente à contra­-delação, saia à frente no quesito apoio popular. Mas o Congresso tem um calendário eleitoral a seu favor. Espera­-se desta disputa municipal sem dinheiro empresarial uma inflação de eleitos com curral cativo (comunicadores e igrejeiros) ou conta bancária recheada (empresários).
A iniciativa parlamentar buscaria legitimidade na deterioração da representação política a partir da tentativa de apartar a política do seu leite materno. A substituição de Fernando Haddad por Celso Russomano na maior cidade do país seria o principal símbolo da mudança para pior da política sob o signo da Lava-­Jato.
A narrativa parte do pressuposto de que só há dois tipos de políticos, os que recebem por fora para se enriquecer e aqueles que o fazem para se eleger. Condenar Eduardo Cunha e José Serra ao mesmo vaticínio seria decretar a morte da política e entregar o país para o Ministério Público governar. Passado o impeachment, a cassação do ex-presidente da Câmara marcaria o fim da transição para a era dos redimidos.
Entre os poucos que, no Congresso, se dispõem a falar sobre o tema, há expectativa de que um meio empresarial com ícones como Luiz Carlos Trabuco e Joseph Safra na linha de tiro, veja com simpatia a reação legislativa. Este aval é a maior aposta parlamentar para o rompimento da aliança indissolúvel entre imprensa e Ministério Público.
O capítulo mais delicado é o envolvimento do Palácio do Planalto. Se Michel Temer aparecer como avalista, o vaticínio dos grampeados do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, cai como uma espada sobre sua cabeça. O impeachment, finalmente consolidado, teria o objetivo de riscar no chão os limites da Lava-­Jato.
Quando esta proposta vier a ser formatada, Temer estará desprovido dos biombos com os quais governou até aqui. Sem a sombra de Dilma Rousseff, será mais diretamente cobrado por resultados, seja por quem quer sangue, seja por aqueles que pedem atadura. Não se descarte, ainda, a possibilidade de o Ministério Público, em reação, acelerar o capítulo Jaburu de suas investigações. O presidente interino não precisa consultar a Constituição para saber o que uma gestão sem resultados, somada a revolta popular contra um abafa sob patrocínio estatal, produziria sobre seu mandato.
A afinação entre Rodrigo Maia e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB­-AL), mais próximo do que nunca do Palácio do Planalto, dispensa um maior envolvimento de Temer nas tratativas. Nenhum aliado da anistia, no entanto, é mais poderoso do que a decadência de uma esquerda que, de porta-voz da decência, tornou-se potencial beneficiária do acordo.
Maria Cristina Fernandes é jornalista do Valor. Escreve às quintas-feiras
E-mail: [email protected]
http://www.valor.com.bpolitica/4667289/anistia-da-lava-jato#
submitted by Paralelo30 to BrasildoB [link] [comments]


2014.04.10 20:11 fidjudisomada Match Thread: SL Benfica vs. AZ Alkmaar

UEFA EUROPA LEAGUE - ÉPOCA 2013/14: Quartos-de-final, Segunda-mão
Sport Lisboa e Benfica vs. Alkmaar Zaanstreek (Primeira mão: 1-0)
Horário: Quinta-feira, 10 de Abril de 2014, 21.05CET (20.05 Hora local)
Local: Estádio do Sport Lisboa e Benfica - Lisboa
Árbitro: Pavel Královec (CZE). Árbitros assistentes: Roman Slyško (SVK), Martin Wilczek (CZE). Árbitros assistentes adicionais: Radek Příhoda (CZE), Michal Paták (CZE). Quarto árbitro: Antonin Kordula (CZE). Delegado da UEFA: Bernd Barutta (GER). Observador: Rune Pedersen (NOR).
Televisão:
Rádio:
Antevisão
  • O SL Benfica atingiu a final da UEFA Europa League na época passada, e desta feita tem boas possibilidades de chegar a Turim, já que defende uma vantagem de 1-0 quando receber o AZ Alkmaar, na segunda mão dos quartos-de-final.
  • A excelente finalização de Eduardo Salvio no início da segunda parte valeu ao Benfica a vitória na Holanda, com o vigor do AZ a desvanecer-se, depois de ter tido as melhores ocasiões de golo antes do intervalo.
Encontros anteriores
  • As duas equipas encontraram-se pela primeira vez nas competições da UEFA no jogo da primeira mão.
  • O registo do Benfica em 22 jogos frente a clubes holandeses é de nove vitórias, oito empates e cinco derrotas (sete vitórias, um empate e duas derrotas em Lisboa). Esta contabilidade inclui duas partidas em campo neutro – um empate a zero frente ao PSV Eindhoven, na final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1987/88 (que o Benfica perdeu por 6-5 no desempate por grandes penalidades), e uma derrota por 3-0 frente ao AFC Ajax, em jogo de repetição dos quartos-de-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1968/69.
  • O Benfica venceu os seus últimos cinco jogos em casa frente a adversários holandeses – com todas as vitórias alcançadas desde o início do milénio por margem de dois ou mais golos.
  • Os seis jogos do AZ frente a equipas portuguesas resultaram em três vitórias, um empate e duas derrotas (uma vitória e uma derrota em Portugal).
Retrospectiva
  • O Benfica não perde há 11 jogos caseiros nas competições europeias (nove vitórias e dois empates), desde uma derrota por 2-0 com o FC Barcelona, na fase de grupos da edição 2012/13 da UEFA Champions League.
  • O AZ não perde fora há seis jogos nas competições europeias esta temporada (três vitórias e três empates), mas tem apenas uma média de um golo nas suas deslocações desde o início da fase de grupos. Antes da primeira mão, o AZ era a única equipa presente nos quartos-de-final oriunda da fase de grupos que ainda não tinha perdido nesta edição do torneio.
  • As quatro equipas que transitaram da UEFA Champions League para os 16 avos-de-final – Juventus, Benfica, FC Basel 1893 e FC Porto – ainda não perderam ao fim de cinco jogos.
  • O Benfica eliminou o Newcastle United FC nesta fase da prova na época passada, a caminho da final da UEFA Europa League, que perderia frente ao Chelsea. Os "encarnados" estão nos quartos-de-final desta prova pela quarta ocasião em cinco épocas, não tendo passado daí em 2009/10, mas alcançando as meias-finais em 2010/11 e a final em 2012/13.
  • O AZ chegou pela última vez aos quartos-de-final em 2011/12, quando foi eliminado pelo Valencia CF, tendo também ficado pelo caminho – frente ao SV Werder Bremen - na mesma fase da edição de 2006/07. A última vez que atingiu as meias-finais aconteceu em 2004/05, quando foi eliminado pelo Sporting Clube de Portugal. Antes, em 1980/81, foi derrotado pelo Ipswich Town FC na final da Taça UEFA.
Factos da equipa
  • O Benfica emprestou o seu dianteiro holandês Ola John ao Hamburger SV até ao final da época, mas ainda tem nas suas fileiras dois futebolistas com experiência na Eredivisie: os médios Miralem Sulejmani (sc Heerenveen 2007-08, Ajax 2008-13) e Filip Djuričić (Heerenveen 2010–13).
  • O defesa do AZ, Jeffrey Gouweleeuw, e o médio Viktor Elm foram companheiros de Djuričić no Heerenveen (2010–13), ao passo que o médio do AZ, Roy Beerens, foi companheiro de equipa de ambos no mesmo clube, entre 2007 e 2011).
  • Juntamente com o Basileia e o Olympique Lyonnais, o AZ é uma das três equipas presentes nos quartos-de-final que nunca venceu uma prova de clubes da UEFA.
  • O AZ é a equipa que cometeu mais faltas na presente edição da prova – 166 desde o início da fase de grupos.
  • O médio sérvio do AZ, Nemanja Gudelj, é o jogador com mais minutos disputados na competição ainda em prova (980), desde o início da fase de grupos. É também aquele que mais faltas cometeu (25).
  • O benfiquista Eduardo Salvio fez o seu 38º jogo na UEFA Europa League desde que o torneio adoptou a sua actual designação. O golo marcado na primeira mão permitiu ao Benfica juntar-se ao PSV Eindhoven como a equipa mais concretizadora da nova competição, com 64 golos.
  • Os dois países mais bem-sucedidos na presente temporada, Espanha e Portugal, têm dois clubes ainda em prova, ao passo que Itália, Holanda, Suíça e França contam com somente um representante.
Informação dos treinadores
  • Dick Advocaat foi eleito treinador do AZ a 16 de Outubro, tendo regressado ao clube cuja equipa dirigiu durante cinco meses, no final de 2009/10. Duas vezes seleccionador da Holanda, venceu a Taça UEFA de 2007/08 pelo FC Zenit, assim como títulos holandeses com o PSV Eindhoven (1997/98), Rangers FC (1998/99 e 1999/2000) e Zenit (2007).
  • Advocaat é o único presente nos quartos-de-final a ter vencido esta prova como treinador, pese embora o técnico da Juventus, Antonio Conte, tenha erguido a Taça UEFA como jogador.
  • O treinador do Benfica, Jorge Jesus, seguiu as pisadas do seu pai, Virgolino Jesus, ao ainda jovem assinar contrato com o Sporting, e foi um médio que passaria por vários clubes antes de começar a carreira de treinador. Liderou diversas equipas antes de, em Junho de 2009, assumir o comando técnico do Benfica, depois de levar o SC Braga aos oitavos-de-final da Taça UEFA de 2008/09. Conduziu o Benfica ao título português no final da sua primeira época no clube e à final da UEFA Europa League da época passada.
Sport Lisboa e Benfica Sub Reddit Twitter Feed Página no Facebook Perfil no G+ Canal no YouTube
XI inicial:
(#) Pos. Nome
1 GR Artur
28 DD Sílvio
4 DC Luisão(C)
24 DC Garay
16 DE Siqueira
18 MD Salvio
5 MC Lubomir Fejsa
30 MC André Gomes
8 ME Sulejmani
19 A Rodrigo
7 A Óscar Cardozo
Banco de suplentes
(#) Pos. Nome
13 GR Paulo Lopes
34 DD André Almeida
33 DC Jardel
50 MD L. Marković
10 MC Djuričić
35 MC Enzo Pérez
11 A Lima
Treinador: Jorge Jesus
Alkmaar Zaanstreek Twitter Feed Página no Facebook
XI inicial:
(#) Pos. Nome
1 GR Esteban
2 DD Johansson
4 DC Viergever(C)
24 DC Gouweleeuw
29 DE Jan Wuytens
12 MC Elm
26 MC Ortiz
8 MC Gudelj
22 A Berghuis
20 A Jóhannsson
23 A Beerens
Banco de suplentes
(#) Pos. Nome
16 GR De Winter
6 D Reijnen
33 D Thom Haye
5 M Gorter
19 M Henriksen
7 A Gudmundsson
44 A Avdic
Treinador: Dick Advocaat
Incidências:
0': XI inicial do SL Benfica: Artur; Sílvio, Luisão, Garay e Siqueira; Salvio, Fejsa, André Gomes e Sulejmani; Rodrigo e Cardozo.
0': Banco de suplentes do SL Benfica: Paulo Lopes, Jardel, André Almeida, Djuricic, Enzo Pérez, Lima e Markovič.
0': XI inicial do AZ Alkmaar: Esteban; Johanson, Viergever, Gouweleeuw e Wuytens; Gudelj, Elm e Berghuis; Ortiz, Johannsson e Beerens.
0': Banco de suplentes do AZ Alkmaar: De Winter, Reijnen, Gorter, Henriksen, Haye, Gudmunsson e Avdic.
0': O árbitro checo Pavel Královec apita e começa o Sport Lisboa e Benfica vs. Alkmaar Zaanstreek! Posse de bola para o AZ.
4': André Almeida (entra) - Sílvio (sai) (Benfica)
23': O árbitro mostra o cartão amarelo a Berghuis (AZ).
31': Salvio (Benfica) vê o cartão amarelo.
33': Até ao momento, Cardozo e Alvarado estão a ser os protagonistas deste jogo, com o guarda-redes a negar o golo ao ponta-de-lança paraguaio em duas ocasiões.
39': GGGOOOOOOLLLLLLOOOO! RODRIGO! 1-0!
39': Velocidade estonteante de Salvio na direita, a arrancar perto do meio-campo e rumando à linha-de-fundo, onde cruza tenso para o internacional Sub-21 espanhol, que encosta à boca da baliza.
39': Vídeo do golo de Rodrigo.
45': Intervalo! Sport Lisboa e Benfica 1-0 Alkmaar Zaanstreek. Rodrigo 39'
45': O Benfica chega ao intervalo em vantagem frente ao AZ, graças a um golo de Rodrigo, aos 39 minutos, no seguimento de uma iniciativa de Eduardo Salvio no lado direito. Contudo, nem tudo foi bom para a formação "encarnada", já que Sílvio foi forçado a sair logo aos dois minutos, aparentemente a contas com uma lesão grave.
45': Começa a segunda parte. Posse de bola para o Benfica. Não se registaram substituições ao intervalo.
64': Pérez (entra) - Fejsa (sai) (Benfica)
70': L. Marković (entra) - Sulejmani (sai) (Benfica)
71': GGGOOOOOOLLLLLLOOOO! RODRIGO! 2-0!
73': Cartão amarelo para André Gomes (Benfica).
77': Haye (entra) - Berghuis (sai) (AZ)
77': Gudmundsson (entra) - Beerens (sai) (AZ)
79': Henriksen (entra) - Ortiz (sai) (AZ)
90': Terminou! Sport Lisboa e Benfica 2-0 Alkmaar Zaanstreek. Rodrigo 39', 71'
90': Com dois golos de Rodrigo, o Benfica deu seguimento ao triunfo em Alkmaar e confirmou o apuramento para as meias-finais, onde vai estar pela segunda época consecutiva. O AZ não causou dificuldades ao conjunto lisboeta durante esta partida e sai assim da competição vergado a duas derrotas.
submitted by fidjudisomada to benfica [link] [comments]


M&B: Warband - Napoleonic Wars: BATALHA DE LINHA #02 Linhas Guias // CorelDRAW para Iniciantes #18 APRENDA A FAZER 3 TIPOS DE NÓS EM LINHA DE PIPA « Renatinho8263 » Tenkara set up (montagem, vara, linhas moscas etc) Como Crear Enlaces De Grupos De Whatsapp Para ... - YouTube MESA DE MEZCLAS - Cómo JUNTAR o UNIR DOS CONSOLAS para ... Nó cirúrgico para emenda de linha no crochê I Dica de como emendar linha no crochê com nó cirúrgico postar em varios grupos e paginas perfil do facebook Como unir(juntar) objetos diferentes no autocad - Groups Trailer - A Última Jornada

Para unir polilinhas, splines, linhas e arcos em uma única ...

  1. M&B: Warband - Napoleonic Wars: BATALHA DE LINHA #02
  2. Linhas Guias // CorelDRAW para Iniciantes #18
  3. APRENDA A FAZER 3 TIPOS DE NÓS EM LINHA DE PIPA « Renatinho8263 »
  4. Tenkara set up (montagem, vara, linhas moscas etc)
  5. Como Crear Enlaces De Grupos De Whatsapp Para ... - YouTube
  6. MESA DE MEZCLAS - Cómo JUNTAR o UNIR DOS CONSOLAS para ...
  7. Nó cirúrgico para emenda de linha no crochê I Dica de como emendar linha no crochê com nó cirúrgico
  8. postar em varios grupos e paginas perfil do facebook
  9. Como unir(juntar) objetos diferentes no autocad - Groups
  10. Trailer - A Última Jornada

Nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial o tenente Raleigh (Asa Butterfield) fez alguns contatos para que conseguisse se juntar na linha de frente ao seu amigo de infância, capitão Stanhope ... Hola Amigos De YouTube, En Está Ocasión Aprenderemos A Crear Nuestros Propios Enlaces De Un Grupo De Whatsapp, Para Poder Compartirlo Y Que Las Personas Se U... Aprenda a unir dois fios para sempre, sem o perigo de o nó se desfazer.Nó do cirurgico para se juntar o fio, Nó indestrutível.Aprenda a unir a lã,fio linha, ... Segunda batalha de linha da qual participamos. Temos muito trabalho a fazer, mas acredito que já melhoramos um pouco! Para juntar-se a nós, entre no grupo de recrutamento steamcommunity.com ... Se temos uma ferramenta que pode automatizar todo o processo e nossas contas Facebook Adicionar amigos, Auto Post para parede do amigo, Auto Direct Message, juntar grupos, postar a linha do tempo ... Si alguna vez nos quedamos sin entradas de MICRÓFONO en la mesa de mezclas y no podemos sonorizar todos los instrumentos de un espectáculo, podemos aprovecha... APRENDA A FAZER 3 TIPOS DE NÓS EM LINHA DE PIPA « Renatinho8263 » Nesse Video ensino a Fazer 3 Tipos de Nós em Linha de Pipa , 1° Nó Tradicional, 2° Nó de Marinheiro e o 3° Nó Alemão ... A ferramenta GROUPS permite unir unir diferentes elementos, transformando-os em apenas um. Inscreva-se! Vamos aprender hoje, como se usa as linhas guias. Ferramenta importante para organizar de maneira profissional o seu arquivo no CorelDRAW® Conteúdo gerado com base de anos de trabalho com o ... Nesse vídeo trago algumas informações sobre o material que utilizo para realizar minhas pescarias e mostro como fazer os nós necessários para unir a linha de arremesso a vara e ao leader.